Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Marinha dos EUA realiza exercício de navegação no Mar da China Meridional

    Estados Unidos desafiou as restrições impostas pela China, Vietnã e Taiwan, que exigem que navios militares peçam permissão ou avisem com antecedência "passagens inocentes" pela área

    A operação de quarta-feira do destróier de mísseis guiados USS Benfold desafiou não apenas a China, mas o Vietnã e a ilha autogovernada de Taiwan
    A operação de quarta-feira do destróier de mísseis guiados USS Benfold desafiou não apenas a China, mas o Vietnã e a ilha autogovernada de Taiwan Reprodução/U.S. Navy

    Brad Lendonda CNN

    em Seul, na Coreia do Sul

    Um destróier da Marinha dos Estados Unidos navegou perto de uma disputada cadeia de ilhas do Mar da China Meridional na quarta-feira (13), desafiando as restrições impostas pela China e outros países ao trânsito pela área.

    O tenente Nicholas Lingo, porta-voz da 7ª Frota da Marinha dos EUA com sede no Japão, disse que foi a segunda operação de liberdade de navegação nas Ilhas Paracel — conhecidas como Ilhas Xisha na China — até agora este ano, e o terceiro visando as “reivindicações marítimas excessivas” de Pequim em águas regionais durante o mesmo período.

    A operação de quarta-feira do destróier de mísseis guiados USS Benfold desafiou não apenas a China, mas o Vietnã e a ilha autogovernada de Taiwan, que também reivindica as ilhas, já que todos os três governos exigem que os navios militares peçam permissão ou avisem com antecedência “passagens inocentes” pela área, explicou Lingo.

    As Paracels são uma coleção de 130 pequenas ilhas de coral e recifes na parte noroeste do Mar da China Meridional. Eles não têm população indígena para falar sobre, apenas guarnições militares chinesas com 1.400 pessoas, de acordo com o CIA World Factbook.

    As ilhas estão nas mãos dos chineses há quase 50 anos e, durante esse período, foram povoadas com instalações militares do Exército de Libertação Popular (PLA).

    O Comando de Teatro do Sul do PLA disse que alertou o destróier dos EUA para deixar suas “águas territoriais”.

    “As ações dos militares dos EUA violaram seriamente a soberania e a segurança da China, prejudicaram seriamente a paz e a estabilidade do Mar da China Meridional e violaram seriamente a lei internacional e as normas de relações internacionais”, defendeu o coronel da Força Aérea do PLA, Tian Junli, porta-voz do Comando de Teatro do Sul, disse em um comunicado.

    Mas Lingo, o porta-voz da 7ª Frota dos EUA, aponta que a navegação do destróier dos EUA “defendeu os direitos, liberdades e usos legais do mar reconhecidos no direito internacional”.

    “Reivindicações marítimas ilegais e abrangentes no Mar da China Meridional representam uma séria ameaça à liberdade dos mares, incluindo as liberdades de navegação e sobrevoo, livre comércio e comércio desimpedido e liberdade de oportunidades econômicas para as nações litorâneas do Mar da China Meridional”, argumenta.

    “De acordo com a lei internacional, os navios de todos os estados — incluindo seus navios de guerra — gozam do direito de passagem inocente pelo mar territorial. A imposição unilateral de qualquer autorização ou exigência de notificação antecipada para passagem inocente é ilegal”, alega os EUA.

    Afirmar a liberdade de direitos de navegação envolve navegar dentro do limite territorial de 12 milhas da costa de uma nação reconhecida pelo direito internacional.

    O comunicado da Marinha dos EUA diz que a operação de quarta-feira também desafiou “linhas de base retas” — movimentos para definir todas as águas dentro da cadeia de ilhas como uma única reivindicação territorial.

    “O direito internacional não permite que os Estados continentais, como a República Popular da China, estabeleçam linhas de base em torno de grupos de ilhas dispersos inteiros. Com essas linhas de base, a RPC tentou reivindicar mais águas internas, mar territorial, zona econômica exclusiva e plataforma continental do que tem direito sob a lei internacional”, disse o comunicado da 7ª Frota.

    O PLA disse na quarta-feira que a Marinha dos EUA estava aumentando as tensões na região.

    “Os fatos mais uma vez mostram que os Estados Unidos são um ‘criador de riscos no mar da China Meridional’ e ‘disruptores da paz e estabilidade regional’.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original