Mais de 1.000 crianças migrantes sob custódia dos EUA tiveram Covid-19

No total, foram 1.061 casos de Covid-19 confirmados em laboratório entre crianças migrantes desacompanhadas sob os cuidados do Estado

Migrantes da América Central retornando dos EUA para Nuevo Lauredo, no México
Migrantes da América Central retornando dos EUA para Nuevo Lauredo, no México Foto: REUTERS/Daniel Becerril

Priscilla Alvarez,

da CNN

Ouvir notícia

Mais de 1.000 crianças migrantes sob custódia do governo dos EUA tiveram teste positivo para o novo coronavírus desde março, de acordo com a agência federal encarregada de seus cuidados.

No total, foram 1.061 casos de Covid-19 confirmados em laboratório entre crianças migrantes desacompanhadas sob os cuidados do Escritório de Reassentamento de Refugiados (ORR), uma agência federal administrada pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS).

Segundo a agência, dos 1.061 casos, 943 crianças se recuperaram e foram retiradas do isolamento médico.

Atualmente, 118 crianças com resultado positivo e permanecem em isolamento, embora nenhuma tenha exigido internação.

Os números mais recentes representam um aumento em relação ao início deste ano, quando a pandemia atingiu os Estados Unidos pela primeira vez. A disseminação do coronavírus logo no início levou o Escritório de Reassentamento de Refugiados a interromper temporariamente a distribuição de crianças em estados com um alto número de casos de Covid-19.

Em uma declaração do tribunal de novembro, a diretora interina do ORR, Nicole Cubbage, sugeriu que as crianças estão sendo infectadas antes de entrarem sob custódia. Os exames médicos iniciais, feitos 48 horas após a entrada de um menor no atendimento, mostraram que os testes positivos “aumentaram significativamente nas últimas semanas”.

Leia também:
Pandemia será prioridade máxima, diz brasileira escolhida para comitê de Biden
Politizar máscaras é como politizar papel higiênico, diz médica do time de Biden
Covid-19 é principal causa de morte nos EUA nesta semana, aponta instituto

O governo Trump argumentou que as crianças deveriam ser removidas rapidamente dos Estados Unidos após serem apreendidas na fronteira sul, uma mudança da prática anterior que exigia que as crianças fossem entregues ao HHS após serem levadas sob custódia pelo Departamento de Segurança Interna (DHS).

No mês passado, um juiz federal impediu o governo de devolver crianças migrantes desacompanhadas na fronteira dos Estados Unidos com o México, sob uma ordem de saúde pública implementada em março. O governo apelou da decisão.

O HHS financia uma rede de mais de 100 abrigos onde crianças migrantes que chegaram aos Estados Unidos sem os pais ou responsáveis recebem cuidados até serem liberadas para padrinhos. Crianças que contraíram o coronavírus enquanto estavam sob cuidados do governo estavam em abrigos em Nova York, Oregon, Texas, Illinois, Pensilvânia, Michigan, Arizona, Virgínia, Califórnia e Flórida.

Existem aproximadamente 3.150 crianças atualmente sob cuidados do ORR.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN