Médico do Imperial College fala sobre o primeiro dia de vacinação no Reino Unido

Ricardo Petraco, cardiologista do Imperial College, disse que o processo de vacinação em massa terá problemas, mas que o início da imunização é boa notícia

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

O mundo acompanha atentamente o Reino Unido, que iniciou nesta terça-feira (8) a vacinação em massa contra a Covid-19 com as vacinas da Pfizer. A CNN entrevistou Ricardo Petraco, cardiologista do Imperial College, que explicou o início do processo via National Health Service (NHS), o equivalente ao SUS do Reino Unido.

“O sistema aqui está acostumado a vacinar algumas milhares de crianças e agora terá que vacinar 20 milhões de adultos. Não podemos subestimar o tamanho da tarefa, mas temos que nos orgulhar de um sistema de saúde que consiga vacinar em larga escala.”

Leia também

Última fase dos testes clínicos da vacina de Oxford tem eficácia média de 70,4%

Não pode haver disputa entre estados brasileiros pela vacina, diz Barbalho

Turquia pode iniciar vacinação com Coronavac ainda neste mês

Petraco também falou sobre os movimentos antivacinas. O médico minimizou a questão e disse que a vacinação não é apenas uma questão pessoal, mas coletiva.

“Sempre existiu parcela pequena da população contra a vacina. Vão existir pessoas com medo, mas a grande maioria da população educada e informada vai acabar se convencendo de tomar a vacina, porque existe componente coletivo da decisão, que é proteger os vulneráveis que tem risco de morte pelo vírus.”

William Shakespeare, de 80 anos, foi o segundo a ser vacinado contra a Covid-19
William Shakespeare, de 80 anos, foi o segundo a ser vacinado contra a Covid-19 no Reino Unido
Foto: CNN Brasil (8.dez.2020)

(Publicado por Sinara Peixoto)
 

Mais Recentes da CNN