‘Mariupol agora é o inferno’: sobreviventes revelam a escala da destruição na cidade

Cerca de 2.500 civis morreram na cidade, estimam as autoridades ucranianas

Vilarejo destruído em Donetsk, região onde fica localizada a cidade de Mariupol, na Ucrânia
Vilarejo destruído em Donetsk, região onde fica localizada a cidade de Mariupol, na Ucrânia Leon Klein/Anadolu Agency via Getty Images

Ivana KottasováJack GuyPaul P. Murphyda CNN

Ouvir notícia

As condições em Mariupol são “insuportáveis” e “simplesmente infernais”, disseram à CNN moradores que fugiram da cidade sitiada no sudeste da Ucrânia, quando imagens chocantes de drones e fotos de satélite surgiram mostrando a devastação total causada pelo bombardeio russo.

O conselho da cidade de Mariupol disse nesta terça-feira (15) que cerca de 2.000 carros particulares conseguiram deixar a cidade, e outros 2.000 veículos estavam estacionados na rota principal de Mariupol, nesta tarde, considerando o horário local da Ucrânia.

As partidas ocorreram apesar do contínuo fracasso em estabelecer corredores humanitários seguros para evacuar civis de Mariupol, que está sitiada desde 1º de março.

Cerca de 2.500 civis morreram na cidade, estimam as autoridades ucranianas. Aproximadamente 350 mil pessoas estão presas na região, com autoridades alertando que aqueles que permanecem estão sem eletricidade, água e aquecimento.

Duas mulheres que conseguiram fugir para a região de Zaporizhzhia, a cerca de 220 quilômetros de distância, falaram à CNN na segunda-feira sobre as condições em Mariupol e a assustadora viagem de ida.

Lidiia, que não deu seu sobrenome por questões de segurança, disse à CNN que decidiu deixar Mariupol depois que os bombardeios russos começaram a chegar mais perto de sua casa.

“Deixamos a cidade sob bombardeio – não há silêncio em Mariupol”, disse o homem de 34 anos. “Hoje conversamos com nossos vizinhos, eles disseram que a situação agora é ainda pior, então ninguém sabe se as pessoas poderão deixar Mariupol hoje”.

Ela disse que passou duas semanas em um porão com cerca de 60 outras pessoas, acrescentando que só saía ocasionalmente para pegar itens de seu apartamento.

Imagens de satélite Maxar mostram destruição de mercearias e shopping centers no oeste de Mariupol, Ucrânia / Satellite image (c) 2022 Maxar Technologies/Getty Images

Descrevendo a viagem para fora da cidade, Lidiia disse: “Paramos várias vezes e escondemos as crianças porque o avião estava voando muito baixo, bem acima de nós. Tínhamos medo de ser atacados. Mas não era mais possível ficar na cidade. Mariupol agora é um inferno.”

Svitlana, que também não deu seu sobrenome por questões de segurança, disse à CNN que deixou 17 pessoas se abrigarem em sua casa depois que suas residências foram destruídas, ela também disse que cozinhou sopa em seu jardim usando água da chuva.

“Quando a guerra começou, eu não queria ir embora. Mas quando os projéteis começaram a voar por 24 horas, ficou insuportável ficar lá”, disse o homem de 57 anos. “Meu filho ficou em Mariupol, estou muito preocupado com ele, mas ele decidiu ficar. Não consegui convencê-lo a sair.”

Falando sobre as condições em Mariupol, Svitlana disse: “Ainda há muitas pessoas na cidade. Eu disse aos meus vizinhos que é possível sair, mas eles têm medo de que tudo esteja minado”.

Ela acrescentou: “Ontem, a última mercearia da cidade foi bombardeada, eu me pergunto como as pessoas vão sobreviver agora?”
Enquanto a cidade é reduzida a uma zona de batalha, um oficial ucraniano acusou as tropas russas na terça-feira de manter pessoas em cativeiro no Hospital Regional de Terapia Intensiva de Mariupol.

Pavlo Kyrylenko, chefe da administração regional de Donetsk, disse que médicos e pacientes estão detidos contra sua vontade, acrescentando que um dos funcionários do hospital conseguiu passar informações sobre o que estava acontecendo.

“É impossível sair do hospital. Eles atiram com força, nós nos sentamos no porão. Os carros não conseguem ir para o hospital há dois dias. Os arranha-céus ao nosso redor estão queimando… Os russos correram 400 pessoas de prédios vizinhos ao nosso hospital. Não podemos sair”, disse Kyrylenko em seu canal oficial do Telegram, citando o funcionário do hospital.

Kyrylenko disse que o hospital foi “praticamente destruído” há vários dias, mas que sua equipe e pacientes ficaram no porão, onde os pacientes continuam sendo tratados.

Imagens de satélite

Imagens de satélite publicadas pela Maxar Technologies na segunda-feira revelam a extensão dos danos infligidos à cidade, incluindo o hospital e vários complexos de apartamentos.

O hospital tem um buraco nas paredes do sul e destroços podem ser vistos espalhados, enquanto os edifícios residenciais apresentam danos significativos.

Fotografias de satélite do bairro de Primorskyi, cerca de 1,6 km ao sul do hospital, mostram casas em chamas após aparentemente sofrerem ataques russos.

Imagens de drones que também surgiram na segunda-feira mostram um complexo de apartamentos destruído e espessas nuvens de fumaça subindo sobre o oeste da cidade.

O vídeo foi postado no Telegram pelo Batalhão Azov, uma milícia ultranacionalista que desde então foi integrada às forças armadas ucranianas. A CNN geolocalizou e verificou a autenticidade do vídeo.

Criança retirada de região de Mariupol aguarda em abrigo na província de Donetsk, no leste da Ucrânia / Leon Klein/Anadolu Agency via Getty Images

Corredores humanitários

Várias tentativas oficiais de estabelecer corredores seguros e evacuar civis de Mariupol falharam nos últimos dias. Um grande comboio de ajuda humanitária que deveria chegar no domingo ainda não chegou à cidade, segundo autoridades.

Alguns recorreram ao derretimento da neve e ao desmantelamento de sistemas de aquecimento para obter água potável, disse Petro Andriushchenko, assessor do prefeito da cidade, na televisão ucraniana nesta segunda-feira.

“A maioria das pessoas está nos porões e abrigos em condições desumanas. Sem comida, sem água, sem eletricidade, sem aquecimento”, disse Andriushchenko.

Na segunda-feira (14), Oleksiy Arestovych, um conselheiro do gabinete do presidente Volodymyr Zelensky, disse que o bombardeio de Mariupol causou mais de 2.500 mortes.

A CNN não pôde verificar a veracidade nesse número de vítimas.

Também na segunda-feira, Zelensky acusou a Rússia de cometer crimes de guerra em seus ataques à cidade e outras partes do país.

“A responsabilidade por crimes de guerra dos militares russos é inevitável. A responsabilidade por uma catástrofe humanitária deliberada nas cidades ucranianas é inevitável”, disse ele. “O mundo inteiro vê o que está acontecendo em Mariupol.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN