Grupos LGBTQIA+ dos EUA querem uma nova bandeira inclusiva com trans e negros

Bandeira atual do Orgulho teria a inclusão da bandeira trans e duas faixas representando a população negra

Proposta de nova bandeira do Orgulho LGBTQIA+ inclusiva com pessoas trans e negras
Proposta de nova bandeira do Orgulho LGBTQIA+ inclusiva com pessoas trans e negras Foto: Getty Images (Miguel Sotomayor)

Keely Aouga, Taylor Romine, da CNN

Ouvir notícia

Neste mês de agosto, há 55 anos, um grupo de mulheres trans no bairro de Tenderloin, em São Francisco, na Califórnia (EUA), lutaram contra a polícia enquanto prendiam clientes na Cafeteria Compton, um lugar que frequentavam para prevenir temporariamente o assédio, a discriminação e a violência física que enfrentavam nas ruas. Embora a justificativa para suas prisões seja desconhecida, a polícia frequentemente prendia aqueles que vestiam roupas “opostas” ao seu sexo, o que na época era um crime.

Este ato histórico de resistência transgênero à polícia, que ocorreu três anos antes dos motins de Stonewall, em 1969, quase se perdeu na história até que Susan Stryker, uma estudiosa focada em questões LGBTQIA+, encontrou menção do evento em arquivos históricos relacionados da Marcha do Orgulho Gay em Nova York em memória de Stonewall.

“A polícia tentou prender uma das rainhas e jogou café em seus rostos”, disse à CNN Stryker, que atualmente é a distinta diretora de liderança feminina de Barbara Lee no Mills College. Na época, as mulheres trans que se vestiam com roupas consideradas femininas eram chamadas drag queens ou rainhas, disse ele.

“As pessoas jogaram pratos, talheres e açucareiros na polícia e eles quebraram as janelas do refeitório”, continuou.

Embora o evento, que mais tarde foi apelidado de Compton’s Cafe Riot, não seja tão conhecido como Stonewall, Stryker o caracterizou como “um precursor de um terremoto maior”.

“Provavelmente havia algumas centenas de pessoas lutando e isso é lembrado como um dos primeiros grandes movimentos de resistência trans/queer”, disse ele.

Cinquenta e cinco anos depois, partes da comunidade LGBTQIA+ estão considerando que histórias como o motim da Cafeteria Compton foram esquecidas anteriormente, enquanto maneiras de refletir melhor a inclusão são debatidas. Ultimamente, isso leva a mais conversas em todo o país sobre qual versão da bandeira do Orgulho LGBTQIA+ deve usar.

No final de junho, o Distrito Cultural de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Queer (CQCD) de São Francisco votou para recomendar a Castro Merchants, a associação comercial com jurisdição sobre os mastros, para substituir a bandeira original. Orgulho em Harvey Milk Plaza com uma nova versão da bandeira mais inclusiva com membros negros, pardos e transgêneros da comunidade LGBTQIA+.

O Conselho Consultivo do CQCD votou 7-2 para recomendar a alteração da comumente reconhecida bandeira do arco-íris, também conhecida como desenho de Gilbert Baker, para Bandeira do Orgulho do Progresso. Esta nova versão inclui listras pretas, marrons, azuis claras, brancas e rosa, além das cores originais da bandeira do Orgulho, para reconhecer e incluir membros negros, marrons e transgêneros da comunidade LGBTQ.

Gilbert Baker criou o desenho original da bandeira do Orgulho em 1978, culminando na versão amplamente usada de seis listras vista hoje, de acordo com a Fundação Baker. Cada cor tem um significado diferente; por exemplo, o vermelho representa a vida, enquanto o laranja representa a cura.

Após a votação de junho, o CQCD anunciou no final de julho que conduziria uma votação da comunidade por suas plataformas de mídia social, bem como por uma votação impressa onde os membros da comunidade poderiam compartilhar suas ideias sobre a bandeira atual. O grupo disse em sua página no Facebook que as respostas à pesquisa seriam coletadas e apresentadas em um fórum maior da comunidade em setembro.

Os comerciantes de Castro acabarão por tomar a decisão de fazer uma mudança. Não há prazo definido pelo CQCD ou pelos comerciantes para que o assunto seja resolvido.

Embora o distrito de Castro seja único por ser um bairro e um distrito cultural bem conhecido, as comunidades LGBTQIA+ em outras partes do país também estão repensando as bandeiras que usam.

Em 2017, a Filadélfia lançou uma nova versão de sua bandeira do Orgulho, que apresenta listras pretas e marrons, além do arco-íris tradicional.

