Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Líder do Irã diz que Israel “deve e será” punido por ataque à embaixada na Síria

    Bombardeio israelense contra o consulado iraniano matou sete conselheiros militares, segundo o aiatolá Ali Khamenei

    Da Reuters

    O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse nesta quarta-feira (10) que Israel “deve ser punido e será” por atacar o complexo da embaixada iraniana na Síria.

    Numa grande escalada da guerra de Israel com adversários regionais, supostos aviões de guerra israelense bombardearam o consulado do Irã na capital síria, no dia 1º de abril, num ataque que o Irã disse ter matado sete conselheiros militares, prometendo retaliar.

    “O regime maligno cometeu um erro e deve ser punido e será”, disse Khamenei num discurso que marcou o fim do mês sagrado muçulmano do Ramadã.

    Líder supremo do Irã Ali Khamenei em Teerã / Divulgação via Reuters (02.jan.22)

    Irã responsabiliza EUA

    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, culpou Israel pelo ataque de segunda-feira (1º) ao consulado iraniano em Damasco, na Síria, mas também disse que os Estados Unidos foram responsáveis ​​por isso porque apoiam Israel.

    Os comentários do principal diplomata sublinham a tensão crescente entre Teerã e Washington, com o Irã apontando o dedo aos EUA pelo seu apoio a Israel.

    Transmitindo a mensagem em uma postagem na plataforma X, Amir-Abdollahian disse que o encarregado de negócios suíço em Teerã foi convocado pelo Ministério das Relações Exteriores do Irã nesta terça-feira (2) para discutir o incidente, dado o papel da Suíça na representação dos interesses dos EUA no Irã.

    “As dimensões do ataque terrorista e do crime do regime israelense foram explicadas e a responsabilidade da administração americana sublinhada” na reunião, disse o ministro.

    “Uma mensagem importante foi transmitida à administração americana como apoiante do regime sionista”, acrescentou. “Os Estados Unidos deveriam ser responsáveis.”

    As Forças de Defesa de Israel (FDI) não comentaram publicamente sobre o ataque que o Irã disse ter matado dois comandantes e vários outros. Mas o porta-voz das FDI, Daniel Hagari, contestou que o edifício fosse um consulado.

    “Este é um edifício militar das forças Quds disfarçado de edifício civil em Damasco”, disse ele.

    Separadamente, o jornal The New York Times informou que quatro autoridades israelenses não identificadas reconheceram que Israel executou o ataque.

    (Com informações de Hamdi Alkhshali, da CNN; e de Jyoti Narayan, da Reuters, em Bangalore)