Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Israel invade capital da Cisjordânia e mata jovem, dizem fontes palestinas

    Testemunhas relatam que essa é a maior operação em Ramallah em vários anos

    Forças israelenses conduzem operação em Ramallah, na Cisjordânia
    Forças israelenses conduzem operação em Ramallah, na Cisjordânia Reuters

    Ali Sawaftada Reuters

    em Ramallah, na Cisjordânia

    As forças israelenses invadiram a capital administrativa dos palestinos, Ramallah, na Cisjordânia ocupada durante a noite, matando um jovem de 16 anos em um campo de refugiados durante seu maior ataque à cidade em anos, disseram fontes palestinas nesta segunda-feira (04).

    Testemunhas em Ramallah disseram que as forças israelenses levaram dezenas de veículos militares para a cidade, que é a sede da Autoridade Palestina liderada pelo presidente Mahmoud Abbas.

    O Ministério da Saúde palestino disse que as forças israelenses mataram Mustafa Abu Shalbak, de 16 anos, enquanto invadiam o campo de refugiados de Am’Ari.

    A agência de notícias palestina WAFA disse que os confrontos eclodiram quando as forças israelenses invadiram o campo, “durante o qual balas reais foram disparadas contra jovens palestinos”, ferindo Abu Shalbak no pescoço e no peito.

    Os militares israelenses não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

    A violência aumentou em toda a Cisjordânia em paralelo à guerra de Gaza, com pelo menos 400 palestinos mortos em confrontos com soldados e colonos israelenses, e Israel atacando regularmente áreas palestinas em todo o território ocupado em 1967.

    As forças israelenses também destruíram uma estrada principal na cidade de Tulkarm, na Cisjordânia, durante uma incursão lá, disseram testemunhas.

    A WAFA também informou que as forças israelenses invadiram a cidade de Nablus, na Cisjordânia, e explodiram a casa de um homem anteriormente acusado por Israel de realizar um ataque no qual uma mãe britânico-israelense e suas duas filhas foram mortas em abril na Cisjordânia.

    O homem, Moaz al-Masri, foi morto pelas forças israelenses em Nablus em maio passado.

    As forças israelenses detiveram pelo menos 55 palestinos em ataques na Cisjordânia durante a noite, de acordo com o The Palestinian Prisoners Club.