Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel alerta sobre nova fase na guerra à medida que civis fogem de Gaza e tropas se reúnem perto da fronteira

    Conflito entra no 8º dia neste sábado (14) após ataque do Hamas contra o território israelense

    Jessie YeungKareem El DamanhouryEyad KourdiNiahm KennedySophie JeongAbeer SalmanSophie Tannoda CNN

    Uma nova fase na guerra de Israel contra o Hamas está chegando, disseram as forças israelenses no sábado, alertando que a última semana de ataques aéreos paralisantes em Gaza poderá em breve ser seguida por “operações terrestres significativas”.

    As tropas e equipamento militar israelenses concentraram-se na fronteira com Gaza enquanto Israel se prepara para intensificar a sua resposta aos ataques de 7 de outubro perpetrados pelo grupo radical islâmico Hamas, que controla o enclave.

    Aviões de guerra continuaram a bombardear Gaza durante a semana, reduzindo ruas e casas a escombros enquanto os civis fugiam para o sul, seguindo instruções de evacuação das Forças de Defesa de Israel (IDF).

    Várias agências das Nações Unidas alertaram que a evacuação em massa sob tais condições de cerco conduzirá ao desastre. Durante dias, Israel cortou o acesso da população de Gaza a eletricidade, alimentos e água. Mesmo antes do aviso de evacuação, mais de 400 mil palestinos já tinham sido forçados a fugir das suas casas devido a ataques aéreos.

    Vídeos verificados pela CNN mostraram grande destruição na rua Salah Al-Deen após uma explosão na sexta-feira. Vários corpos, incluindo de crianças, podem ser vistos num reboque que parece ter sido usado para transportar pessoas para fora da Cidade de Gaza.

    Não está claro o que causou a explosão. A CNN entrou em contato com as IDF para comentar quaisquer ataques aéreos no mesmo local.

    As IDF disseram, no sábado (14), que permitiria que as pessoas se deslocassem para o sul “para sua própria segurança” em ruas específicas de Gaza durante um período de seis horas, mas não está claro até que ponto as mensagens foram recebidas no terreno, dado o atual apagão de eletricidade e internet.

    As IDF lançaram panfletos sobre o anúncio, além de outras plataformas, disse o porta-voz das IDF, major Doron Spielman. No entanto, um funcionário da escola da Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas, um paramédico e um jornalista no local disseram à CNN que não tinham conhecimento do aviso.

    As IDF afirmam que os líderes do Hamas já tomaram medidas para se protegerem de ataques na área.

    Passagem de fronteira “não está aberta”

    Palestinos-americanos e outros estrangeiros desesperados para partir aguardam na passagem de fronteira de Rafah, que liga Gaza ao Egito.

    Todas as passagens fora da faixa bombardeada foram fechadas, mas o Departamento de Estado dos EUA disse às famílias, na sexta-feira (13), que a passagem egípcia “pode estar aberta” na tarde de sábado.

    “Disseram para todo mundo estar aqui às 12h (horário local), já se passaram quase duas horas, ninguém apareceu, ninguém está aqui para abrir os portões”, disse Haneen Okal, moradora de Nova Jersey, esperando com seus três filhos.

    “As pessoas estão à espera no ponto de passagem de Rafah, mas não está aberto e não há uma orientação clara da embaixada”, disse Mai Abushaaban, uma jovem de 22 anos de Houston que está em contato com a sua família na fronteira.

    A CNN entrou em contato com o Departamento de Estado e o Conselho de Segurança Nacional dos EUA para comentar.

    VÍDEO – Amiga de família de refém do Hamas consegue contato com sequestrados

    Mais de 2 milhões de palestinos – incluindo mais de 1 milhão de crianças – vivem na Faixa de Gaza, com 140 quilômetros quadrados, um dos locais mais densamente povoados do planeta.

    Imagens de Gaza mostraram uma corrida em massa em direção ao sul do enclave costeiro a partir de sexta-feira (13). Civis amontoados em carros, táxis, picapes e até carroças puxadas por burros. As estradas estavam cheias de filas sinuosas de veículos amarrados com malas e colchões.

