Imagens de caminhões russos podem dizer muito sobre lutas militares na Ucrânia

Especialistas acreditam que fotografias de caminhões russos danificados mostram sinais das dificuldades logísticas enfrentadas por Moscou

Caminhões do exército russo que participam da invasão da Ucrânia
Caminhões do exército russo que participam da invasão da Ucrânia Foto: Sergei Malgavko/TASS via Getty Images

Brad Lendonda CNN*

Ouvir notícia

Pense na guerra moderna e é provável que imagens de soldados, tanques e mísseis venham à mente. Mas sem dúvida mais importante do que qualquer um deles é algo em que todos confiam: o humilde caminhão. Os exércitos precisam de caminhões para transportar seus soldados para as linhas de frente, para abastecer esses tanques com projéteis e entregar esses mísseis. Em suma, qualquer exército que negligencia seus caminhões o faz por sua conta e risco.

No entanto, esse parece ser exatamente o problema que os militares russos estão enfrentando durante sua invasão não provocada da Ucrânia, de acordo com especialistas que analisam imagens do campo de batalha enquanto suas forças se retiram de áreas próximas a Kiev para se concentrar no Donbass.

Fotografias de caminhões russos danificados, dizem eles, mostram sinais reveladores das dificuldades logísticas de Moscou e sugerem que seus esforços estão sendo prejudicados por sua dependência de recrutas, corrupção generalizada e uso de veículos civis — sem mencionar as enormes distâncias envolvidas no reabastecimento de seus forças, ou a própria resistência altamente motivada e taticamente adepta da própria Ucrânia.

“Tudo o que um exército precisa para fazer suas coisas vem de um caminhão”, diz Trent Telenko, ex-auditor de controle de qualidade da Agência de Gerenciamento de Contratos de Defesa dos Estados Unidos, que está entre os que analisam as imagens em busca de pistas sobre como a guerra está acontecendo. indo.

“A arma não é o tanque, é o projétil que o tanque dispara. Esse projétil é transportado por um caminhão”, ressalta Telenko. Alimentos, combustível, suprimentos médicos e até mesmo os próprios soldados — a presença de tudo isso se baseia em linhas de suprimentos logísticos fortemente dependentes de caminhões, diz ele. E ele tem motivos para acreditar que há um problema com essas linhas de abastecimento.

Canário na mina de carvão

Telenko descreve uma foto recente de danos nos pneus de um caminhão de mísseis móvel multimilionário, um Pantsir S1, como o canário na mina de carvão para os esforços logísticos da Rússia.

Como um equipamento tão caro, ele esperava que sua manutenção fosse de primeira linha. No entanto, seus pneus estavam desmoronando apenas algumas semanas depois da guerra — o que Telenko chama de “modo de falha”.

Se os caminhões não forem movimentados com frequência, a borracha dos pneus torna-se quebradiça e as paredes dos pneus ficam vulneráveis ​​a rachaduras e rasgos. Telenko diz que o problema é comum quando os pneus são usados ​​com baixa inflação para lidar com o tipo de condições lamacentas que as forças russas estão enfrentando na primavera ucraniana.

Para Telenko, que há mais de uma década se especializou em problemas de manutenção na frota de caminhões militares dos EUA, a condição do Pantsir S1 é um erro revelador.

“Se você não está fazendo manutenção preventiva para algo tão importante, fica muito claro que toda a frota de caminhões foi tratada de forma semelhante”, diz ele.

A teoria de Telenko tem ecos da famosa citação do general americano Omar Bradley na Segunda Guerra Mundial de que “amadores falam de estratégia, profissionais falam de logística”. E ele não é o primeiro a detectar falta de profissionalismo nas forças armadas da Rússia, que inclui centenas de milhares de recrutas.

Em um incidente notório no início da guerra, um comboio de 64 quilômetros de tanques russos, veículos blindados e artilharia rebocada ficou parado 30 quilômetros fora de Kiev, atolado de acordo com o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha não apenas pela resistência ucraniana, mas também por “avarias mecânicas “.

No mês passado, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse a Don Lemon, da CNN, que a Rússia havia cometido “erros” e “lutado com a logística”, enquanto no sábado um alto funcionário da defesa dos EUA disse que os russos ainda não haviam resolvido “seus problemas de logística e sustentação” e ser incapazes de reforçar suas forças no leste da Ucrânia “com grande velocidade”.

Outro ‘mau sinal’

Phillips O’Brien, professor de estudos estratégicos da Universidade de St Andrews, na Escócia, vê outro “mau sinal” para a logística de caminhões russos: o uso de caminhões civis para substituir os militares perdidos em batalha.

“Os caminhões civis não são feitos para o nível militar. Eles não são feitos para transportar as cargas, não são feitos para transportar os equipamentos específicos”, e em muitos casos não podem nem operar fora das estradas, diz O’Brien.

Os rigores da guerra já estão tentando o suficiente para o caminhão de nível militar mais robusto, quanto mais para um civil.

“Uma única milha em tempo de paz, se você dirigir em tempo de guerra é como 16 a 32 quilômetros porque você está empurrando o caminhão com muita força com cargas enormes”, diz O’Brien.

Alternar entre os dois apresenta um problema de manutenção, pois as peças de reposição podem não ser compatíveis. E, como O’Brien aponta: “Você não quer ter que comprar um caminhão novo toda vez que um velho quebra”.

Para agravar o problema, de acordo com Alex Vershinin, um ex-oficial do Exército dos EUA que serviu quatro vezes no Iraque e no Afeganistão, quando os veículos quebram, a Rússia tem recursos limitados para recuperá-los.

Os grupos táticos do batalhão do exército russo — aqueles que estão à frente de seus avanços na Ucrânia — normalmente têm apenas um veículo leve e um pesado de recuperação, mesmo em unidades com dezenas de veículos, escreveu Vershinin no mês passado para o Instituto de Guerra Moderna da Academia Militar dos EUA.

Isso significa que os veículos de combate às vezes precisam ser desviados para tarefas de reboque e às vezes quebrados “os veículos precisam ser rebocados por mais de cem milhas”, escreveu Vershinin.

Caminhão militar russo se movendo em 23 de fevereiro, um dia antes da invasão à Ucrânia / AFP /Getty Images

O’Brien sugere que a Rússia negligenciou seus caminhões em grande parte porque eles não são chamativos o suficiente para um militar interessado em exibir seus sistemas de armas de ponta.

Nos últimos anos, Putin se gabou dos mísseis hipersônicos da Rússia como o Zircon e Kinzhal, caças furtivos como o Su-57 e sua moderna frota de 11 submarinos de mísseis balísticos.

“Muitas vezes, os militares ditadores são bons em armas vistosas, compram aeronaves e tanques sofisticados, mas na verdade não compram as coisas menos chamativas”, diz O’Brien.

Recrutamento e corrupção

Na raiz dos problemas logísticos da Rússia, dizem os especialistas, estão duas coisas que atormentam seus militares: recrutamento e corrupção.

Cerca de 25% dos milhões de soldados russos são recrutas, de acordo com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais — embora muitos especialistas acreditem que esse número possa ser enganoso, suspeitando que algumas das tropas não recrutas são coagidas ou enganadas a se alistar.

Os recrutas russos tendem a cumprir períodos de um ano, ocupam os escalões mais baixos e preenchem muitas das posições na cadeia logística, incluindo manutenção de veículos.

“Você não pode aprender nada em um ano sobre a manutenção de sistemas militares”, diz Telenko.

Os recrutas também têm pouca motivação, pois sabem que seu tempo no trabalho é muito limitado, diz ele.

Um alto funcionário da defesa dos EUA disse na quarta-feira (13) que Washington está vendo problemas de moral entre os recrutas da Rússia, que representam “quase metade” de suas forças na Ucrânia.

“Temos evidências, mesmo evidências recentes, de que eles ficaram desiludidos com esta guerra, não foram devidamente informados, não foram devidamente treinados, não estavam prontos, não apenas fisicamente, mas não estavam mentalmente preparados para o que estavam prestes a fazer. fazer”, disse o funcionário dos EUA.

Em contraste, nos Estados Unidos, a manutenção de veículos militares é feita por um corpo de oficiais não comissionados voluntários, sargentos profissionais e cabos que permanecem por longos alistamentos e são motivados por aumentos salariais e promoções.

“Você quer ter pessoas tão boas para manter a logística quanto para todas as outras filiais”, diz O’Brien, da Universidade de St Andrews. Ele acrescenta, em referência às aparentes lutas da Rússia: “Eles estavam em condições de uma guerra logística ou simplesmente não a levaram a sério?”

Depois, há a corrupção que, segundo especialistas, persegue os militares russos há anos.

Matthew Stephenson, professor da Harvard Law School e editor-chefe do Global Anti-corruption Blog, escreveu em março que a corrupção teve um efeito particularmente corrosivo na manutenção e na logística de suprimentos das forças armadas russas.

“Todos esses problemas que especialistas anticorrupção e especialistas em segurança nacional vêm enfatizando há anos parecem estar se manifestando na atual invasão russa”, escreveu ele.

“A corrupção — na forma de peculato ou suborno — também pode levar à compra de equipamentos abaixo do padrão, por exemplo, entregando o contrato de equipamento ou manutenção a um fornecedor menos qualificado que está mais disposto a pagar propinas. encarregado de alocar o orçamento de manutenção ou aquisição pode simplesmente relatar o gasto total do valor orçado em produtos ou serviços de alta qualidade, mas depois comprar substitutos de baixa qualidade e embolsar a diferença.

A visão de Telenko é que alguns dos efeitos estão sendo vistos agora no campo de batalha. Ele diz que o dinheiro que deveria ter sido usado para manutenção está “provavelmente enchendo os bolsos dos oficiais encarregados dos recrutas que estariam atendendo os caminhões”.

Militar ucraniano inspeciona caminhão russo em 29 de março de 2022 / AFP /Getty Images

Um caminhão muito longe?

Existem outros sinais mais sutis de lutas russas que podem facilmente passar despercebidos por qualquer pessoa que não tenha uma mente logística, dizem os especialistas.

Por exemplo, diz Alex Lord, analista de Europa e Eurásia da empresa de análise estratégica Sibylline em Londres, os militares russos historicamente confiam em suas grandes reservas de mão de obra para lidar com a logística, em vez de sistemas mecanizados usando estrado de madeira e empilhadeiras.

Telenko dá o exemplo de carregar projéteis de artilharia em um caminhão. Uma empilhadeira pode levantar um estrado de duas dúzias de cartuchos de uma só vez, enquanto o levantamento manual de cartuchos individuais em um caminhão consumiria muito mais tempo e mão de obra.

Isso torna a logística russa cerca de 30% menos eficiente do que as principais forças armadas ocidentais, diz Jason Crump, CEO da Sibylline e veterano de 20 anos nas forças armadas britânicas.

“Isso significa que são necessários mais caminhões para fazer uma determinada tarefa ao mesmo tempo, portanto, maior uso de combustível e desgaste”, diz Crump.

Isso também significa que os caminhões russos passam mais tempo parados enquanto carregam e descarregam, de acordo com Lord.

“Isso oferece oportunidades para as forças ucranianas atacá-los — como vimos comandantes ucranianos explorarem várias vezes durante a campanha atual”, diz ele.

Todos esses problemas apenas agravam os problemas enfrentados por Moscou no que já é uma luta difícil para suas forças, dadas as distâncias envolvidas.

Os caminhões geralmente podem operar a até 145 quilômetros de seu depósito de suprimentos, ressalta Telenko.

Mas a Ucrânia tem aproximadamente o tamanho do Texas, com quase 1.287 quilômetros de largura e 563 quilômetros de comprimento.

Isso significa que a Rússia precisaria abrir vários depósitos de suprimentos dentro da Ucrânia para que suas tropas avancem mais para o interior da Ucrânia.

Com Moscou já recuando sob feroz resistência ucraniana, isso parece uma tarefa difícil. Acredita-se que a Rússia já tenha perdido um número significante de caminhões.

Construir mais para substituí-los pode levar pelo menos seis meses, estima Telenko, quando mais perdas seriam prováveis.

“Não vejo como os russos podem manter suas posições atuais, muito menos fazer qualquer movimento ofensivo com sua atual frota de caminhões”, diz ele.

“Os caminhões são a espinha dorsal de qualquer força militar mecanizada moderna, e se você não os tem, você anda.”

 

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN