Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Guerra de Taiwan seria “devastadora”, alerta secretário de Defesa dos EUA ao criticar a China

    Declaração aconteceu na cúpula de segurança Shangri-La Dialogue, fórum anual de defesa e segurança da Ásia, em Cingapura

    Haley BritzkyBrad Lendonda CNN

    O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, disse nesse sábado (3), que uma guerra por Taiwan seria “devastadora” e afetaria a economia global “de maneiras que não podemos imaginar”, em crítica à China.

    A declaração foi feita na cúpula de segurança Shangri-La Dialogue, fórum anual de defesa e segurança da Ásia, em Singapura. O alerta do secretário foi um sinal de apoio dos EUA à democracia da ilha.

    “O conflito não é iminente nem inevitável. A dissuasão é forte hoje — e é nosso trabalho mantê-la assim”, disse Austin no encontro, que contou com a presença de representantes de dezenas de países, incluindo a China.

    “O mundo inteiro tem interesse em manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan. A segurança das rotas marítimas comerciais e das cadeias de abastecimento globais depende disso. E o mesmo acontece com a liberdade de navegação em todo o mundo. Não se engane: o conflito no Estreito de Taiwan seria devastador.”

    Em uma sessão de perguntas e respostas após seu discurso, Austin acrescentou: “O conflito no Estreito de Taiwan afetaria a economia global de maneiras que não podemos imaginar”.

    O Partido Comunista da China reivindica Taiwan como parte de seu território, apesar de nunca tê-lo controlado, e seus exercícios militares cada vez mais frequentes perto e ao redor da ilha levantaram preocupações sobre o quão longe ele irá para realizar essa reivindicação. O líder da China, Xi Jinping, não descartou o uso da força.

    Pouco depois de Austin falar no sábado, o tenente-general do Exército de Libertação do Povo Chinês, Jing Jianfeng, disse à emissora estatal chinesa CCTV que os comentários do chefe de defesa dos EUA sobre Taiwan estavam “completamente errados”.

    Jing acusou Washington de tentar “consolidar a hegemonia e provocar confrontos”, acrescentando que as ações dos EUA estavam prejudicando a paz e a estabilidade regional.

    No final da tarde de sábado, um porta-voz da Marinha dos EUA disse que navios de guerra americanos e canadenses estavam navegando pelo Estreito de Taiwan enquanto as discussões aconteciam em Cingapura.

    O trânsito do contratorpedeiro USS Chung-Hoon e da fragata HIMCS Montreal foi rotineiro e ocorreu “através de águas onde as liberdades de navegação e sobrevoo em alto mar se aplicam de acordo com o direito internacional”, disse a porta-voz da Marinha dos EUA, tenente Kristina Wiedemann, em comunicado.

    “Cooperação como essa representa a peça central de nossa abordagem para uma região segura e próspera onde aeronaves e navios de todas as nações podem voar, navegar e operar em qualquer lugar permitido pela lei internacional”, acrescentou o comunicado.

    EUA X China

    Os comentários de Austin ocorreram anteriormente em um momento tenso para as relações entre os EUA e a China, já que a China rejeitou recentemente uma oferta de Austin para se reunir na cúpula em Cingapura, citando sanções dos EUA a autoridades e empresas chinesas.

    Austin abordou a falta de comunicação em seu discurso no sábado, dizendo que está “profundamente preocupado” com o fato de a República Popular da China “não estar disposta a se envolver mais seriamente em melhores mecanismos para o gerenciamento de crises”.

    “Para líderes responsáveis, o momento certo para falar é a qualquer hora. A hora certa de falar é sempre. E a hora certa para falar é agora”, disse Austin. “O diálogo não é uma recompensa. É uma necessidade.”

    Austin observou que ele e o ministro da Defesa chinês, Li Shangfu, se cumprimentaram com um sorriso em um banquete na noite de sexta-feira, mas pediu a Pequim que faça mais.

    “Um aperto de mão cordial durante o jantar não substitui um compromisso sério”, disse ele.

    Ao longo de seu discurso, Austin listou as maneiras pelas quais os EUA estão fazendo parceria com aliados na região, dizendo que essas parcerias estão aproximando a região e tornando-a “mais estável e resiliente”.

    Austin reafirmou que os EUA “continuarão a apoiar nossos aliados e parceiros enquanto defendem seus direitos” e manterão “nossa presença vigorosa e responsável em todo o Indo-Pacífico”.

    Criticando a China por seu “número alarmante de interceptações arriscadas de aeronaves dos EUA e aliadas” no espaço aéreo internacional, Austin acrescentou que os EUA apoiariam aliados e parceiros contra “coerção e intimidação”.

    “Não buscamos conflito ou confronto”, disse Austin. “Mas não vamos recuar diante de intimidação ou coerção.”

    Austin reafirmou a prontidão dos EUA na região.

    “A maneira de impedir qualquer decisão equivocada é ter um exército com credibilidade em combate”, disse ele em resposta a uma pergunta, acrescentando que os EUA “estarão prontos, não importa o que aconteça”.

    Drew Thompson, pesquisador sênior da Escola de Políticas Públicas Lee Kuan Yew da Universidade Nacional de Cingapura, disse que Austin apresentou uma visão “positiva e inclusiva” para a região, acrescentando que é uma visão que beneficia Pequim há décadas. .

    A próxima jogada será de Pequim. O ministro da Defesa Li se dirige ao fórum Shangri-La na manhã de domingo.

    “Será interessante ver como o general Li responderá amanhã”, disse Thompson.

    “De muitas maneiras, a porta está aberta para a China se envolver em cooperação com os EUA e outros países da região para contribuir para a estabilidade”, disse ele.