Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Livros didáticos do ensino médio da Rússia elogiam o conflito na Ucrânia

    O programa é o mais recente esforço russo para influenciar as mentes dos jovens, que trazem tópicos como “Reunificação com a Crimeia”, “Valores Tradicionais da Família” e “A Rússia é líder na indústria nuclear”

    Presidente russo Vladimir Putin
    Presidente russo Vladimir Putin 29/7/2023 Sergei Bobylyov/TASS Host Photo Agency via REUTERS

    Ivana KottasováUliana Pavlovada CNN

    A Rússia está intensificando seus esforços para garantir que até mesmo seus cidadãos mais jovens estejam alinhados com a narrativa oficial quando se trata da guerra na Ucrânia.

    O Ministério da Educação do país revelou esta semana novos livros de história com seções sobre o que chama de “operação militar especial” na Ucrânia, a anexação da Crimeia e as sanções ocidentais. Os críticos dizem que a medida faz parte de um esforço sustentado para doutrinar crianças em idade escolar e sufocar qualquer pensamento independente.

    O presidente russo, Vladimir Putin, sempre sustentou que a agressão não provocada de Moscou contra a Ucrânia é um esforço para libertar o país de um “regime nazista” e da influência ocidental. Ele chegou a sugerir que não existia uma Ucrânia independente, insistindo, em vez disso, que o país tradicionalmente fazia parte da Rússia e que russos e ucranianos são “um só povo”.

    Os novos livros didáticos endossam essa narrativa e incluem mapas que mostram regiões ocupadas na Ucrânia como parte da Rússia. Fotos dos livros publicados pela mídia estatal mostram que eles chamam a Ucrânia de “estado ultranacionalista”, onde todos os dissidentes são perseguidos e “tudo o que é russo é declarado hostil”.

    Em outro lugar, os autores dizem aos alunos que, quando procurarem informações sobre a Ucrânia na internet, devem se lembrar de que existe uma “indústria global para a produção de vídeos encenados e fotos e vídeos falsos”.

    O ministro da Educação da Rússia, Sergey Kravtsov, disse à mídia estatal na segunda-feira (7) que os livros didáticos incluem seções “sobre as razões para o início da operação militar especial, o propósito da operação militar especial, desnazificação, desmilitarização, [e] a entrada de novas regiões na Federação Russa”.

    Kravtsov também prometeu atualizar os livros didáticos após o fim da guerra, “assim que vencermos”, segundo a RIA Novosti.

    Katerina Tertytchnaya, professora associada de política comparada na University College London, disse que os novos livros “não surgiram do nada”.

    “Houve um aumento nos esforços de doutrinação escolar por meio de livros didáticos, conteúdo do currículo e atividades extracurriculares na Rússia a partir de 2014”, disse ela, citando pesquisas ela conduziu com vários colegas que mostraram um aumento na pressão sobre os professores para promover uma narrativa patriótica da história russa após a anexação ilegal da Crimeia pela Rússia em 2014.

    Esses esforços só se tornaram maiores depois que Moscou lançou sua invasão em grande escala da Ucrânia no ano passado. Em setembro, o Ministério da Educação lançou um novo programa para todas as idades escolares chamado “Conversas sobre coisas importantes”.

    Segundo comunicado do Ministério da Educação, o ciclo de palestras visa fomentar o “patriotismo, o amor e o serviço à pátria” em crianças a partir dos seis anos.

    O programa inclui endereços de vídeo pré-gravados de funcionários do alto escalão russo, incluindo o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, e o líder da Igreja Ortodoxa Russa, Patriarca Kirill. Os tópicos são “Reunificação com a Crimeia”, “Valores Tradicionais da Família” e “A Rússia é líder na indústria nuclear”.

    Algumas lições apresentam as realizações anteriores da Rússia, como suas explorações espaciais, mas muitas se concentram em seu papel no mundo como “defensor” de outros países. “[Essas aulas] abordam alunos a partir dos seis anos de idade para justificar a invasão e criar suporte para os símbolos de guerra”, acrescentou ela.

    Um pedaço do material afirma que “a Rússia é um país que respeita a liberdade e a soberania de outros países” e pede aos alunos que dêem “exemplos da Rússia protegendo a soberania de outros países”.

