Macron anuncia referendo sobre adição de meta climática à Constituição francesa

Presidente francês tem sido criticado por setores de seu partido por não fazer o suficiente para combater o aquecimento global

O presidente francês, Emmanuel Macron
O presidente francês, Emmanuel Macron Foto: Ludovic Marin - 13.mai.2020/ Reuters

Por Elizabeth Pineau,

da Reuters

Ouvir notícia

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou, nesta segunda-feira (14), que a realizará um referendo sobre a revisão da Constituição francesa para incluir referências ao meio ambiente e ao combate às mudanças climáticas.

Macron tem sido criticado por setores de seu partido por não fazer o suficiente para combater o aquecimento global, apesar das promessas de gastar bilhões de euros para acelerar os movimentos em direção a uma economia mais verde.

Leia também:
Protestos na França terminam em conflito pela terceira semana consecutiva

Cresce boicote de muçulmanos à França após Macron defender caricaturas de Maomé

Ele disse ao Conselho Cidadão do Clima que estava disposto a incluir menções à biodiversidade, ao meio ambiente e ao combate às mudanças climáticas no Artigo 1 da Constituição.

“Vai ser submetido a referendo”, acrescentou.

As câmaras alta e baixa do Parlamento também devem concordar com o referendo.

O Partido Verde da França ganhou força nos últimos dois anos, derrotando o partido governante de Macron nas eleições regionais no início do verão. Os partidários de Macron temem que os verdes possam erodir sua base de apoio na esquerda política na eleição presidencial de 2022.

No mês passado, o mais alto tribunal administrativo da França deu ao governo três meses para mostrar que está aprovando políticas climáticas que garantirão o cumprimento de seus compromissos de redução das emissões de gases de efeito estufa.

Macron estabeleceu o Conselho Climático dos Cidadãos em resposta aos protestos antigovernamentais do “colete amarelo” que surgiram no final de 2018. Alguns membros do conselho denunciaram-no como um porta-vozes. 

Mais Recentes da CNN