Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Japão está aberto ao turismo; por que, então, os turistas não voltam?

    Fatores como entrada permitida apenas para grupos de pessoas e quarentena na chegada ao país têm afastado os viajantes

    Distrito da luz vermelha de Kabukicho, em Shinjuku, região metropolitana de Tóquio
    Distrito da luz vermelha de Kabukicho, em Shinjuku, região metropolitana de Tóquio Getty Images

    Lilit Marcusda CNN

    Ouvir notícia

    O verão de 2022 foi dominado por histórias sobre acidentes de viagem, superlotação nos principais destinos e aeroportos e ondas de calor com risco de vida na Europa.

    No entanto, na Ásia, onde muitos países estão reabrindo de maneira mais gradual — com menos cancelamentos de voos ou histórias de horror sobre bagagens perdidas — os turistas estão demorando a voltar.

    Isso é impressiona especialmente em relação ao Japão, que reabriu com muito alarde em junho de 2022, bem a tempo da alta temporada de viagens.

    Entre 10 de junho e 10 de julho, o país recebeu cerca de 1.500 turistas de lazer, segundo dados da Agência de Serviços de Imigração do Japão. Isso representa uma queda de 95% em relação ao mesmo período de 2019, antes da pandemia.

    O que está causando a disparidade? E por que os viajantes demoram tanto para retornar ao que historicamente tem sido um destino popular?

    Viagens individuais não permitidas

    Embora o Japão esteja acessível novamente, o país atualmente só permite que turistas de lazer venham em grupos organizados e não como indivíduos.

    Para muitos no Ocidente, que preferem a espontaneidade e não querem seguir um itinerário estrito, essa questão foi um problema.

    “Não precisamos ser babás”, diz Melissa Musiker, uma profissional de relações públicas de Nova York que costumava viajar regularmente para o Japão.

    Musiker e seu marido estiveram em Tóquio “cerca de seis vezes”. A dupla planejava visitar novamente em 2022, quando souberam que as fronteiras estavam reabrindo, mas ficaram frustrados com as restrições e desistiram.

    Em vez disso, eles estão optando por um novo destino e indo para a Coreia do Sul.

    “Nós não queremos quarentena. Isso foi um grande fator”, acrescentou Musiker. “Nós apenas gostamos de passear, fazer compras e comer sushi caro.”

    A preferência por visitas a cidades em vez de férias na praia inclinou a balança a favor de Seul, assim como seu vício em k-dramas nascido da pandemia.

    Semi-aberto não é aberto

    A política não totalmente aberta do Japão não se aplica apenas aos vistos. O país ainda tem regras como o uso de máscaras em muitas áreas. Além disso, os passeios em grupo podem ser caros e o Japão exige quarentena na chegada, o que dificulta a venda de passagens.

    Katie Tam é co-fundadora da Arry, uma plataforma de assinatura exclusiva que ajuda os visitantes do Japão a conseguir reservas em alguns dos restaurantes mais procurados de Tóquio, como o Sukiyabashi Jiro, queridinho de Barack Obama, e o recém-aberto Den.

    Antes da pandemia, muitos dos usuários de Arry eram viajantes asiáticos — moradores de Hong Kong, Taiwan, Coreia do Sul ou Cingapura — que visitavam o Japão várias vezes por ano ou podiam simplesmente pular para um fim de semana prolongado espontâneo. Desde 2020, porém, a empresa teve que entrar em hiato.

    “Não sabíamos que levaria tanto tempo”, afirmou ela sobre o que deveria ser uma pausa de curto prazo. “Definitivamente foi difícil.”

    Os poucos membros que começam a entrar em contato com Arry para fazer reservas, diz Tam, são pessoas que conseguiram obter vistos de viagem de negócios para o Japão.

    Atualmente, esta é a única maneira de os não-cidadãos entrarem no país como visitantes individuais, e alguns estão aproveitando a falta de multidões para conseguir lugares em restaurantes que não conseguiam reservar antes.

    Há um pouco de boa notícia, no entanto. Apesar dos desafios, muitos dos melhores restaurantes do Japão estão indo bem em meio à pandemia.

    “Muitos dos restaurantes com os quais trabalhamos têm uma forte base local de clientes”, apontou Tam. No lado positivo, isso significa que esses lugares populares ainda estarão em atividade sempre que os turistas estrangeiros puderem vir.

    De acordo com a Agência de Serviços de Imigração, os dois maiores mercados para o turismo no Japão agora são a Tailândia e a Coreia do Sul. Mas o “maior” aqui é relativo — cerca de 400 pessoas de cada país visitaram o Japão desde junho. Apenas 150 dos turistas vieram dos Estados Unidos.

    O efeito China

    Em 2019, o maior mercado de turismo do Japão foi a vizinha China, com 9,25 milhões de visitantes chineses.

    Agora, porém, a China permanece essencialmente isolada do resto do mundo. Ainda possui protocolos rígidos de quarentena para cidadãos e estrangeiros, paralisando o turismo.

    O Japão não é o único país que sofreu um impacto significativo com a falta de viajantes chineses. Destinos populares para turistas chineses, como Austrália, Tailândia, Cingapura e Coreia do Sul, perderam receita, já que mais de um bilhão de viajantes em potencial estão ficando em casa.

    Hiroyuki Ami, chefe de relações públicas da Tokyo Skytree, uma torre de observação, diz que demorou até 27 de junho para o primeiro grupo de turismo internacional chegar ao deck. O grupo em questão era composto por convidados de Hong Kong.

    A cidade autônoma tem restrições rígidas, incluindo quarentena obrigatória em hotéis para residentes que retornam, mas ainda é mais fácil para os turistas viajarem de lá do que da China continental.

    “Antes da Covid, o maior número [de visitantes estrangeiros] era da China, mas não os vi recentemente”, aponta Ami. Ele confirmou que a maioria dos visitantes da Skytree nas últimas seis semanas eram japoneses aproveitando as férias de verão.

    “Só porque a aceitação de turistas foi retomada não significa que estamos recebendo muitos clientes do exterior”, acrescenta.

    Turistas estão prontos para agir

    Quando e se o Japão decidir reabrir totalmente para turistas individuais, as chances de que eles querem vir são altas.

    O bordão “viagem de vingança” foi criado para descrever as pessoas que economizaram dinheiro durante o Covid-19 e agora querem estragar tudo em uma grande viagem na lista de desejos, e o Japão continua sendo um destino popular na lista de desejos.

    “Há um grande interesse em voltar ao Japão”, comenta Tam, cofundador da Arry. “Eu acho que vai pegar.”

    Kathleen Benoza, da CNN, em Tóquio, contribuiu com a reportagem

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN