Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Invasão de manifestantes anti-Israel em aeroporto na Rússia deixa 10 feridos, dizem autoridades

    Multidão cercou avião que vinha de Tel Aviv no domingo (29); aeroporto foi fechado e voos desviados, segundo a Agência Federal Russa de Transporte Aéreo

    Josh PenningtonPierre MeilhanMaija EhlingerHadas Goldda CNN

    Pelo menos 10 pessoas ficaram feridas depois que uma multidão invadiu um aeroporto no sul da Rússia após a chegada de um voo de Tel Aviv, de acordo com um comunicado do Ministério da Saúde do Daguestão na noite de domingo (29).

    O aeroporto Makhachkala Uytash, na República do Daguestão, foi temporariamente fechado e os voos foram desviados depois que “pessoas desconhecidas” invadiram o aeroporto no domingo, de acordo com um comunicado divulgado pela Agência Federal Russa de Transporte Aéreo.

    Vários vídeos publicados nas redes sociais mostram uma multidão de pessoas dentro do aeroporto e no campo de aviação, algumas agitando a bandeira palestina, outras forçando passagem pelas portas fechadas do terminal internacional.

    A multidão entrou no aeroporto depois que um voo de Tel Aviv pousou no domingo, segundo a mídia estatal russa TASS.

    Pessoas lotam a pista do Aeroporto Makhachkala Uytash, no sul da República Russa do Daguestão, em 29 de outubro / Reprodução/Telegram

    A TASS relata que “aqueles reunidos se opõem ao conflito palestino-israelense”.

    Os feridos são uma mistura de policiais e civis, segundo o Ministério da Saúde, que disse que duas pessoas estão em “estado crítico”.

    O voo da Red Wing Airlines de Tel Aviv chegou no domingo às 19h17 (horário local), de acordo com a Flight Aware.

    Autoridades reagem

    O gabinete do primeiro-ministro israelense e o Ministério das Relações Exteriores divulgaram uma declaração conjunta, dizendo que o governo de Israel está monitorando os acontecimentos no aeroporto.

    “Israel espera que as autoridades legais russas salvaguardem o bem-estar de todos os cidadãos israelenses e judeus, onde quer que estejam, e tomem medidas fortes contra os manifestantes e contra o incitamento selvagem dirigido contra judeus e israelenses”, acrescentou o comunicado.

    Os Estados Unidos também apelaram à Rússia para proteger israelenses e judeus.

    Em postagem na plataforma X, a Enviada Especial para Monitorar e Combater o Antissemitismo, Emb. Deborah E. Lipstadt condenou o incidente.

    “Condenamos os protestos violentos que foram relatados na Rússia, ameaçando israelenses e judeus. Apelamos às autoridades russas para que garantam a sua segurança”, disse Lipstadt.

    Sergey Melikov, chefe da República do Daguestão, também denunciou a agitação numa mensagem no Telegram.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original