Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Manifestantes disparam pistolas d’água contra visitantes em Barcelona

    Grupo sugere medidas para evitar fluxo alto de visitantes em um dos principais destinos turísticos da Europa

    Manifestantes disparam água contra turistas em Barcelona
    Manifestantes disparam água contra turistas em Barcelona Josep Lago/AFP/Getty Images via CNN Newsource

    Jack Guyda CNN*

    Manifestantes em Barcelona borrifaram água nos visitantes como parte de uma manifestação contra o turismo em massa. Os moradores insatisfeitos foram vistos em áreas populares entre turistas no sábado gritando “turistas vão para casa” e esguichando água nos visitantes, enquanto outros carregavam cartazes com slogans incluindo “Barcelona não está à venda”.

    Milhares de manifestantes saíram às ruas da cidade na mais recente manifestação contra o turismo em massa na Espanha, que assistiu recentemente a ações semelhantes nas Ilhas Canárias e em Maiorca, denunciando o impacto no custo de vida e na qualidade de vida da população local.

    A manifestação foi organizada por um grupo de mais de 100 organizações locais, lideradas pela Assembleia de Bairro para o Decrescimento do Turismo. Segundo dados oficiais, quase 26 milhões de visitantes pernoitaram na região de Barcelona em 2023, gastando 12,75 bilhões de euros.

    No entanto, a entidade afirma que estes visitantes aumentam os preços e pressionam os serviços públicos, enquanto os lucros da indústria do turismo são distribuídos injustamente e aumentam a desigualdade social.

    O grupo publicou 13 propostas para reduzir o número de visitantes e fazer a transição da cidade para um novo modelo de turismo, incluindo o encerramento de terminais de navios de cruzeiro, mais regulamentação do alojamento turístico e o fim dos gastos públicos na promoção turística.

    No sábado, o prefeito da cidade, Jaume Collboni, destacou uma série de medidas que anunciou recentemente para reduzir o impacto do turismo de massa, incluindo o aumento da taxa turística noturna para 4 euros e a limitação do número de passageiros de navios de cruzeiro.

    No final de junho, Collboni também anunciou que iria acabar com o aluguer de apartamentos para turistas até 2028, eliminando as licenças de alugueis de curta duração para mais de 10.000 apartamentos.

    Isto ajudaria a tornar a habitação mais acessível para os residentes de longa duração, segundo Collboni, que disse que as rendas aumentaram 68% nos últimos 10 anos, com o custo de compra de uma casa a subir 38%. No entanto, Collboni foi criticado por permitir eventos como um desfile da Louis Vuitton no Parc Güell do arquiteto Antoni Gaudí, em maio, bem como a próxima competição de vela da Copa América.

    Manifestantes jogam água em turistas em Barcelona / Lorena Sopêna/Europa Press/AP via CNN Newsource

    O crescente descontentamento em Barcelona ecoa protestos semelhantes noutras partes de Espanha.

    Em abril, os habitantes locais das Ilhas Canárias mobilizaram-se para protestar contra o turismo excessivo, culpando os visitantes por os forçarem a sair das suas casas e por causarem danos ambientais.

    Estas reclamações são comuns a muitos pontos turísticos em todo o mundo, que registaram recentemente um número recorde de visitantes, à medida que a indústria das viagens recuperava de uma recessão induzida pela pandemia.

    Esses aumentos podem ser benéficos para as economias locais e para os resultados financeiros das empresas hoteleiras, mas também apresentam desvantagens notáveis: aumento do ruído, da poluição, do tráfego e da pressão sobre os recursos; uma menor qualidade de vida para os habitantes locais; e uma experiência diminuída do visitante, entre outros.

    Não é de surpreender que muitos polos turísticos tenham criado iniciativas e restrições destinadas a combater o excesso de visitantes, incluindo taxas turísticas, campanhas destinadas a desencorajar visitantes problemáticos e limites de frequência em atrações populares.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original