Indianápolis já enfrentava aumento de homicídios quando homem matou oito pessoas

Este foi o terceiro tiroteio em massa na cidade nos primeiros quatro meses do ano e a 45ª tragédia deste tipo no país desde 16 de março

Viatura da polícia após ataque armado em unidade da FedEx em Indianápolis, nos EUA
Viatura da polícia após ataque armado em unidade da FedEx em Indianápolis, nos EUA Foto: Kevin Powell - 16a.br.2021/Indy First Alert/Reuters

Ellen Kobe, da CNN

Ouvir notícia

A cidade de Indianápolis (Indiana, Estados Unidos) já passava por um aumento crescente no número de homicídios quando um homem armado matou oito pessoas e em uma das instalações do FedEx, na noite da última quinta-feira (15).

Os assassinatos marcam o mais recente tiroteio em massa nos Estados Unidos. A recorrência é preocupante: já foram pelo menos 45 tragédias deste tipo no país desde 16 de março, quando oito pessoas foram mortas em três spas na área de Atlanta.

O mais recente, em Indianápolis, foi também o terceiro tiroteio em massa na cidade nos primeiros quatro meses do ano. A CNN define tiroteio em massa como um incidente de tiroteio que resulta em quatro ou mais vítimas (mortos ou feridos), excluindo o atirador ou atiradores.

No mês passado, quatro pessoas, incluindo uma criança de 7 anos, foram mortas a tiros após uma discussão sobre uma verificação de estímulos, de acordo com documentos judiciais.

Em janeiro, cinco pessoas e um feto foram mortos a tiros no “maior tiroteio em massa em Indianápolis em mais de uma década”, disse na época o chefe de polícia Randal Taylor. Prisões foram feitas em ambos os casos.

Agora, a cidade está se recuperando do tiroteio de FedEx, que custou mais vidas do que as perdidas no tiroteio de janeiro.

“Eu nunca vi essa capacidade, em termos de número de tiroteios fatais em massa, em um curto período de tempo”, disse Alfarena McGinty, vice-legista-chefe do condado de Marion, em entrevista coletiva na sexta-feira. “É muito preocupante para toda a nossa comunidade.”

A polícia acredita que o suspeito do tiroteio da FedEx, identificado como ex-funcionário da FedEx Brandon Hole, de 19 anos, se matou quando os policiais o encontraram. O motivo do tiroteio não foi conhecido.

“Nada do que aprendemos pode curar as feridas daqueles que escaparam com vida, mas que agora carregarão as cicatrizes e suportarão as memórias deste crime horrível”, disse o prefeito Joe Hogsett, em entrevista coletiva.

Além desses três tiroteios em massa, Indianápolis enfrenta um número crescente de homicídios.

Em 2020, 214 pessoas morreram por homicídio criminoso na cidade – um aumento de quase 40% em relação ao ano anterior e a maior contagem anual da cidade registrada, de acordo com o Departamento de Polícia Metropolitana de Indianápolis.

Até quinta-feira (15), houve 69 homicídios criminais em Indianápolis, incluindo o tiroteio da FedEx, de acordo com o tenente do IMPD Shane Foley – um aumento de 50% em comparação com o mesmo período do ano passado.

“Eu realmente acho que (o tiroteio da FedEx) é um reflexo do tipo de comportamento que estamos vendo nas ruas, que está levando a tantos tiroteios não fatais, esfaqueamentos e homicídios que agora acontecem em um ritmo recorde”, disse o Rev. Charles Harrison, pastor local e ativista contra a violência.

Indianápolis não está sozinha no número crescente de homicídios. Nas áreas metropolitanas de todo o país, os homicídios aumentaram quase 33% de 2019 a 2020, de acordo com dados fornecidos pela Major Cities Chiefs Association, uma organização profissional de executivos da polícia que representa as maiores cidades dos Estados Unidos.

Algumas áreas onde ocorreram tiroteios em massa este ano também viram um aumento nos homicídios em 2020. Em Atlanta, ocorreram 157 homicídios no ano passado – um aumento de quase 59% em relação ao ano anterior, de acordo com os dados do MCCA.

Em Charlotte, Carolina do Norte, houve 122 homicídios em 2020 – um aumento de 18% em relação ao ano anterior, de acordo com os dados do MCCA.

No início deste mês, o ex-jogador da NFL Phillip Adams matou seis pessoas em uma casa em Rock Hill, Carolina do Sul – ao outro lado da fronteira com Charlotte. Adams então se matou, disseram as autoridades.

Hogsett disse que assinou uma carta na semana passada, junto com 150 prefeitos de todo o país, pedindo ao Senado dos Estados Unidos para considerar uma legislação que exige verificação de antecedentes quando armas de fogo são transferidas entre cidadãos particulares.

Ao nível local, ele disse: “Vamos deixar claro para nosso governador e para a liderança legislativa onde eu me posiciono nessas questões”. Líderes cívicos como Harrison estão frustrados com a escalada da violência.

Harrison disse: “Se não podemos lidar com a violência do dia-a-dia, então certamente não seremos capazes de lidar com os fuzilamentos em massa, e eu os vejo interligados.”

Tópicos

Mais Recentes da CNN