Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel encerra imagem ao vivo da Associated Press em Gaza e apreende equipamento

    Medida ocorre semanas depois de Israel encerrar as operações da Al Jazeera no país, invadindo os escritórios do meio de comunicação

    Fumaça de explosão em Gaza
    Fumaça de explosão em Gaza 20/5/2024 REUTERS/Amir Cohen

    Jon PassantinoHadas GoldOliver Darcyda CNN

    A Associated Press disse nesta terça-feira (21) que as autoridades israelenses desligaram a transmissão ao vivo da câmera que mostrava Gaza e apreenderam seu equipamento, no que classificou como um “uso abusivo pelo governo israelense da nova lei de emissoras estrangeiras do país”.

    “A Associated Press condena nos termos mais veementes as ações do governo israelense”, disse o coletivo de notícias sem fins lucrativos em comunicado. “Pedimos às autoridades israelenses que devolvam o nosso equipamento e nos permitam restabelecer imediatamente a nossa transmissão ao vivo, para que possamos continuar a fornecer este importante jornalismo visual a milhares de meios de comunicação em todo o mundo.”

    Os militares israelenses classificam regularmente as áreas em torno de Gaza como “zonas militares fechadas”, restringindo a circulação ali. A transmissão ao vivo da AP forneceu uma visão das ações em Gaza, onde nenhum jornalista independente pode operar devido às restrições israelenses e egípcias à entrada na faixa.

    A Casa Branca pediu que Israel reverta a sua decisão, dizendo à CNN que tinha “preocupações” com a ação.

    “Estamos interagindo diretamente com o governo de Israel para expressar as nossas preocupações sobre esta ação e pedir-lhes que a revertam”, segundo um porta-voz da Casa Branca.

    A Associated Press não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da CNN, mas a Associação de Imprensa Estrangeira (FPA) manifestou o seu alarme sobre o encerramento e o confisco.

    “A ação de Israel hoje é uma ladeira escorregadia. Israel poderia impedir que outras agências de notícias internacionais fornecessem imagens ao vivo de Gaza. Também poderia permitir que Israel bloqueasse a cobertura da mídia de praticamente qualquer evento noticioso por vagas razões de segurança”, afirmou a FPA em comunicado.

    A medida ocorre semanas depois de Israel encerrar as operações da Al Jazeera no país, invadindo os escritórios do meio de comunicação e apreendendo o seu equipamento de comunicação, o que levou à rápida condenação das Nações Unidas e de grupos de direitos humanos sobre as medidas do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para restringir a liberdade de imprensa.

    A lei aprovada pelo parlamento de Israel no mês passado dá ao primeiro-ministro e ao ministro das comunicações autoridade para ordenar “temporariamente” o encerramento de redes estrangeiras que operam em Israel e que são consideradas uma ameaça à segurança nacional. As organizações noticiosas poderão ser banidas por um período de 45 dias, embora o governo possa renovar a proibição por períodos adicionais de 45 dias. A lei em si também é tecnicamente temporária e expirará em 31 de julho ou antes, se uma declaração de emergência devido à guerra for cancelada.

    Vários desafios legais à lei estão pendentes nos tribunais israelenses. O Supremo Tribunal de Israel recusou-se recentemente a emitir uma liminar de emergência contra a lei apresentada pela Associação para os Direitos Civis em Israel.

    O grupo afirmou na sua petição apresentada no início de abril que a lei “viola a liberdade de expressão, o direito à informação e a liberdade de imprensa” e “atropela os princípios do Estado de direito e da independência do poder judicial, uma vez que inclui uma “cláusula de substituição” que impede o tribunal de anular uma decisão ilegal.” Outra contestação legal foi apresentada no Tribunal Distrital de Tel Aviv.

    Num comunicado, o Ministro das Comunicações israelense, Shlomo Karhi, acusou a AP de violar a sua nova lei ao fornecer imagens aos seus milhares de clientes de notícias, incluindo a Al Jazeera.

    “A câmera que foi confiscada transmite ilegalmente no canal Al Jazeera ao vivo no norte da Faixa de Gaza, incluindo as atividades das forças das FDI e põe em perigo nossos combatentes”, disse Karhi em um comunicado. “É importante ressaltar que já na semana passada foi feito um aviso à agência AP de que de acordo com a lei e a decisão do governo estão proibidos de fornecer emissões para a Al Jazeera, no entanto decidiram continuar a transmitir no canal causando um dano real à a segurança do Estado.”

    O equipamento confiscado incluía uma câmera, tripé, dois microfones e equipamento de transmissão, disse o comunicado.

    O grupo de liberdade de imprensa Repórteres Sem Fronteiras condenou a decisão de Israel de apreender o equipamento.

    “Depois de ter banido a Al Jazeera, Israel está atacando a AP”, afirmou em comunicado. “A RSF denuncia a apreensão da câmera do meio de comunicação e a interrupção da transmissão contínua que filma Gaza sob o pretexto de que essas imagens são fornecidas, entre outros, à Al Jazeera.”

    O líder da oposição israelense, Yair Lapid, também denunciou a apreensão como “um ato de loucura”.

    “Isto não é a Al Jazeera, é um meio de comunicação americano que ganhou 53 prêmios Pulitzer”, disse ele em comunicado. “Este governo comporta-se como se tivesse decidido garantir a qualquer custo que Israel será excluído de todo o mundo. Eles enlouqueceram.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original