Kanye West doa US$ 2 milhões e financia estudos da filha de George Floyd

Rapper americano destinou doação às demais vítimas de racismo nos Estados Unidos

Cantor americano Kanye West financia estudos da filha de George Floyd
Cantor americano Kanye West financia estudos da filha de George Floyd Foto: Taylor Hill/FilmMagic

Por Chloe Melas, da CNN

Ouvir notícia

O rapper americano Kanye West realizou uma doação de US$ 2 milhões em apoio às famílias de George Floyd, Ahmaud Arbery e Breonna Taylor, três vítimas recentes da violência contra negros nos Estados Unidos.  

A doação inclui o financiamento de honorários legais às famílias de Arbery e Taylor, além do apoio às empresas em crise cujos proprietários são negros, em sua cidade natal, Chicago, e em outros centros.

Um representante de Kanye West disse que estabeleceu um plano de educação para cobrir integralmente as mensalidades de Gianna, a filha de 6 anos de George Floyd.

A doação do cantor ocorre logo após a sequência de protestos em massa em todo o país após as mortes. Muitas vozes do ramo do entretenimento estão pedindo o fim do racismo sistemático, da brutalidade policial e das ações da liderança política.

Leia também:

Ex-professora de George Floyd diz que ele queria ser juiz da Suprema Corte

Meghan Markle fala sobre George Floyd em discurso de formatura

Outros 3 policiais envolvidos na morte de Floyd são formalmente acusados

Relembre os casos 

Três dos policiais de Minneapolis presos após a morte de Floyd fizeram sua primeira aparição no tribunal nesta quinta-feira (4), enquanto a família Floyd realiza a primeira de várias cerimônias planejadas em memória da vítima. 

Derek Chauvin, o policial que prendeu Floyd no chão por quase nove minutos, foi preso na semana passada e acusado de assassinato em terceiro grau e homicídio culposo em segundo grau. Na quarta-feira (3), os promotores acusaram-no de um delito mais grave: assassinato em segundo grau.

Arbery, um homem negro, foi morto a tiros enquanto se exercitava nos arredores de Brunswick, Geórgia, em 23 de fevereiro. Três homens brancos foram presos após sua morte. 

Taylor era um paramédico que foi baleado pelo menos oito vezes, em março, quando três policiais entraram à força em seu apartamento em Kentucky. O FBI abriu uma investigação sobre sua morte.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler a reportagem original em inglês).

Mais Recentes da CNN