Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após estupro de menina judia

    Três adolescentes foram presos após garota de 12 anos denunciar estupro em grupo enquanto era insultada com expressões antissemitas, disseram autoridades

    Emmanuel Macron em Bruxelas
    Emmanuel Macron em Bruxelas 22/3/2024 REUTERS/Yves Herman

    Tassilo Hummelda Reuters Paris

    O presidente da França, Emmanuel Macron, pediu nesta quarta-feira (19) às escolas que realizem discussões sobre racismo e antissemitismo nesta semana. Isso acontece depois que uma menina judia foi estuprada em um subúrbio de Paris aumentando o clima social tenso da França antes das eleições.

    Três adolescentes foram presos esta semana após a denúncia de uma menina de 12 anos de Courbevoie, oeste de Paris, que a polícia disse ter sido estuprada em grupo enquanto era insultada com expressões antissemitas, disse o Ministério Público de Nanterre.

    A investigação concentra em acusações de violação, ameaças de morte e agressão, entre outros crimes, com alegada motivação religiosa citada como agravantes.

    Uma grande multidão de manifestantes se reuniu em frente à prefeitura de Paris na quarta-feira (19) para condenar o antissemitismo após o estupro da menina judia em um subúrbio da capital francesa.

    Macron reagiu rapidamente ao episódio, com a França no meio de uma campanha eleitoral de três semanas depois do líder francês ter convocado eleições parlamentares antecipadas.

    O presidente francês pediu nesta quarta-feira (19) à ministra da Educação, Nicole Belloubet, “que organize uma discussão em todas as escolas sobre a luta contra o antissemitismo e o racismo, para evitar que discursos de ódio com graves consequências se infiltrem nas escolas”, disse o gabinete de Macron.

    Os opositores acusaram o Rally Nacional e o partido de extrema-esquerda França Insubmissa, dentro da aliança Frente Popular, de tolerar opiniões antissemitas nas suas fileiras, o que ambos os partidos negam.

    O líder do Rally Nacional, Jordan Bardella, disse nesta quarta-feira (19) que a França deve combater uma “atmosfera antissemita” presente no país desde o início da guerra em Gaza.

    Incidentes de antissemitismo surgiram em França desde o ataque do Hamas ao sul de Israel, em 7 de outubro, e a subsequente guerra contra o grupo militante lançada por Israel.