Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irlanda do Norte nomeia nacionalista como primeira-ministra em mudança histórica

    Michelle O'Neill, de 47 anos, representa o partido Sinn Féin, que defende a unificação da Irlanda

    Michelle O'Neill, de 47 anos, será a nova primeira-ministra da Irlanda do Norte
    Michelle O'Neill, de 47 anos, será a nova primeira-ministra da Irlanda do Norte Reprodução

    Por Amanda Ferguson Natalie Thomas, da Reuters

    Pela primeira vez na história, o parlamento da Irlanda do Norte nomeou neste sábado (3) uma irlandesa nacionalista como primeira-ministra, um marco histórico em um estado estabelecido há um século para garantir o domínio dos sindicalistas pró-britânicos.

    A nomeação de Michelle O’Neill, de 47 anos, em um resultado atrasado de uma eleição em 2022, é o mais recente sinal da ascensão do partido Sinn Féin na região britânica, que afirmou que seu sonho de uma Irlanda unida está “a uma curta distância”.

    A nomeação ocorreu após o rival pró-britânico, o Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla in inglês), encerrar formalmente um boicote ao governo que já durava dois anos de partilha de poder, depois de esta semana ter fechado um acordo com o governo britânico para acalmar os atritos comerciais.

    “Este é um dia histórico que representa um novo amanhecer”, disse O’Neill em seu discurso de agradecimento. “Servirei a todos igualmente e serei uma primeira-ministra para todos.”

    O’Neill e a presidente do Sinn Féin, Mary Lou McDonald, representam uma mudança para uma nova geração de políticos do partido que não estão diretamente envolvidos no sangrento conflito de décadas na região entre nacionalistas irlandeses — que buscam uma Irlanda unida — e pró-britânicos — que desejam permanecer no Reino Unido.

    Como antigo braço político do Exército Republicano Irlandês (IRA), o Sinn Féin foi durante muito tempo evitado pelo establishment político em ambos os lados da fronteira. Agora é o partido mais popular da República Irlandesa antes das eleições do próximo ano.

    O cargo de vice-primeiro-ministro, que tem poderes iguais no sistema de governo de partilha de poder da Irlanda do Norte, mas com menos peso simbólico, será assumido por Emma Little-Pengelly, do DUP.

    Havia um forte esquema de segurança em torno do prédio da assembleia, mas não houve sinais de problemas. Algumas dezenas de sindicalistas protestaram contra o impacto da paralisação do governo nos salários dos trabalhadores.

    Embora o Sinn Féin tenha falado esta semana sobre a perspectiva de unidade, todos os políticos da Irlanda do Norte estão sob intensa pressão para que resolvam problemas básicos, depois do hiato de dois anos ter aumentado a cobrança sobre os já sobrecarregados serviços públicos.

    Um referendo sobre a unidade fica ao critério do governo britânico e as pesquisas de opinião mostram uma clara e consistente maioria a favor da permanência no Reino Unido.

    A paralisação de dois anos provavelmente levará a mais apelos pela reforma das regras que permitem ao maior partido de ambos os lados suspender a partilha de poder por longos períodos de tempo. A reforma foi suspensa quase com a mesma frequência desde que foi estabelecida pelo Acordo da Sexta-Feira Santa de 1998.

    Os primeiros-ministros irlandês e britânico afirmaram que estão abertos a considerar a reforma da arquitetura política assim que o governo descentralizado estiver em funcionamento.

    “Eles estão saturados”, disse a advogada Tara Walsh, de 40 anos, sobre o clima geral nas ruas de Belfast. “As pessoas querem mudanças.”