Kremlin diz que a proibição da Lituânia de mercadorias sancionadas que passam pela Rússia “ilegal”

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, descreveu a proibição como uma "violação de tudo"

Porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov durante entrevista coletiva em Moscou
Porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov durante entrevista coletiva em Moscou 19/12/2020REUTERS/Evgenia Novozhenina

Anna Chernovada CNN

Ouvir notícia

A decisão da Lituânia de proibir o trânsito de materiais sancionados para a Rússia através da região de Kaliningrado — exclave da Rússia na União Europeia — é “sem precedentes” e a Rússia a considera “ilegal”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Esta decisão é verdadeiramente sem precedentes. Isso é uma violação de tudo”, disse Peskov a repórteres durante uma teleconferência de rotina na segunda-feira (20).

“Também consideramos ilegal”, disse Peskov, acrescentando que o Kremlin precisará analisar a situação com cuidado. “É parte de um bloqueio, é claro”, disse ele.

A companhia ferroviária estatal lituana notificou a Rússia de que, a partir da meia-noite de 18 de junho, os trens de trânsito com mercadorias sujeitas a sanções da UE não poderão mais passar, disse o governador da região de Kaliningrado, Anton Alikhanov, em seu canal de telegramas.

A lista dos bens proibidos inclui material de construção, cimento, metais e “uma série de outros bens importantes tanto para a construção quanto para a produção”, segundo Alikhanov.

A decisão da Lituânia é a mais recente de um estado membro da UE a sancionar a Rússia após a invasão da Ucrânia em fevereiro.

No final de maio, a União Europeia concordou em proibir 90% das importações de petróleo da Rússia até o final do ano, juntamente com outras medidas, disseram os líderes do Conselho Europeu na época.

“Acordo para proibir a exportação de petróleo russo para a UE. Isso cobre imediatamente mais de 2/3 das importações de petróleo da Rússia, cortando uma enorme fonte de financiamento para sua máquina de guerra”, anunciou Michel em um tweet.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, a Casa Branca anunciou outra rodada de sanções contra funcionários do governo russo e elites próximas ao presidente russo, Vladimir Putin, com uma série de novas sanções financeiras e diplomáticas no início de junho.

A Casa Branca disse em um comunicado que as sanções mais recentes são projetadas “para reprimir a evasão e endurecer nossas sanções, melhorar a fiscalização e aumentar a pressão sobre Putin e seus facilitadores”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN