Greta Thunberg critica COP26 após acordo entre países: “blá, blá, blá”

Segundo a ativista ambiental, o "verdadeiro trabalho" contra as mudanças climáticas continuaria fora da conferência

A jovem ativista Greta Thunberg durante um protesto em frente ao Conselho Europeu, em Bruxelas
A jovem ativista Greta Thunberg durante um protesto em frente ao Conselho Europeu, em Bruxelas Johanna Geron/ Reuters

João Pedro Malarda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A ativista ambiental Greta Thunberg comentou neste sábado (13) o encerramento da COP26 (Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas) após um acordo que foi aprovado por mais de 200 países para reduzir o uso de combustíveis fósseis.

“A COP26 acabou. Aqui está um breve resumo: blá, blá, blá”, afirmou a sueca em uma publicação no Twitter. Ela ainda disse que o “verdadeiro trabalho” continuaria fora dos corredores em que a Conferência ocorreu.

“Nós nunca vamos desistir, nunca”, disse. Antes da aprovação do acordo, Thunberg já havia defendido que era necessário atingir um corte “imediato, drástico e sem precedentes” nas emissões anuais para combater as mudanças climáticas e seus efeitos.

Ela afirmou que “pequenos passos na direção certa, fazer algum progresso ou ganhar lentamente equivalem a perder”.

A publicação da ativista ocorre após o fim da maratona de negociações na COP26, que ocorreu em Glasgow, na Escócia. O acordo final trouxe, pela primeira vez na história, uma referência aos combustíveis fósseis, em especial o carvão, e sua influência na crise climática.

O último rascunho do acordo, porém, teve sua linguagem atenuada para se referir aos combustíveis fósseis, retirando o termo “eliminação” no uso de carvão e substituindo por “redução”. A mudança ocorreu após críticas da Índia e do Irã.

O objetivo principal do acordo é impedir que as emissões de gases poluentes, como o carbônico e o metano, levem a um aquecimento global acima de 1,5ºC. Segundo cientistas, o valor representa um limite que, se ultrapassado, agravaria os impactos da crise climática e levaria a mudanças climáticas catastróficas.

Mais Recentes da CNN