Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Médicos americanos presos em Gaza pedem ajuda ao governo dos EUA

    Pelo menos 22 médicos americanos estão presos em Gaza depois que uma ofensiva militar israelense em Rafah fechou a importante passagem de fronteira da cidade com o Egito

    Palestinos inspecionam local de ataque israelense a uma casa em Rafah, no sul da Faixa de Gaza
    Palestinos inspecionam local de ataque israelense a uma casa em Rafah, no sul da Faixa de Gaza 07/05/2024REUTERS/Hatem Khaled

    Jeremy DiamondMuhammad Darwishda CNN

    A Dra. Ahlia Kattan já deveria estar de volta à Califórnia com seus três filhos pequenos.

    Em vez disso, ela passa dias e noites no Hospital Europeu de Gaza, nos arredores de Rafah.

    Kattan, anestesista e especialista em cuidados intensivos, é uma entre os pelo menos 22 médicos americanos presos em Gaza depois que uma ofensiva militar israelense em Rafah fechou a importante passagem de fronteira da cidade com o Egito. Rafah tinha, até então, servido como único ponto de entrada e saída para trabalhadores humanitários estrangeiros que entravam e saíam de Gaza.

    “Meus filhos já me enviaram mensagens de texto hoje dizendo: você disse na terça-feira que voltaria para casa”, disse Kattan à CNN. “A OMS (Organização Mundial da Saúde) está tentando negociar uma saída segura para nós. Mas isso não está acontecendo.”

    A passagem foi fechada desde que os militares israelenses tomaram a região no início da semana passada. Até agora, as autoridades israelenses e egípcias não conseguiram chegar a um acordo sobre a sua reabertura. Em vez disso, trocam acusações pela culpa do encerramento contínuo da porta de entrada. Entretanto, dezenas de médicos estrangeiros estão presos em Gaza, enquanto outros não conseguem entrar à medida que as condições humanitárias pioram dentro do enclave sitiado.

    A FAJR Scientific, a organização sem fins lucrativos sediada nos Estados Unidos que trouxe Kattan e 16 outros médicos para Gaza, apela agora ao governo dos Estados Unidos para ajudar a coordenar a saída segura da equipe de Gaza. Eles deveriam partir na segunda-feira (13).

    “Peço ao governo dos EUA que intervenha e coordene com a OMS para proteger os cidadãos dos EUA presos numa zona de guerra e trazê-los para casa o mais rápido possível”, disse Mosab Nasser, o chefe executivo da organização, que também está em Gaza.

    Pelo menos um membro da equipe precisa sair da região por motivos médicos. Os 17 médicos incluem 12 cidadãos americanos, três cidadãos do Reino Unido, um omanense e um egípcio.

    Kattan e o seu marido, que também é anestesista, chegaram a Gaza há mais de duas semanas, motivados pela impotência que sentiram quando viram o sofrimento em Gaza pela televisão sabendo que podiam ajudar.

    “Sabíamos que eram necessários anestesistas para os civis daqui, as mulheres e as crianças. E sabíamos que tínhamos algo que poderíamos oferecer”, disse Kattan.

    A equipe científica da FAJR gravou diários em vídeo de suas experiências e das condições que enfrentam dentro do Hospital Europeu exclusivamente para a CNN.

    Em um vídeo, Laura Swoboda, enfermeira e especialista em feridas de Wisconsin, descreve o zumbido dos drones no alto. “Mesmo nos momentos em que nos sentimos seguros, a guerra continua e existe a possibilidade da violência recomeçar”, diz ela.

    As condições perigosas não se encontram apenas fora do hospital.

    “Não sabíamos como está a situação aqui. Não havia sabão para lavar as mãos entre feridas infectadas com vermes. Não havia lenços desinfetantes para limpar as mesas depois de cada paciente”, disse Swoboda à CNN.

    “As pessoas estavam chegando, pessoa depois de pessoa, depois de pessoa. Acabou a gaze para limpar as feridas. “Estamos sem curativos avançados, passamos por todos os nossos produtos de limpeza, estamos usando tudo o que podemos encontrar neste momento.”

    “É assim a limpeza em Gaza”, diz Kattan num vídeo que mostra o estado de uma sala de operações, com um macacão de plástico esticado em cima da mesa de operações.

    Antes de uma operação para revisar as amputações de um quádruplo amputado, Kattan detalha a falta de anestésicos. Pegando um único frasco de Propofol, ela descreve como os médicos conseguiram trazê-lo dos EUA.

    A FAJR Scientific opera sob a proteção da OMS que, de acordo com a FAJR Scientific, tem tentado coordenar uma saída.

    Pelo menos uma outra missão médica internacional está atualmente no Hospital Europeu, organizada pela Associação Médica Americana Palestina. Dos 19 membros da equipe médica do PAMA, 10 são cidadãos norte-americanos.

    Todos os voluntários da missão científica da FAJR conheciam os riscos envolvidos em viajar para uma zona de guerra, disse Kattan, mas ficar preso em Gaza não era um cenário que tinham imaginado.

    Agora, ela está dividida entre o desejo de voltar para casa e para os seus filhos e a culpa que sente por tentar deixar Gaza numa altura em que os militares israelenses podem expandir a sua ofensiva e a necessidade de médicos deverá aumentar.

    “É só sentir falta dos meus filhos e acordar de manhã e perceber que eles não estão perto de mim. Mas a parte mais difícil é saber que eventualmente irei embora. E eu posso ir para casa e estar segura. E eu sei que meus filhos estão seguros”, disse ela. “E desenvolvi muitos amigos aqui que têm a mesma idade que eu, têm filhos da minha idade e não têm essa segurança e essas necessidades básicas.”

    Depois de mais de duas semanas testemunhando a enorme pressão sobre um dos últimos hospitais ainda em funcionamento no sul de Gaza, Kattan acrescentou que ela e os seus colegas só querem deixar Gaza se puderem ser substituídos por outros médicos.

    “Somos mães e pais que querem estar em casa com as suas famílias, e filhos e filhas, somos médicos aqui, e temos colegas e não podemos abandoná-los”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original