Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Houthis do Iêmen libertam mais de 100 prisioneiros

    Grupo rebelde chamou a medida de “iniciativa humanitária unilateral”; governo do Iêmen nega

    Os combatentes Houthis do Iêmen carregam suas armas em veículos enquanto participam de uma manifestação e desfile armado contra os ataques aéreos dos Estados Unidos e Reino Unido e em solidariedade ao povo da Faixa de Gaza
    Os combatentes Houthis do Iêmen carregam suas armas em veículos enquanto participam de uma manifestação e desfile armado contra os ataques aéreos dos Estados Unidos e Reino Unido e em solidariedade ao povo da Faixa de Gaza Mohammed Hamoud/Getty Images

    Mohammed Ghobarida Reuters

    O grupo Houthi do Iêmen libertou mais de 100 detidos em Sanaa neste domingo (26), chamando a medida de uma “iniciativa humanitária unilateral” para perdoar prisioneiros e devolvê-los às suas famílias.

    “A maioria deles são casos humanitários, incluindo os doentes, os feridos e os idosos”, disse Abdul Qader Al-Murtada, chefe do comitê de assuntos de prisioneiros administrado pelos Houthi, que anunciou a libertação e afirmou que os detidos eram soldados do governo capturados na frente de batalha.

    Mas o governo do Iêmen, reconhecido internacionalmente, disse que os detidos não eram soldados, mas sim civis que os Houthis raptaram de casas, mesquitas e locais de trabalho.

    “Libertar estas vítimas sob qualquer nome não absolve (os Houthis) deste crime”, escreveu Majed Fadail, vice-ministro dos direitos humanos no governo internacionalmente reconhecido do Iêmen, numa publicação na plataforma de redes sociais X.

    O Comitê Internacional da Cruz Vermelha confirmou no domingo a libertação unilateral de 113 detidos “relacionados ao conflito” e disse em comunicado que ajudou os detidos a garantir que sua libertação fosse humana e digna.

    “Sinto-me completamente à vontade, como se tivesse nascido de novo hoje. Porque estávamos desesperados e pensávamos que nunca conseguiríamos sair”, disse Murshed Al Jamaai, um detido libertado no domingo.

    O Iêmen está em conflito desde que os Houthis expulsaram o governo da capital Sanaa, no final de 2014. A coligação militar liderada pela Arábia Saudita interveio em 2015, com o objetivo de restaurar o governo.