Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel “falhou em sua missão” de resgatar 3 reféns acidentalmente mortos, diz relatório

    Yotam Haim, Alon Shimriz e Samer Talalka, sequestrados pelo Hamas em 7 de outubro, foram identificados como uma ameaça e mortos pelo exército israelense em Gaza neste mês

    Yotam Haim, Alon Shimriz e Samer Talalka, reféns sequestrados pelo Hamas no dia 7 de outubro, mortos acidentalmente por forças israelenses
    Yotam Haim, Alon Shimriz e Samer Talalka, reféns sequestrados pelo Hamas no dia 7 de outubro, mortos acidentalmente por forças israelenses Reprodução/CNN

    Michael Riosda CNN

    Os militares de Israel “falharam na sua missão” de resgatar três reféns mortos por engano pelas suas tropas na Faixa de Gaza no início deste mês, disse o chefe do Estado-Maior na quinta-feira (28), enquanto os militares publicavam as conclusões da sua investigação.

    As descobertas concluíram que as fileiras de comando israelenses tinham informações de que havia reféns na área e “até tomaram medidas para evitar ataques em locais suspeitos de terem reféns”, dizia o relatório.

    Mas a investigação também concluiu que as forças israelenses no terreno tinham “consciência insuficiente” da possibilidade de os reféns se aproximarem deles ou de as tropas encontrarem reféns em operações que não visavam especificamente libertá-los.

    Yotam Haim, Alon Shimriz e Samer Talalka foram sequestrados por combatentes do Hamas durante ataque a Israel em 7 de outubro. Os três homens foram mortos durante uma operação das Forças de Defesa de Israel (FDI) no bairro de Shejaiya, na cidade de Gaza, em 15 de dezembro.

    Veja também: Ministro israelense diz que solução diplomática com o Líbano “está acabando”

    Nesse dia, de acordo com as conclusões, um soldado israelense disparou contra três reféns “identificados como ameaças”, matando dois deles. O terceiro refém fugiu e o comandante do batalhão deu ordem de cessar-fogo para identificar a terceira pessoa.

    Depois que o comandante ouviu alguém gritando “socorro” em hebraico, ele chamou a pessoa para ir em direção aos soldados; o refém saiu de um prédio e avançou em direção às tropas, disse o relatório. Dois soldados não ouviram as ordens do comandante para suspender o fogo “devido ao barulho de um tanque próximo” e mataram a tiros o terceiro refém, segundo a investigação.

    A investigação concluiu ainda que os “reféns andavam sem camisa e um deles agitava uma bandeira branca, parado num ponto com visibilidade limitada em relação à posição do soldado que disparou”.

    O chefe do Estado-Maior militar israelense, Herzi Halevi, disse que os tiroteios “poderiam ter sido evitados”, mas determinou que “não houve malícia no evento, e os soldados realizaram as ações corretas de acordo com sua melhor compreensão do evento naquele momento”.

    Nos dias anteriores ao assassinato dos três reféns, o relatório disse que soldados israelenses ouviram gritos de socorro em hebraico vindos de um prédio enquanto soldados israelenses lutavam contra homens armados do Hamas. Os soldados pensaram que era uma tentativa de prendê-los, disse o relatório.

    Uma câmera montada em um cão militar durante a luta também capturou as vozes dos reféns clamando por socorro. Nesse mesmo dia, uma nota que dizia “Ajuda” em hebraico foi encontrada na saída de um túnel, afirma o relatório, que os soldados israelenses interpretaram como uma tentativa do Hamas de atraí-los.

    Em 14 de dezembro, imagens de drones israelenses identificaram placas com os dizeres “SOS” e “Socorro, 3 reféns” em um prédio a 200 metros de onde os três reféns foram mortos no dia seguinte, diz o relatório.

    O relatório afirma que os militares israelenses suspeitaram que se tratava de uma armadilha depois que barris azuis foram avistados nas proximidades e que, segundo ele, são comumente encontrados em áreas manipuladas.

    Halevi concluiu que o assassinato dos reféns não deveria ter acontecido e não correspondia ao risco da situação.

    “Os procedimentos operacionais padrão são necessários e também têm como objetivo nos proteger, para que não matemos as nossas próprias forças. Eles definem e impactam decisões fatídicas, como aconteceu neste evento”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original