Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Hamas atirou à queima-roupa em jovens que participavam de festival em Israel

    Autoridades israelenses contaram pelo menos 260 corpos perto do local do festival Nova, fora do kibutz de Re'im

    Da CNN

    Militantes de Gaza que atacaram um festival de música noturno no sul de Israel atiraram e mataram jovens à queima-roupa, depois roubaram seus pertences, revela um novo vídeo de câmera de painel de carro verificado pela CNN.

    O vídeo começou a circular nas redes sociais no domingo (8) e – junto com imagens de sequestros angustiantes do mesmo evento – foi examinado por famílias horrorizadas desesperadas por notícias de entes queridos desaparecidos desde que uma série de ataques coordenados desencadeou a declaração de guerra de Israel no domingo.

    Autoridades israelenses contaram pelo menos 260 corpos perto do local do festival Nova, fora do kibutz de Re’im, onde imagens anteriores mostravam jovens despreocupados de Israel e do exterior dançando no deserto logo após o amanhecer de sábado.

    Alguns sobreviventes estão entre os mais de 100 reféns que o grupo militante Hamas afirma estar segurando em Gaza, de acordo com amigos e familiares que os viram em vídeos compartilhados em plataformas sociais.

    O vídeo de câmera de painel verificado pela CNN dá um vislumbre do terror quando militantes tomaram conta do festival, impedindo alguns jovens de sair com força brutal.

    O primeiro clipe começa às 9:23 da manhã de acordo com seu código de tempo, pouco menos de três horas após as primeiras explosões terem sido relatadas no festival Nova.

    O vídeo não tem áudio, mas um militante é visto gritando, depois apontando sua metralhadora para um homem que se abrigava ao lado do carro.

    Não está claro se o atirador está disparando um tiro de advertência ou se ele acabou de atirar e ferir o civil, que é então visto sendo levado para longe. Seu destino é desconhecido.

    Um segundo indivíduo é visto no vídeo deitado no chão na parte de trás de outro carro. A pessoa começa a se mover e de repente outro militante aparece na tela, mira na pessoa, atira e se afasta. A pessoa no chão para de se mover.

    Outro vídeo da câmera de painel, com marca de data e hora às 12h09, mostra dois militantes se aproximando do corpo do segundo indivíduo. Eles vasculham os bolsos da pessoa e um deles pega algo do corpo e coloca no bolso de trás.

    Menos de três minutos depois, militantes agarram uma mulher da parte de trás do carro. Ela é levada para longe e os militantes começam a abrir o porta-malas de outro carro e esvaziar uma mala no chão para ser saqueada.

    O vídeo recomeça às 12h14, com a mulher capturada correndo de volta para a visão. Com as mãos no ar, ela parece estar acenando para o recinto do festival.

    Terra e poeira são vistas voando enquanto balas atingem o chão ao seu redor. Ao lado da mala esvaziada e do porta-malas aberto, ela se abriga novamente. Seu destino é desconhecido.

    Morto ao telefone com os pais

    Os pais de Alexandre Look, um canadense de 33 anos, disseram à CBC, parceira de notícias da CNN, que estavam ao telefone com ele enquanto ele tentava escapar dos tiros. Look e outros buscaram abrigo em um bunker sem porta durante o ataque militante, disseram seus pais.

    “E então eu o ouvi dizer aos amigos: ‘Eles estão voltando. Há muitos deles.’ E então tudo que ouvi foi um monte de tiros, muitos tiros e então não ouvimos nada”, disse a mãe de Look, Raquel Ohnona Look, à CBC.

    Os pais de Look disseram que ele morreu tentando proteger outras pessoas dos tiros.

    “Como um verdadeiro guerreiro, ele partiu como um herói querendo proteger as pessoas com quem estava. Alex era uma força da natureza, dotado de um carisma único e uma generosidade inigualável”, postou seu pai, Alain Haim Look, no Facebook no sábado.

    “O mundo nunca mais será o mesmo sem você. Adeus meu filho, eu te amo e cuide de nós de cima.”

    François Legault, premier da província canadense de Quebec, enviou suas condolências à família na segunda-feira (9).

    “Meus pensamentos estão com a família e os entes queridos do quebequense Alexandre Look, que morreu em um dos ataques terroristas do Hamas em Israel”, publicou Legault no X, anteriormente Twitter.

    “Estou triste com as circunstâncias dramáticas de sua morte.”

    Famílias procuram crianças desaparecidas

    Ricarda Louk falou pela última vez com sua filha Shani quando ela ligou para ela no festival após ouvir foguetes e alarmes soando no sul de Israel.

    “Ela estava indo para o carro e havia militares perto dos carros e estavam atirando para que as pessoas não pudessem chegar aos carros, nem mesmo para ir embora. E foi quando eles a levaram”, disse Louk à CNN.

    Imagens aéreas publicadas nas redes sociais mostraram dezenas de carros ao lado da estrada perto da entrada do festival, alguns queimados, outros com janelas quebradas e portas abertas.

    Mais tarde, Ricarda Louk viu um vídeo perturbador de sua filha deitada de bruços na parte de trás de uma caminhonete indo para a Faixa de Gaza, um enclave costeiro isolado de quase 2 milhões de pessoas amontoadas em 225 km².

    Um atirador, carregando um lançador de granadas impulsionado por foguete, tem a perna pendurada na cintura dela e o outro segura um tufo de seus dreadlocks.

    “Allahu Akbar”, eles gritam – que significa “Deus é grande” em árabe.

    Ricarda espera ver sua filha novamente, mas a situação é sombria.

    “Parece muito ruim, mas eu ainda tenho esperança. Espero que eles não levem corpos para negociações. Espero que ela ainda esteja viva em algum lugar. Não temos mais nada em que esperar, então tento acreditar”, disse ela.

    Tomer Shalom disse à CNN que falou pela última vez com sua filha Noam, de 20 anos, quando ela ligou, assustada e chorando, do festival por volta das 8h30 da manhã. Ele disse que podia ouvir tiros ao fundo.

    Shalom disse que Noam, que é paramédica, falou com uma amiga ao telefone por volta das 9h15 da manhã de uma ambulância onde outro amigo estava sendo tratado de um ferimento à bala na perna. Foi a última vez que alguém ouviu falar dela, disse ele.

    “É além da compreensão. Você não pode imaginar essa situação em que as crianças vão dançar e você sabe que se divertirão… e elas não voltam para casa”, disse Shalom.

    Pai desaparecido em tentativa de resgate

    Mark Peretz estava ao telefone com sua filha Maya, que estava no festival, quando ouviu tiros e gritos e imediatamente percebeu que “é algo maior do que pensávamos”, disse o filho de Peretz, Gilad Peretz, a Anderson Cooper da CNN.

    “Quando começamos a descobrir que o Hamas acabou de cruzar as fronteiras… meu pai entendeu que minha irmã seria sequestrada em breve, então ele decidiu pegar o carro e começou a dirigir para o sul”, disse o filho.

    Gilad Peretz disse que seu pai chegou ao local do festival de música às 8h30 da manhã de sábado.

    “Liguei para ele para ver o que estava acontecendo na hora e ouvi tiros e ele tentou dizer ‘não atire neles’”, disse o filho, acrescentando que perdeu contato com o pai às 8h48.

    Gilad disse que sua irmã Maya conseguiu escapar correndo e se escondendo nos arbustos, depois se abrigou em uma delegacia de polícia e agora está em casa. Sobre o pai, Gilad disse: “Ele pode ter sido sequestrado ou morto.”

    Escondendo-se por horas, até…

    Yakov Argamani viu sua filha pela última vez em um dos vídeos de celular que surgiram após o ataque de sábado.

    Noa Argamani, 25, é vista implorando por ajuda na parte de trás de uma motocicleta conduzida por militantes do Hamas no local do festival.

    Seu pai choroso lutou para encontrar palavras para transmitir seu choque e tristeza ao ver o vídeo: “Eu não conseguia acreditar. Eu não queria acreditar”, disse Yakov à CNN.

    Noa estava no festival com seu namorado, Avinatan Or, que também é visto sendo levado pelos militantes.

    Shlomit Marciano, amiga de infância de Noa, que estava ajudando a consolar sua família quando eles falaram à CNN, disse que as mensagens de texto que receberam sugerem que seus amigos estavam se escondendo por horas enquanto os militantes invadiam o local do festival.

    Or mandou uma mensagem de texto para o pai de Noa por volta das 10h para dizer que o casal estava seguro, quase quatro horas após os primeiros relatos de um ataque.

    Outros amigos também mandaram mensagens de texto, implorando por ajuda, disse Marciano.

    “Desde então, nenhum contato. Supomos que eles foram sequestrados às 12h. Eles provavelmente estavam se escondendo por três, quatro horas implorando por ajuda. Eles começaram a se esconder depois de ouvir os massacres e os tiros. E então [os militantes] os encontraram”, disse Marciano.

    Agora Yakov está confiando em sua fé, disse Marciano.

    “Ele acredita em Deus. Ele está orando para que ela esteja bem. E ela voltará para ele, para a família e para nós com segurança. Ela é a única filha deles.”

    Veja também – Autoridade Palestina pede intervenção da ONU em Gaza

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original