Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Gangues inspiradas em anime japonês se espalharam por Kiev, e Ucrânia acusa Rússia pelo caos

    Polícia ucraniana diz ter bloqueado 18 canais no Telegram criados para envolver menores de idade em "atividades ilegais"

    A Rússia está sendo acusada de exportar influência nas ruas ucranianas com gangues de adolescentes inspiradas em um anime japonês.
    A Rússia está sendo acusada de exportar influência nas ruas ucranianas com gangues de adolescentes inspiradas em um anime japonês. Reprodução/ Telegram

    Tim Listerda CNN

    As autoridades ucranianas estão acusando a Rússia de tentar exportar um fenômeno improvável: gangues de adolescentes inspiradas em um jogo de anime japonês que saem às ruas para brigas generalizadas.

    Essas gangues ficaram conhecidas como “Redan PMC”, combinando o nome de um personagem de anime japonês com o acrônimo de Private Military Company, tornado infame pelo grupo mercenário Wagner.

    Eles parecem ter começado em Moscou como um veículo para adolescentes lutarem contra gangues organizadas de torcedores de futebol. Os adolescentes se organizam por meio dos canais do Telegram e aparecem em locais designados como flash mobs.

    Um vídeo recente mostrou uma batalha em andamento em um shopping na capital russa. Agências de notícias russas também relataram uma briga em uma estação de metrô em Moscou.

    Na última semana, as gangues de Redan também começaram a aparecer nas ruas de várias cidades ucranianas – dando mais trabalho a uma força policial já sobrecarregada.

    Grupos de adolescentes se reuniram na capital, Kiev, bem como em Lviv e Kharkiv; um suposto líder de 16 anos foi detido em Dnipro.

    Os fãs de Redan usam um motivo muito particular: o contorno de uma aranha com o número 4. É derivado de uma série de anime japonesa chamada “Hunter x Hunter”, na qual há um grupo de gângsteres chamado Gen’ei Ryodan (daí Redan).

    Vídeos e imagens de mídia social mostram que os membros do Redan na Rússia também preferem moletons pretos e calças xadrez.

    As autoridades russas reconheceram o surgimento de Redan.

    A agência de notícias estatal RIA Novosti informou que mais de 350 pessoas – 319 delas menores de idade – foram levadas a delegacias de polícia em Moscou por envolvimento em Redan.

    A RIA Novosti citou uma fonte de segurança dizendo que cartuchos de gás e facas foram confiscados.

    A agência também informou que apoiadores da “subcultura Redan” foram detidos em Kazan, São Petersburgo e Novosibirsk.

    O surgimento de Redan até fez o Kremlin falar. O porta-voz Dmitry Peskov disse na terça-feira (28) que era importante interromper “ações ilegais. E, claro, é, digamos, uma pseudo-subcultura que acompanha um sinal de menos e que não faz nada de bom para a nossa juventude”.

    Mas a polícia nacional da Ucrânia afirma que os russos estão tentando exportar a influência negativa de Redan para adolescentes ucranianos por meio de uma campanha de desinformação nos canais do Telegram.

    A polícia disse na terça-feira que bloqueou 18 canais e grupos do Telegram “criados para conduzir campanhas de informação militar russa, minar a situação doméstica na Ucrânia e envolver menores em atividades ilegais”.

    Eles acrescentaram que “cerca de 30 encontros juvenis aconteceram em diferentes regiões do país ao longo de dois dias. Os policiais responderam imediatamente e evitaram conflitos entre os adolescentes”.

    Somente em Kharkiv, policiais identificaram 245 participantes no que chamaram de flash mob lançado pela Federação Russa. 215 deles eram menores de idade.

    Volodymyr Tymoshko, chefe de polícia da cidade, disse que os serviços de segurança russos – o FSB – “reuniram todas essas pessoas por meio de manipulação e engano, e deveriam ter começado uma briga para que a TV russa pudesse usá-lo. Botijões de gás, facas, soqueiras foram encontrados na posse de muitos (participantes).”

    Na terça-feira, a unidade cibernética da polícia disse ter detido o fundador de um canal Redan Telegram, de 16 anos, na cidade de Dnipro.

    Em um vídeo gravado e posteriormente divulgado pela polícia, o adolescente afirma: “Sou fundador de um grupo com cerca de 2.500 integrantes. Eu o criei para ganhar dinheiro com postagens publicitárias, já que o tema Redan é popular nas redes sociais.”

    Acrescenta que a ideia “veio da Rússia, pretendendo a desestabilização. Peço a todos que parem de organizar reuniões e procurar redanistas”.

    Na capital ucraniana, a polícia disse que os instigadores da “subcultura que veio da Rússia” eram dois adolescentes, uma menina de 15 anos que criou um canal no Telegram e um menino de 14 anos que organizou uma “reunião de conflito”.

    Em uma entrevista postada pela polícia, a garota disse que o grupo era “apenas para propaganda…Também quero dizer que não há Redan [em] Kiev”.

    Como o adolescente de Dnipro, ela acrescentou que a moda de Redan era “propaganda russa direta. Peço que não acreditem em tais informações e se concentrem em se preocupar com nossos caras que agora estão lutando.”

    Vasyl Bohdan, chefe do Departamento de Prevenção Juvenil da Polícia Nacional, disse que um total de mais de 700 pessoas foram convocadas às delegacias, a maioria menores de idade.

    Bohdan disse que a força estava apelando aos pais para “mostrar interesse em saber com quem seus filhos se comunicam”.

    Parece provável que agora que a polícia na Rússia e na Ucrânia está agindo contra os redanistas, a moda desaparecerá.

    Mas seu surgimento repentino em ambos os lados da fronteira pode falar tanto sobre o tédio adolescente e o poder dos canais de mídia social quanto sobre qualquer plano de desestabilização astuto.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original