Israel negocia acordo para doar vacinas excedentes da Pfizer a outros países

Imunizantes, no entanto, devem expirar até o final do mês

Foto: Tony Winston - 10.mai.2021/Ministério da Saúde

Maayan Lubell e Steven Scheer, da Reuters

Ouvir notícia

Autoridades israelenses afirmaram neste domingo (4) que o país negocia um acordo para distribuir as vacinas excedentes da Pfizer, cujas doses devem expirar até o final do mês, com outras nações.

O primeiro-ministro Naftali Bennett disse que conversou com o CEO da Pfizer, Albert Bourla, sobre como garantir mais vacinas para Israel e sobre possíveis acordos para trocar vacinas entre Israel e outros países, embora não tenha dito quais.

“Os contatos estão sendo administrados pelo Ministério da Saúde, Ministério das Relações Exteriores e Conselho de Segurança Nacional”, disse Bennett.

O diretor-geral do Ministério da Saúde, Hezi Levi, disse em entrevista à Rádio 103 FM que as doses expiram em 31 de julho e que qualquer negócio terá que obter a aprovação da Pfizer.

Ele não disse quantas doses Israel está tentando trocar. O jornal Haaretz estima o número em cerca de um milhão.

“Estamos negociando com outros países”, disse Levi, sem identificá-los. “Estamos lidando com isso dia e noite.”

Ele confirmou que tal acordo foi discutido com a Grã-Bretanha na semana passada, mas disse que o acordo não se materializou e é “uma coisa do passado”.

Um porta-voz da Pfizer disse que a empresa estava “feliz em discutir possíveis pedidos de doação da vacina entre os governos, caso a caso, especialmente se isso ajudar a garantir que a vacina seja usada para proteger as pessoas desta doença.”

No mês passado, os palestinos rejeitaram cerca de um milhão de doses de Israel, dizendo que estavam muito perto de sua data de validade.

Israel lançou uma das vacinas mais rápidas do mundo em dezembro e, desde então, vacinou quase 90% das pessoas com mais de 50 anos, um grupo considerado de maior risco.

No geral, porém, cerca de um quinto de todos os israelenses elegíveis ainda não receberam a vacina, de acordo com dados do ministério da saúde.

Com as infecções caindo de mais de 10.000 por dia em janeiro para um dígito, Israel, com uma população de 9,3 milhões, eliminou quase todas as restrições ao coronavírus.

Mas um aumento de casos que começou em meados de junho, atribuído à variante Delta, mais contagiosa, pode trazer de volta algumas restrições, disse Levi.

As taxas de vacinação atingiram o pico em janeiro e caíram gradualmente até junho, quando os jovens de 12 a 15 anos foram elegíveis para a vacina. A propagação do Delta, especialmente entre crianças em idade escolar, estimulou os pais a inocularem seus filhos e a taxa aumentou cinco vezes desde o início de junho.

Levi disse que a vacina da Pfizer foi cerca de 85-88% eficaz contra a variante Delta, um número alto, mas menor em comparação com sua eficácia contra outras variantes.

Ele baseou esse número em um estudo britânico, bem como em pesquisas recentes do ministério da saúde. Um porta-voz do ministério não forneceu imediatamente mais detalhes sobre o estudo.

Mais Recentes da CNN