Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irã está revisando a lei do hijab, diz procurador-geral

    Mohammad Jafar Montazeri também foi citado como tendo dito que polícia de moralidade do país foi "abolida", mas a mídia estatal iraniana rejeitou tais comentários

    Akhtar MakoiiArash AziziAlex Stambaughda CNN

    O procurador-geral do Irã, Mohammad Jafar Montazeri, disse na quinta-feira (1º) que o parlamento e o judiciário do Irã estão revisando a lei hijab obrigatório do país, de acordo com o canal pró-reforma Entekhab.

    Montazeri também foi citado como tendo dito que a temida polícia de moralidade do Irã foi “abolida”, mas a mídia estatal iraniana rejeitou fortemente esses comentários, dizendo que o Ministério do Interior supervisiona a força, não o judiciário.

    A CNN está entrando em contato com o Ministério do Interior para comentar.

    O uso do hijab em público é atualmente obrigatório para as mulheres no Irã sob a estrita lei islâmica aplicada pela chamada polícia moral do país.

    As leis sobre a cobertura da cabeça desencadearam um movimento de protesto em todo o país após a morte de Mahsa Amini, de 22 anos, que morreu sob custódia policial após ser detida pela polícia moral supostamente por não usar seu hijab adequadamente.

    Sua morte em 16 de setembro tocou um ponto sensível na República Islâmica, com figuras públicas proeminentes apoiando o movimento, incluindo o ator iraniano Taraneh Alidoosti.

    O país foi dominado por uma onda de protestos em massa que começaram pela morte de Amini e, desde então, se uniram em torno de uma série de queixas contra o regime. As autoridades desencadearam uma repressão mortal contra os manifestantes, com relatos de detenções forçadas e abuso físico sendo usado para atingir o grupo minoritário curdo do país.

    Em uma investigação recente da CNN, testemunhos secretos revelaram violência sexual contra manifestantes, incluindo meninos, nos centros de detenção do Irã desde o início dos distúrbios.

    Sobre a lei do hijab, Montazeri disse: “Sabemos que você se sente angustiado ao testemunhar [mulheres] sem hijab nas cidades, você acha que os funcionários estão calados sobre isso? Como alguém que está no campo desta questão, digo que tanto o parlamento quanto o judiciário estão trabalhando, por exemplo, ainda ontem tivemos uma reunião com a comissão cultural do parlamento e vocês verão os resultados na próxima semana ou duas”, conforme citado pela ISNA, mídia afiliada ao estado.

    Mas não há evidências de quais mudanças, se houver, poderiam ser feitas na lei, que entrou em vigor após a Revolução Islâmica em 1979.

    Em resposta a um repórter que perguntou se a polícia moral do país estava sendo dissolvida, Montazeri foi citado por um meio de comunicação estatal iraniano dizendo: “A polícia moral não tem nada a ver com o judiciário. Foi abolido do mesmo local em que foi lançado. Claro que o Judiciário vai continuar monitorando o comportamento da sociedade.”

    A televisão estatal Al-Alam, em língua árabe, afirmou que a mídia estrangeira estava descrevendo os comentários de Montazeri como “um recuo por parte da República Islâmica de sua posição sobre o hijab e a moralidade religiosa como resultado dos protestos”, mas que tudo que poderia ser entendido a partir de seu comentário é que a polícia moral não estava diretamente relacionada ao judiciário.

    “Mas nenhum funcionário da República Islâmica do Irã disse que a Patrulha de Orientação foi fechada”, disse Al-Alam na tarde de domingo.

    “Alguns meios de comunicação estrangeiros tentaram interpretar essas palavras do procurador-geral como a República Islâmica se afastando da questão do hijab e do pudor e afirmam que isso se deve aos recentes distúrbios.”

    As declarações foram proferidas em Qom, considerada uma cidade sagrada no Siha Islam.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original