Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Invasão do Capitólio dos EUA completa três anos neste sábado (6); relembre

    Ataque aconteceu durante sessão do Congresso que confirmaria vitória de Joe Biden; Trump enfrenta acusações por ter instigado apoiadores

    Explosão causada por munição policial é vista enquanto apoiadores do então presidente dos EUA, Donald Trump, atacam o Capitólio em Washington
    Explosão causada por munição policial é vista enquanto apoiadores do então presidente dos EUA, Donald Trump, atacam o Capitólio em Washington 06/01/2021REUTERS/Leah Millis

    Da CNN

    Na manhã de 6 de janeiro de 2021, o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump fez um discurso inflamado aos seus apoiadores no National Mall, onde repreendeu publicamente o então vice-presidente Mike Pence por não concordar com seu esquema de rejeitar os votos para Joe Biden.

    O democrata havia derrotado o empresário nas eleições presidenciais de 2020 em uma campanha inflamada e tensa. Mas Trump não reconheceu o resultado e afirma até hoje que houve fraude.

    Após o discurso no National Mall, milhares de apoiadores do republicano invadiram o Capitólio, principal símbolo do poder político no país, na capital Washington, atacando a polícia e ameaçando enforcar Pence.

    Isso aconteceu durante a sessão conjunta do Congresso que confirmaria a vitória de Joe Biden, tradição e rito para transição de governo nos EUA. Parlamentares tiveram que sair às pressas do local e retomar a sessão na madrugada do dia seguinte.

    A deputada do Wyoming, Liz Cheney, que foi vice-presidente do comitê que investigou o motim, disse que há um testemunho de que a filha do ex-presidente, Ivanka Trump, pediu ao pai que parasse com a violência. Entretanto, Trump esperou horas até fazer uma declaração pública para pedir o fim dos ataques.

    Cinco pessoas, incluindo um policial, morreram durante ou logo após o incidente, e mais de 140 policiais ficaram feridos. O Capitólio sofreu danos de milhões de dólares.

    Mais de 1.100 pessoas foram presas sob acusações relacionadas ao ataque ao Capitólio. Destas, mais de 630 se declararam culpadas e ao menos 110 foram condenadas em julgamento.

    Donald Trump se declarou inocente das acusações federais decorrentes de seus esforços para reverter a derrota nas eleições de 2020.

    Esse processo, apresentado pelo procurador especial dos Estados Unidos, Jack Smith, acusa o ex-presidente de conspirar para privar os eleitores do seu direito a uma eleição justa e de fraudar os EUA ao impedir o Congresso de certificar a vitória de Biden.

    Os promotores dizem que Trump explorou o ataque de 6 de janeiro, recusando o conselho de que enviasse uma mensagem ordenando que os manifestantes saíssem. Eles também pontuam que ele e seus aliados apresentaram alegações de fraude eleitoral que sabiam ser falsas.

    O julgamento do caso contra o empresário estava marcado para acontecer em Washington em 4 de março de 2024, mas a alegação de imunidade de Trump de que ele não pode enfrentar acusações criminais será ouvida por um tribunal federal de apelações no início de janeiro.

    Símbolo do Poder

    O Capitólio dos Estados Unidos teve sua construção iniciada em 1793, na capital Washington, e é conhecido como “símbolo do poder” nos EUA. Em 1800, os primeiros congressistas se mudaram para o prédio.

    Lá está a sede do Congresso, onde acontece tradicionalmente a certificação dos votos dos colégios eleitorais.

    No prédio, há obras de arte e esculturas de figuras emblemáticas e momentos marcantes na história dos Estados Unidos.

    O Capitólio já foi atingido por um incêndio, reconstruído e expandido, mas nada disso se assemelha à invasão do dia 6 de janeiro de 2021. Nunca houve uma tentativa de parar a certificação dos votos.

    *com informações da Reuters e da CNN