Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Indonésia realiza maior eleição feita em um único dia no mundo; contagem de votos começa

    País contou com mais de 200 milhões de eleitores para eleger novo presidente nesta quarta-feira (14), além de outros 20 mil legisladores

    O candidato à vice-presidência Gibran Rakabuming Raka, filho mais velho do presidente indonésio Joko Widodo e atual prefeito da cidade de Surakarta, vota em uma seção eleitoral durante a eleição presidencial indonésia em 14 de fevereiro de 2024
    O candidato à vice-presidência Gibran Rakabuming Raka, filho mais velho do presidente indonésio Joko Widodo e atual prefeito da cidade de Surakarta, vota em uma seção eleitoral durante a eleição presidencial indonésia em 14 de fevereiro de 2024 Ulet Ifansasti/Getty Images

    Da CNN

    As urnas foram abertas nesta quarta-feira (14) na Indonésia, com mais de 200 milhões de eleitores votando para eleger um novo presidente, naquela que é considerada a maior eleição realizada em um único dia no mundo.

    A extensa nação do Sudeste Asiático, a terceira maior democracia eleitoral do mundo e o maior país de maioria muçulmana, obteve ganhos impressionantes desde a queda do regime autoritário do falecido ditador Suharto em 1998 – transformando-se numa das democracias e economias mais vibrantes da Ásia.

    Organizar uma votação na maior nação arquipelágica do mundo é um enorme esforço. O país é mais largo que os Estados Unidos e abrange três fusos horários. É composta por mais de 18.000 ilhas e ilhotas, das quais 6.000 são habitadas, e mais de 150 línguas faladas em toda a sua extensão.

    A campanha foi dominada por grandes personalidades numa eleição decisiva que também selecionará cerca de 20 mil outros legisladores nacionais e provinciais.

    Os indonésios mais jovens são fundamentais, com cerca de metade dos eleitores registados com menos de 40 anos, segundo a Comissão Geral de Eleições.

    As oportunidades de emprego são prioridade para muitos eleitores, com os candidatos presidenciais a prometerem impulsionar o crescimento econômico do país alimentado por ricos recursos naturais e oportunidades comerciais. Mas as alterações climáticas e a exploração madeireira ilegal desafiam o futuro sustentável da Indonésia.

    Os candidatos

    Candidatos presidenciais da Indonésia em 2024, Ganjar Pranowo (e), Prabowo Subianto e Anies Baswedan (d) / Getty Images

    A disputa é uma disputa a três entre um ex-general e dois ex-governadores.

    Prabowo Subianto, de 72 anos, ex-general e atual ministro da Defesa, concorre à presidência pela terceira vez e lidera as pesquisas. Prabowo é o antigo genro do falecido ditador Suharto, e o seu passado controverso não prejudicou a sua popularidade, já que os especialistas alertam que a política dinástica está a regressar.

    Ele é acusado de sequestrar e torturar ativistas pró-democracia no final da década de 1990, quando servia como general – coisa pela qual negou repetidamente a responsabilidade.

    Nos anos que se seguiram, ele refez a sua imagem de apoiante da democracia, mas muitos ativistas e analistas continuam temerosos do seu passado autoritário.

    “O fato de ele ter sido favorecido pelo antigo líder Suharto e ter agora considerado politicamente vantajoso transformar-se num democrata ostensivo não altera a perspectiva muito real de que ele regressaria ao seu passado brutal caso conseguisse ascender à presidência e não mais precisa fingir respeito pelos direitos humanos para promover suas ambições”, disse à CNN Kenneth Roth, ex-diretor executivo da Human Rights Watch e professor visitante na Universidade de Princeton.

    Outro candidato principal é Ganjar Pranowo, o candidato do Partido Democrático de Luta da Indonésia, no poder. Ele serviu dois mandatos como governador de Java Central, o que lhe rendeu muitos seguidores fora da capital Jacarta, na ilha mais populosa da Indonésia. Seu companheiro de chapa é o ministro sênior Mahfud MD.

    O ex-governador de Jacarta, Anies Baswedan, concorre como candidato independente. Ele tem fortes ligações com grupos políticos islâmicos e o seu escolhido para vice-presidente, Muhaimin Iskandar, é o líder do maior partido político muçulmano da Indonésia, o Partido do Despertar Nacional.

    Anies foi o antigo governador de Jacarta, cargo que conquistou em 2017 após acusar o seu principal candidato – um cristão de etnia chinesa, Basuki Tjahaja Purnama, mais conhecido como “Ahok” – de blasfémia.

    Votação

    A votação começou lentamente em Jacarta, com tempestades causando inundações em partes da capital, mas os últimos eleitores votaram na tarde desta quarta-feira, pouco antes do encerramento e do início da contagem dos votos.

    Cerca de 70 assembleias de voto foram afetadas pelo dilúvio, mas não ficou claro se quaisquer atrasos teriam impacto na participação. A participação nas eleições anteriores foi de cerca de 75%.

    (Com informações de Kathleen Magramo e Heather Chen, da CNN; e Johan Purnomo, Heru Asprihanto e Sita Zahra Matarani, da Reuters)