Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Hezbollah dispara foguetes contra Israel em “resposta inicial” à morte de líder do grupo

    Forças de Defesa de Israel (FDI) disseram em comunicado que “aproximadamente 40 lançamentos” do Líbano em direção à área de Meron, no norte de Israel, foram identificados neste sábado (6)

    Líder e fundador do Hamas Saleh al-Arouri foi morto em ataque no Líbano
    Líder e fundador do Hamas Saleh al-Arouri foi morto em ataque no Líbano REUTERS / HEZBOLLAH MEDIA OFFICE / POOL VIA WANA

    Da CNN

    O grupo radical islâmico libanês Hezbollah afirma ter disparado um total de 62 foguetes contra um posto de observação israelense ao longo da fronteira com Israel neste sábado (6) como uma “resposta inicial” ao assassinato de um importante líder do Hamas, em Beirute, no início desta semana.

    Em um comunicado, o Hezbollah disse que seus combatentes lançaram um ataque pouco depois das 8h, horário local, na Base de Vigilância Aérea de Meron, no norte de Israel, como uma “resposta inicial” ao assassinato de Saleh Al-Arouri no sul de Beirute, na terça-feira (2).

    As Forças de Defesa de Israel (FDI) disseram em comunicado que “aproximadamente 40 lançamentos” do Líbano em direção à área de Meron, no norte de Israel, foram identificados depois que sirenes soaram no norte do país.

    Alertas vermelhos – sobre possíveis disparos de foguetes, incluindo onde estilhaços de interceptação podem cair – foram emitidos para mais de 100 locais no norte de Israel nesta manhã.

    Os militares israelenses atacaram então os combatentes do Hezbollah que “participaram nos lançamentos”, acrescentou o comunicado.

    Temores de uma guerra mais ampla

    No início desta semana, o Ministro dos Negócios Estrangeiros libanês, Abdallah Bou Habib, disse à CNN que o seu governo esperava que o Hezbollah não respondesse ao ataque de Beirute, sublinhando que o Líbano não queria “qualquer escalada na guerra”.

    Israel não assumiu a responsabilidade pelo ataque de terça-feira, com Mark Regev, conselheiro sênior do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, dizendo à MSNBC que quem planejou o ataque “tem uma queixa com o próprio Hamas”.

    Mas se o envolvimento israelense for confirmado, Arouri seria o oficial mais graduado do Hamas morto pelas FDI desde o início da guerra desencadeada pelo ataque do Hamas a Israel, em 7 de outubro.

    Além de desferir um golpe na liderança do Hamas, o aparente ataque também corre o risco de alargar ainda mais a arena do conflito Israel-Hamas.

    Israel ataca sul de Gaza

    Pelo menos 122 pessoas foram mortas durante a noite e 256 feridas durante as últimas 24 horas pelas forças israelenses, disse o Ministério da Saúde controlado pelo Hamas em Gaza, em um comunicado mais cedo.

    Anteriormente, o ministério confirmou à CNN que pelo menos 22 pessoas foram mortas em Khan Younis, no sul, durante a noite, e mais de 30 foram mortas em outras partes de Gaza, enquanto as operações militares israelenses continuam.

    Imagens do Hospital dos Mártires de Al Aqsa, onde as vítimas têm chegado, mostram funcionários tentando tratar urgentemente vítimas gravemente feridas e também corpos de vítimas enrolados em lençóis com seus entes queridos reunidos.

    A CNN não pode verificar de forma independente os números de vítimas comunicados pelo Ministério da Saúde de Gaza devido ao acesso limitado à área.

    A Sociedade do Crescente Vermelho Palestino (PRCS, na sigla em inglês) disse em um comunicado que, pelo terceiro dia consecutivo, “os bombardeios de artilharia continuam nas proximidades do Hospital Al-Amal em Khan Younis, e disparos pesados de drones”.

    As FDI também confirmaram que atacaram Khan Younis no sul de Gaza no último dia, acrescentando que “as tropas das FDI mataram numerosos terroristas por terra e pelo ar, e destruíram vários poços de túneis”.

    Um jornalista local em Deir al-Balah, no sul de Gaza, também contou à CNN sobre os ataques durante a noite e acrescentou que tanques militares israelenses estavam no cemitério de Al Zawaydeh, a 2 km do Hospital dos Mártires de Al Aqsa, com uma troca contínua de tiros.

    O número de palestinos mortos em Gaza aumentou para 22.722, além de 58.166 feridos desde 7 de outubro, acrescentou o comunicado do Ministério da Saúde controlado pelo Hamas.

    O ministério não faz distinção entre combatentes e não combatentes, mas afirma que cerca de 70% dos mortos são mulheres e crianças.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original