    Aqueles que não tinham outras opções caminharam, carregando o que podiam.

    Alguns, no entanto, permaneceram onde estavam, dizendo à CNN que sentiam que nenhum lugar era seguro. Enquanto isso, as organizações humanitárias alertam que os idosos, deficientes e grávidas podem não conseguir evacuar.

    Algumas instalações de saúde no norte de Gaza e na Cidade de Gaza afirmaram que não cumprirão as ordens de evacuação de Israel, uma vez que estas “ameaças funcionam efetivamente como uma ‘sentença de morte’ para os milhares de feridos e pacientes alojados nestas instalações”.

    “A ordem de evacuar 1,1 milhão de pessoas do norte de Gaza desafia as regras da guerra e da humanidade básica”, escreveu o chefe do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Martin Griffiths, num comunicado na sexta-feira (13). “Estradas e casas (em Gaza) foram reduzidas a escombros. Não há nenhum lugar seguro para ir.”

    Desde que a ordem de evacuação foi emitida na sexta-feira, os ataques aéreos militares israelenses mataram 70 evacuados e feriram mais 200, disse o escritório de mídia do Hamas à CNN.

    Os serviços médicos palestinos e equipes de defesa civil foram alvo de um ataque israelense no local de uma operação de resgate no norte de Gaza no sábado, de acordo com o Ministério do Interior e Segurança Nacional palestino.

    VÍDEO – Hamas diz que palestinos não vão deixar Faixa de Gaza

    “As forças de ocupação têm como alvo equipes de defesa civil e serviços médicos enquanto trabalhavam para resgatar mártires e feridos da casa da família Dahman, no norte da Faixa de Gaza, na manhã de hoje, sábado”, disse o ministério em comunicado.

    O território está sob bloqueio terrestre, marítimo e aéreo imposto por Israel desde 2007, com mais de metade dos seus residentes a viver abaixo do limiar da pobreza, mesmo antes do último conflito.

    Uma semana de luta

    A manhã de sábado marcou uma semana desde o ataque sangrento e sem precedentes do Hamas a Israel, que matou mais de 1.300 pessoas e levou à captura de reféns civis e militares que agora se acredita estarem detidos em Gaza.

    O ataque surpresa, amplamente descrito como o 11 de Setembro de Israel, viu ondas de combatentes fortemente armados do Hamas atacarem cidades rurais israelitas, kibutzim e bases militares.

    Em resposta, Israel ordenou um “cerco completo” de Gaza, incluindo o bloqueio de alimentos, água e combustível, ao mesmo tempo que montava os ataques aéreos mais pesados de sempre contra o enclave. Observadores internacionais alertam que o corte fará com que os civis de Gaza morram de fome, doenças e falta de cuidados médicos para o número crescente de mortos e feridos.

    Pelo menos 2.215 palestinos foram mortos em Gaza em ataques israelenses, informou o Ministério da Saúde palestino em uma atualização no sábado. Esse número inclui 724 crianças.

    Um hospital sobrecarregado em Gaza disse à CNN que recorreu ao uso de caminhões de sorvete de fábricas locais como necrotérios improvisados devido aos necrotérios hospitalares lotados.

    As FDI disseram no sábado que seus caças atingiram quartéis-generais operacionais usados por militantes do Hamas, matando o chefe do Sistema Aéreo do Hamas na Cidade de Gaza, que os militares alegaram ser “em grande parte responsável por dirigir terroristas” durante o ataque da semana passada a Israel.

    As hostilidades também se espalharam entre o grupo militante libanês Hezbollah e as forças das FDI no sábado nas disputadas fazendas Shebaa, perto da fronteira Israel-Líbano. Israel disse que respondeu ao fogo depois que o Hezbollah lançou um ataque ao território – uma faixa de terra disputada entre o Líbano e a Síria, adjacente às Colinas de Golã, sob controle israelense.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original