Governo de Burkina Faso nega golpe de Estado após tiroteio em quartéis

Embora confirme tiros em alguns quartéis, o porta-voz do governo, Alkassoum Maiga, disse em comunicado que não há tomada de poder pelo exército e pede calma à população

wirestock / Freepik

Reuters

Ouvir notícia

Tiros foram disparados de vários acampamentos militares em Burkina Faso, país africano, na madrugada de domingo (23), disse o governo, mas negou que os militares tivessem tomado o poder.

O fogo pesado de armas no campo de Sangoule Lamizana, na capital Ouagadougou, que abriga o estado-maior do exército e uma prisão cujos presos incluem soldados envolvidos em uma tentativa fracassada de golpe de 2015, começou perto da meia-noite, horário de Brasília, segundo repórter da Reuters.

Mais tarde, o repórter viu soldados atirando para o ar no acampamento. Uma testemunha também relatou tiros em um acampamento militar em Kaya, cerca de 100 quilômetros ao norte da capital.

O governo de Burkina Faso confirmou tiros em alguns acampamentos militares, mas negou relatos nas mídias sociais de que o exército havia imposto um golpe de estado.

“Informações nas redes sociais sugerem uma tomada do poder pelo exército. O governo, embora confirme tiros em certos quartéis, nega essa informação e pede à população que mantenha a calma”, disse o porta-voz do governo Alkassoum Maiga em comunicado.

Os governos da África Ocidental e Central estão em alerta máximo para golpes após motins bem-sucedidos nos últimos 18 meses no Mali e na Guiné. Os militares também assumiram o Chade no ano passado, depois que o presidente Idriss Deby morreu no campo de batalha.

As autoridades burquinas prenderam uma dúzia de soldados no início deste mês por suspeita de conspirar contra o governo.

As prisões ocorreram após uma mudança na liderança do exército em dezembro, que alguns analistas viram como um esforço do presidente Roch Kabore para reforçar seu apoio dentro das forças armadas.

O aumento da violência no país da África Ocidental por militantes islâmicos ligados à Al Qaeda e ao Estado Islâmico matou mais de duas mil  pessoas no ano passado, provocando violentos protestos de rua em novembro pedindo a renúncia de Kabore.

Outras manifestações foram planejadas para sábado, mas o governo as proibiu e a polícia interveio para dispersar as centenas de pessoas que tentaram se reunir em Ouagadougou.

O governo suspendeu o serviço de internet móvel em várias ocasiões, e a situação tensa de novembro levou o enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) à África Ocidental a alertar contra qualquer tomada militar.

Entre os detentos da prisão do campo de Sangoule Lamizana está o general Gilbert Diendere, que era um dos principais aliados do ex-presidente de Burkina Faso, Blaise Compaore. Compaore foi derrubado em uma revolta de 2014.

Diendere liderou uma tentativa fracassada de golpe no ano seguinte contra o governo de transição. Ele foi condenado em 2019 a 20 anos de prisão. Ele também está sendo julgado em conexão com o assassinato do antecessor de Compaore, Thomas Sankara, durante um golpe em 1987.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN