Grã-Bretanha reagirá contra China e Rússia no ciberespaço

EUA continuam sendo a maior potência cibernética do mundo, seguidos pela China, Reino Unido, Rússia e Holanda

Ataques cibernéticos cresceram durante a pandemia
Ataques cibernéticos cresceram durante a pandemia Foto: Dado Ruvic/Reuters

Guy Faulconbridgeda Reuters

Ouvir notícia

A Grã-Bretanha disse que rejeitaria o que considera tentativas da Rússia e da China de estabelecer a soberania nacional, sobre as artérias de comunicação e tecnologias emergentes que moldarão o século XXI.

A Grã-Bretanha descreve a China e a Rússia como rivais estratégicos cuja corrida pelo controle de algumas tecnologias importantes, como inteligência artificial, computação quântica e design de microprocessador, pode ameaçar a segurança ocidental e uma Internet relativamente livre.

“China e Rússia continuam defendendo uma maior soberania nacional sobre o ciberespaço como resposta aos desafios de segurança”, de acordo com a nova Estratégia Cibernética Nacional da Grã-Bretanha a ser publicada na quarta-feira (15).

“Os debates sobre as regras que governam o ciberespaço se tornarão cada vez mais um local de competição sistêmica entre grandes potências, com um choque de valores”, disse o Reino Unido.

Essa competição, disse a Grã-Bretanha, colocará cada vez mais pressão sobre uma internet livre, à medida que grandes potências e grandes empresas de tecnologia promovem visões concorrentes de padrões técnicos e governança da internet.

Os Estados Unidos continuam sendo a maior potência cibernética do mundo, seguidos pela China, Reino Unido, Rússia e Holanda, de acordo com o Belfer Center Cyber ​​2020 Power Index da Universidade de Harvard.

A China e a Rússia negaram repetidamente as alegações ocidentais de que qualquer um dos dois estaria por trás dos ataques cibernéticos. Tanto Moscou quanto Pequim disseram que o Ocidente não está em posição de dar um sermão sobre hacking ou sobre as tecnologias que decidem desenvolver.

A Grã-Bretanha disse que 6G, inteligência artificial, microprocessadores e uma variedade de tecnologias quânticas, incluindo computação quântica, sensoriamento quântico e criptografia pós-quântica, são prioridades para o desenvolvimento.

Proteger os dados se tornaria mais crucial, disse a Grã-Bretanha.

“Esta infraestrutura é um bem nacional vital”, disse a Grã-Bretanha. “Assumiremos um papel mais importante para garantir que os dados sejam suficientemente protegidos quando processados, em trânsito ou armazenados em grande escala, por exemplo, em centros de dados externos.”

Mais Recentes da CNN