    Ian Garner, historiador e autor de “Z Generation: Into the Heart of Russia’s Fascist Youth”, disse que as mudanças na educação fazem parte de uma transformação muito mais ampla da cultura nacional na Rússia em uma que é “hiperpatriótica, hipernacionalista, e hiperexclusiva de minorias e tudo o que é considerado não russo”.

    “Tudo – história, ciências sociais, educação cívica, até geografia, esporte – tudo pode ser espremido nessa estreita caixa de ‘Rússia contra o mundo’”, disse ele.

    Cidade de Moscou, na Rússia / Getty Images

    Nenhum pensamento crítico permitido

    Muitos países apresentam às crianças em idade escolar ideias patrióticas e valores cívicos. Nos Estados Unidos, os alunos recitam o juramento de fidelidade nas escolas da maioria dos estados, enquanto os políticos de todo o país discutem sobre o conteúdo dos livros didáticos e as proibições de livros. As escolas na França são obrigadas a exibir bandeiras francesas e da União Europeia, juntamente com a letra do hino nacional.

    Na Rússia, porém, esse empurrão é combinado com o apagamento completo da oportunidade de discordar. “O regime está investindo em reformas educacionais que impossibilitam o pensamento crítico, que sufocam a crítica, a dissidência ou o pensamento crítico de qualquer forma”, disse Tertytchnaya.

    Qualquer remanescente de uma imprensa livre foi eliminado desde o início da guerra. Publicações ocidentais e sites de mídia social foram bloqueados online e dissidentes, jornalistas independentes e qualquer um que se oponha ao regime de Putin dentro do país foi silenciado.

    Uma lei que tornou ilegal a divulgação de informações “falsas” sobre a invasão foi aprovada logo após o início da guerra no ano passado. De acordo com o monitor independente de direitos humanos OVD-Info, quase 20 mil pessoas foram detidas por protestar na Rússia contra a guerra.

    “Temos visto muitos exemplos de professores tendo que se demitir (de) seus empregos porque tentaram se desviar do que foi prescrito pelas autoridades, ou as próprias crianças sendo afastadas de seus pais porque expressaram opiniões que se opõem à posição do governo”, Tertytchnaya acrescentou.

    Essa repressão total à liberdade de expressão significa que não há uma força na Rússia que possa neutralizar a propaganda escolar. Embora existam inúmeras iniciativas clandestinas – a maioria organizadas por exilados russos – nenhuma tem o alcance necessário para fazer a diferença.

    “O Estado tem tudo a seu favor, tem dinheiro, tem corpos, tem o poder de prender os pais que se opõem ao que está acontecendo nas escolas, tem a vara de poder calar os professores – mas esses grupos de oposição não têm nada disso e, portanto, tudo o que fazem é uma gota na água contra esse grande gigante das teorias da conspiração e do nacionalismo”, disse Garner.

    Desde que chegou ao poder em 2000, Putin sempre enfatizou a importância da educação e dos programas para jovens, pressionando por reformas, segundo Tertytchnaya.

    “Esta é uma política de investimento de longo prazo por parte do Kremlin, eles se preocupam com as gerações mais jovens e como veem o Estado e como interagem com ele. E não é só a Rússia. Sabemos que os autocratas investem em educação porque querem garantir que os alunos sejam socializados de uma forma alinhada com o que desejam”, disse ela.

    Ela disse que uma pesquisa publicada no Journal of Political Economy da Universidade de Chicago mostra que mesmo pequenas mudanças no currículo podem levar a grandes mudanças na sociedade. “Pesquisas feitas na China mostram que mesmo pequenas modificações nos livros didáticos afetam a forma como as pessoas pensam e se relacionam com o governo. Os alunos expostos a novos livros didáticos na China tornaram-se mais céticos em relação ao livre mercado, por exemplo, em economia, e passaram a apoiar mais o governo”, disse ela.

    Garner concordou que o Kremlin está jogando o jogo longo, mudando o currículo, promovendo a cultura pop nacionalista e financiando vários grupos de jovens militares.

    “O que está em causa não é apenas encorajar as crianças a afastarem-se da oposição e da ideia de que a Rússia não tem futuro e que a guerra é fútil, mas também de levar as crianças a abraçar o militarismo e a entusiasmar as crianças por se alistarem nas forças russas”, disse.

    Os esforços da Rússia para mobilizar centenas de milhares de cidadãos para lutar na Ucrânia em setembro passado causaram caos e raiva e levaram um grande número de russos a fugir para a fronteira. “O governo não quer que isso aconteça novamente”, disse Garner.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original