Linda Evangelista diz estar ‘brutalmente desfigurada’ após procedimento estético

A ex-supermodelo canadense entrou com um processo de US$ 50 milhões após os procedimentos estéticos e disse ter se tornado uma pessoa reclusa

A modela Linda Evangelista processa empresa em US$ 50 milhões por procedimentos que, segundo ela, a deixaram "brutalmente desfigurada"
A modela Linda Evangelista processa empresa em US$ 50 milhões por procedimentos que, segundo ela, a deixaram "brutalmente desfigurada" Jim Spellman/Getty Images

Da Reuters

Ouvir notícia

A ex-supermodelo Linda Evangelista entrou com um processo de US$ 50 milhões sobre procedimentos cosméticos que, segundo ela, a deixaram “brutalmente desfigurada” e a transformaram em uma pessoa reclusa.

A modelo canadense, uma das maiores figuras nas passarelas e capas de revistas na década de 1990, disse em um post no Instagram que havia se submetido a um tratamento para reduzir a gordura há cerca de cinco anos.

“Para meus seguidores que se perguntam por que não tenho trabalhado enquanto as carreiras de meus colegas estão prosperando, o motivo é que fui brutalmente desfigurada pelo procedimento, que fez o oposto do que prometia”, escreveu em uma postagem na quarta-feira (23).

Ela disse que sofreu um efeito colateral raro chamado hiperplasia adiposa paradoxal (HAP, na sigla em inglês) após os procedimentos, que faz com que as pessoas desenvolvam um inchaço nas áreas que foram tratadas.

“O PAH não apenas destruiu meu sustento, mas me levou a um ciclo de profunda depressão, profunda tristeza e para as profundezas da auto-aversão. No processo, me tornei reclusa”, disse ela.

A Zeltiq Aesthetics, uma unidade da Allergan Aesthetics e empresa-mãe AbbVie, responsável pelo procedimento feito na modelo, não retornou uma ligação para comentar.

Evangelista entrou com o processo na terça-feira (22) no tribunal federal de Nova York contra a Zeltiq por negligência, propaganda enganosa e alegando que a empresa não alertou os clientes sobre os possíveis efeitos colaterais.

A ação diz que Evangelista passou por vários procedimentos entre 2015 e 2016 para reduzir a gordura nas coxas, abdômen, costas, flancos e queixo. A cirurgia corretiva não funcionou para corrigir o HAP.

Ela está pedindo US$ 50 milhões em indenização por perda de renda e sofrimento emocional, dizendo que agora estava desempregada como modelo e não ganhou nada como modelo desde 2016.

 

Mais Recentes da CNN