Milícia encontra 40 corpos na selva de Mianmar após repressão militar, diz ONU

Desde que os militares derrubaram o governo eleito de Aung San Suu Kyi em fevereiro, centenas de pessoas foram mortas enquanto o exército reprimia protestos

Manifestante segura arma caseira feita com canos durante protesto contra golpe militar em Mianmar
Manifestante segura arma caseira feita com canos durante protesto contra golpe militar em Mianmar Foto: Stringer/Reuters (3.abr.2021)

Da Reuters

Ouvir notícia

Uma milícia de Mianmar que luta contra o exército em uma parte central do país e residentes encontraram pelo menos 40 corpos em áreas de selva nas últimas semanas, incluindo alguns com sinais de tortura, disse um membro da milícia e enviado da Organização das Nações Unidas à Mianmar.

Desde que os militares derrubaram o governo eleito de Aung San Suu Kyi em fevereiro, centenas de pessoas foram mortas enquanto o exército reprimia protestos violentamente e em confrontos entre soldados e muitas vezes montadas às pressas, milícias locais levemente armadas.

Os corpos foram encontrados em vários locais diferentes ao redor de Kani, uma cidade na área de Sagaing, que viu combates ferozes nos últimos meses entre o exército e os grupos de milícias criados por oponentes do regime militar.

A Reuters não pôde verificar as alegações de forma independente e um porta-voz dos militares não respondeu às ligações pedindo respostas.

Em uma carta ao secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, o enviado da ONU em Mianmar Kyaw Moe Tun – que representa o governo civil eleito – disse que um total de 40 corpos foram encontrados e descreveu três incidentes diferentes durante o mês de julho em Kani.

Kyaw Moe Tun descreveu os incidentes como “claramente constituindo crimes contra a humanidade”, conclamando o Conselho de Segurança da ONU e a comunidade internacional a impor um embargo global de armas aos militares de Mianmar.

“Não há sinal de amenizar atrocidades, mortes e prisões cometidas pelos militares”, escreveu ele. “Exigimos uma intervenção humanitária urgente da comunidade internacional antes que seja tarde demais”.

Os combates principalmente na área de Sagaing pararam agora e não estava claro se mais corpos foram encontrados, disse um membro da milícia Kani, que pediu para não ser identificado.

“A maioria dos moradores da área remota fugiu para uma cidade próxima”, disse ele, acusando os militares e uma milícia pró-junta de realizarem represálias e saques.

O miliciano também estima o número total de corpos em torno de 40 até o momento, encontrados em diversas ocasiões.

Um boletim informativo militar datado de 30 de julho disse que as forças de segurança foram atacadas por cerca de 100 “terroristas” com armas pequenas perto da aldeia Zeepindwin em Kani. Segundo o relatório, os soldados retaliaram e nove corpos foram resgatados, junto com rifles de caça, minas caseiras e uma granada.

As forças de segurança mataram pelo menos 946 pessoas desde o golpe, de acordo com a Associação de Assistência a Prisioneiros Políticos, um grupo ativista baseado na Tailândia. Os militares contestaram a contagem e também disseram que muitos membros das forças de segurança foram mortos. 

Tópicos

Mais Recentes da CNN