O Centro Comunitário LGBT de Nova York está exibindo atualmente uma versão híbrida da bandeira Gilbert Baker fora de seu escritório. Além das cores do arco-íris, inclui listras pretas e marrons, além do nome da organização.

Um porta-voz do centro disse em um comunicado que hasteava algumas bandeiras diferentes trocadas no prédio “para expressar solidariedade, expandir a inclusão e comunicar aceitação”, dependendo da ocasião. A organização também está considerando se deve fazer modificações em sua bandeira atual ou adicionar mais fora, mas disse que exibir uma bandeira é “apenas uma das maneiras de reconhecer e celebrar visivelmente a pluralidade colorida de nossa comunidade”.

O debate sobre uma nova bandeira

O debate sobre uma bandeira atualizada ocorre enquanto a comunidade LGBTQIA+ luta com o tratamento dado aos negros, pardos e transgêneros, que historiadores e defensores dizem ter contribuído muito para o movimento, mas cujo trabalho é frequentemente esquecido ou apagado da história.

Eric Stanley, professor associado do Departamento de Estudos de Gênero e Mulheres da Universidade da Califórnia, Berkeley, disse à CNN que esses grupos negligenciados desempenham um papel crucial na luta pelos direitos civis LGBTQIA+.

“Como está bem documentado, os negros, pardos e indígenas têm sido fundamentais em todos os aspectos dos movimentos de libertação trans/queer”, disse Stanley, citando os distúrbios da Cafeteria Compton como exemplo.

“Elas eram, em sua maioria, rainhas de rua de baixa renda, muitas delas negras e pardas, que lutaram contra a polícia nas ruas do Stonewall Inn três anos depois”, acrescentando que a maioria dos ativistas gays e lésbicas brancos na época condenaram qualquer tipo de contra-ataque à polícia em favor de uma imagem mais “respeitável”. Mas muitas dessas mulheres transexuais sabiam que, por mais respeitáveis ??que fossem, a polícia ainda seria violenta contra elas, disse Stanley.

Joss Greene, bolsista de sociologia da Universidade de Columbia que se concentra na história das pessoas trans, expandiu a ideia de que a luta pela igualdade apagou aqueles que não se encaixavam nas ideias do que significava ser uma pessoa LGBTQ. Respeitável, literal ou estruturalmente.

“Alguns argumentam que o movimento gay dominante desde os anos 1970 se tornou mais politicamente reformista e assimilacionista”, disse Greene. “Em vez de desafiar as normas e leis em torno de gênero e sexualidade, o movimento gay argumentou que os gays são ‘como todos’ e deveriam ter os mesmos direitos. O problema de criar esse tipo de hierarquia de respeitabilidade é que ele dá mais poder a gays e lésbicas privilegiados às custas de membros da comunidade queer que ainda são vistos como ‘anômalos’, como pessoas trans”.

“Reconhecer o legado organizacional das mulheres trans negras é importante, não apenas como um ato de homenagear as contribuições das pessoas, mas, porque nos fornece modelos e lições para o ativismo de hoje”, continuou ela.

Aqueles que se opõem à mudança da bandeira em San Francisco argumentam que remover a bandeira do Orgulho original é uma forma de apagar e ignorar os desejos de Gilbert Baker.

Um pequeno passo pelos direitos LGBTQIA+

Enquanto muitos apóiam a Bandeira de Progresso do Orgulho, algumas comunidades LGBTQIA+ acreditam que usá-la mais amplamente será apenas um pequeno passo na luta de libertação queer.

“Se quisermos ser livres, precisamos de uma visão radicalmente diferente para a libertação e formas de organização que não imitem a cultura corporativa com apenas uma reforma do arco-íris”, disse Stanley à CNN.

“Eu realmente não me importo com a bandeira, estou mais interessado na devolução de terras, moradia gratuita e assistência médica para pessoas trans, a abolição das prisões e reparos do que uma bandeira, mesmo que haja uma mudança de imagem multicultural “.

Enquanto isso, Stryker disse que aprecia “o gesto de inclusão e mudança” que a nova bandeira representa.

“A versão mais antiga da bandeira do arco-íris é um símbolo de uma comunidade diversificada de gênero e pessoas sexualmente diversas”, disse ele. “Se há um sentimento de exclusão e há um gesto que indica a inclusão de pessoas que se sentem marginalizadas, isso é bom”.

“Mudar as cores da bandeira mudará a qualidade de vida das pessoas que sofrem opressão?” Ele continuou. “Se o objetivo é a justiça, o número de cores em uma bandeira não significa necessariamente justiça.”

Mais Recentes da CNN