Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo do Peru declara emergência sanitária após aumento de casos da síndrome de Guillain-Barré

    Segundo o Ministério da Saúde, foram registrados 182 casos e 4 mortes pela doença no país até sábado (8)

    Ministro da Saúde do Peru, César Vásquez, declara emergência sanitária
    Ministro da Saúde do Peru, César Vásquez, declara emergência sanitária Ministério da Saúde do Peru

    Flávio Ismerimda CNN

    São Paulo

    O governo do Peru declarou emergência sanitária no país após um “aumento inusitado de casos da síndrome de Guillain-Barré” no sábado (8). A medida tem valor por 90 dias e foi anunciada em conjunto com a destinação de 12 milhões de soles, cerca de R$ 16 milhões, para a compra de insumos.

    “Até agora controlamos a doença. Guillain-Barré aparece todos os anos e houve um aumento significativo nas últimas semanas que nos obriga a tomar medidas como Estado para proteger a saúde e a vida da população”, afirmou o ministro da Saúde peruano, César Vasquez.

    Até sábado, a pasta registrou um total de 4 mortes e 182 casos de síndrome de Guillain-Barré, dos quais 31 pacientes estão internados e 147 já tiveram alta.

    “Estamos assumindo a liderança que nos corresponde. Estamos conversando com as autoridades regionais para ver a execução orçamentária, porque os pacientes devem ter seu tratamento adequado”, afirmou o ministro.

    O que é a síndrome de Guillain-Barré?

    A síndrome de Guillain-Barré é uma doença autoimune que causa fraqueza ou paralisia muscular. Segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, é um distúrbio raro e incomum. Em raras ocasiões, casos da síndrome ocorreram em pessoas que foram vacinadas contra a gripe.

    Em 2021, o FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos — órgão semelhante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil — atualizou o rótulo da vacina contra o novo coronavírus da Janssen, e disse que pode haver um risco maior da síndrome entre as pessoas vacinadas recentemente.

    Os sintomas podem durar algumas semanas. Embora a maioria das pessoas tenha uma recuperação completa, algumas podem ter danos a longo prazo no sistema neurológico. Em casos muito raros, pode causar a morte.