Jornalista americano Danny Fenster é libertado da prisão em Mianmar

Ex-embaixador dos EUA nas Nações Unidas, Richardson disse que conduziu negociações cara a cara com Min Aung Hlaing, o líder da junta militar de Mianmar

Jornalista Danny Fenster é libertado em Mianmar, que vive em regime ditatorial após golpe militar
Jornalista Danny Fenster é libertado em Mianmar, que vive em regime ditatorial após golpe militar CNN

Pauline LockwoodBex WrightCape Diamondda CNN

Hong Kong

Ouvir notícia

O jornalista americano Danny Fenster foi libertado da prisão em Mianmar, de acordo com um oficial militar de Mianmar e ex-governador do Novo México, Bill Richardson, que fez uma visita humanitária privada ao país.

A libertação de Fenster ocorre poucos dias depois que o ex-editor-chefe do Frontier Myanmar – um meio de notícias independente que cobre assuntos atuais, negócios e política – foi condenado a 11 anos de prisão por um tribunal militar em Mianmar.

O porta-voz militar de Mianmar, Zaw Min Tun, disse à CNN Business que o jornalista “foi libertado e deportado. Vamos divulgar detalhes do motivo pelo qual ele foi solto mais tarde”.

De acordo com um comunicado divulgado por Richardson na segunda-feira (15), Fenster estará para os Estados Unidos “pelo Catar, no próximo dia e meio”.

Ex-embaixador dos EUA nas Nações Unidas, Richardson disse que conduziu negociações cara a cara com Min Aung Hlaing, o líder da junta militar de Mianmar.

A família de Fenster disse que estava “muito feliz” com sua libertação.

“Mal podemos esperar para abraçá-lo”, disseram eles em um comunicado. “Estamos imensamente gratos a todas as pessoas que ajudaram a garantir sua libertação, especialmente ao embaixador Richardson, bem como aos nossos amigos e ao público que expressaram sua opinião apoiaram e estiveram ao nosso lado enquanto suportávamos esses meses longos e difíceis.”

Fenster, de 37 anos de Detroit, Michigan, foi preso no Aeroporto Internacional de Yangon em 24 de maio enquanto tentava deixar o país para visitar sua família nos Estados Unidos.

Ele teve sua fiança negada e foi mantido na prisão de Insein, em Yangon. Na sexta-feira (12), ele foi considerado culpado de três acusações feitas contra ele pelos militares de Mianmar, que tomaram o controle do país em um golpe em 1º de fevereiro.

Essas acusações incluíram violação de visto, associação ilegal com um grupo ilegal e incitação sob a seção 505 do Código Penal de Mianmar, que torna crime publicar ou circular comentários que “causem medo” ou espalhem “notícias falsas”.

Sonny Swe, editor, CEO e cofundador da Frontier Myanmar, ex-empregador de Fenster em Mianmar, disse à CNN Business por telefone que Fenster já estava em um avião, tendo deixado a prisão de Insein no início do dia.

“Estou muito, muito satisfeito com a notícia. Não apenas nossa felicidade, eu já passei por isso, sei como Danny e sua família estarão se sentindo agora”, disse Swe. “Deste ponto em diante, tudo é positivo. Ele merece se reunir com sua família.”

Fenster foi um dos cerca de 126 jornalistas e trabalhadores da mídia detidos desde o golpe, de acordo com a ONU. Cerca de 47 permanecem atrás das grades.

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Tópicos

Mais Recentes da CNN