Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Guarda Costeira italiana escolta 1.200 imigrantes em barcos no Mar Mediterrâneo

    Mais de 28 mil imigrantes chegaram à Itália em 2023, o maior número desde 2017, de acordo com o Ministério do Interior do país

    Operações de resgate estão em andamento para ajudar centenas de migrantes à deriva em barcos no Mediterrâneo.
    Operações de resgate estão em andamento para ajudar centenas de migrantes à deriva em barcos no Mediterrâneo. Guarda Costeira Italiana

    Barbie Latza NadeauAlex Stambaughda CNN

    A Guarda Costeira italiana escoltou dois barcos que transportavam 1.200 imigrantes no Mar Mediterrâneo nesta terça-feira (11), como parte de uma grande operação em uma região que viu a chegada de imigrantes aumentar no ano passado.

    Equipes de emergência estavam correndo para resgatar uma barcaça com 400 imigrantes a bordo, de acordo com o serviço voluntário Alarm Phone, que recebeu o pedido de socorro do barco no domingo. A Guarda Costeira disse à CNN na segunda-feira (10) que também está escoltando outro navio com 800 imigrantes.

    “Durante a noite, às 4h34, falamos pela última vez com as pessoas a bordo. Eles confirmam que navios da guarda costeira italiana os acompanham em más condições climáticas. As pessoas estão tranquilizadas com a presença dos meios de resgate e esperamos que logo todos estejam seguros”, twittou o Alarm Phone.

    A guarda costeira está viajando ao lado do barco a caminho da Itália porque uma escolta é “mais segura” do que tentar resgatar as pessoas a bordo com mau tempo, disse Felix Weiss, porta-voz da Sea-Watch International, uma organização alemã que realiza buscas e operações de resgate no Mediterrâneo central.

    Os imigrantes ficaram presos ao longo de uma rota de imigração entre a Itália e Malta, que ONGs alertaram ser perigosa.

    O barco com 400 imigrantes partiu de Tobruk, na Líbia, e corria o risco de virar com água no casco, segundo a Alarm Phone. O serviço também disse que muitos a bordo precisavam de atenção médica, incluindo uma criança, uma mulher grávida e uma pessoa com deficiência.

    A Guarda Costeira italiana também disse na segunda-feira que mais de 1.700 imigrantes chegaram à ilha siciliana de Lampedusa nas últimas 48 horas. Lampedusa, a ilha italiana mais próxima da África, é um importante destino para imigrantes que buscam entrar em países da União Europeia.

    Todos os anos, dezenas de milhares de imigrantes que fogem da guerra, da perseguição e da pobreza arriscam a traiçoeira rota em busca de segurança e melhores perspectivas econômicas. Em muitos casos, seus navios estão superlotados e impróprios para a viagem, e a necessidade de resgatar imigrantes a bordo muitas vezes leva a disputas entre os países sobre quem deve acolhê-los.

    Mais de 28 mil imigrantes chegaram à Itália até agora este ano, de acordo com o Ministério do Interior do país – um aumento significativo em comparação com os últimos anos. O número de imigrantes que chegam à Itália este ano é o maior registrado no país desde 2017, segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados.

    A maioria das chegadas veio da Costa do Marfim, Guiné, Bangladesh, Tunísia e Paquistão.