Ministro da Defesa do Japão diz que pode intensificar disputa de ilhas com China

Em entrevista exclusiva à CNN, Nobuo Kishi diz que ilhas Senkaku são 'inquestionavelmente território japonês' e que serão defendidas como tal

O ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi, em entrevista exclusiva à CNN Internacional
O ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi, em entrevista exclusiva à CNN Internacional Reprodução / CNN Internacional

Brad LendonBlake Essigda CNN

Ouvir notícia

O Japão está traçando uma linha vermelha em torno de um arquipélago que também é reivindicado pela China, resistindo à postura militar cada vez mais agressiva de Pequim e preparando o cenário para um confronto potencial entre as duas maiores potências da região.

Em uma entrevista exclusiva à CNN, o ministro da Defesa japonês, Nobuo Kishi, disse que as ilhas Senkaku, conhecidas como as ilhas Diaoyu na China, são inquestionavelmente território japonês e seriam defendidas como tal.

O Japão tem expandido suas Forças de Autodefesa, acrescentando caças F-35 de última geração e convertendo navios de guerra em porta-aviões.

O país também está construindo novos destroieres, submarinos e mísseis, ao mesmo tempo em que observa que seus gastos militares ainda são pequenos em comparação com o aumento dos gastos militares da China.

“Contra a ação chinesa nas ilhas Senkaku e em outras partes do Mar da China Oriental, temos que demonstrar que o governo do Japão está defendendo resolutamente nosso território com o maior número de navios da guarda costeira japonesa do que a China”, disse Kishi.

“Não há disputa territorial relacionada às Ilhas Senkaku entre o Japão e outros países”, acrescentou.

As tensões sobre a cadeia rochosa desabitada – localizada a cerca de 1.900 quilômetros a sudoeste de Tóquio, mas apenas um terço dessa distância de Xangai – fervilharam por anos, e as reivindicações sobre elas datam de séculos.

Quando as tensões aumentaram nas ilhas em 2012, gerou-se uma onda de sentimento nacionalista na China.
Protestos públicos estouraram em dezenas de cidades chinesas, com carros de marca japonesa destruídos, lojas e restaurantes japoneses vandalizados e destroços arremessados ​​contra a embaixada japonesa em Pequim.

No nível governamental, a China tem sido tão estridente quanto Kishi ao reivindicar a cadeia de ilhas.

“A Ilha Diaoyu e suas ilhas afiliadas são uma parte inerente do território da China e é nosso direito inerente realizar patrulhas e atividades de aplicação da lei nessas águas”, disse o Ministério das Relações Exteriores da China em um comunicado no ano passado.

A China tem apoiado suas reivindicações na região com seus navios e estabelecendo novas leis que dão à sua guarda costeira maiores poderes.

Marinha britânica faz treinamento no Oceano Pacífico com apoio do Japão / Royal Navy / Twitter

De acordo com as autoridades japonesas, os navios da Guarda Costeira chinesa se aventuraram em águas territoriais japonesas – ou dentro de 12 milhas náuticas de terras japonesas – um total de 88 vezes entre 1º de janeiro e o final de agosto deste ano. Enquanto na zona contígua, que são as águas entre as ilhas, mas não dentro da costa, foram registradas 851 incursões chinesas.

Especialistas dizem que a estratégia da China é colocar suas forças em locais dentro e ao redor das áreas contestadas e exercer a lei e autoridade de Pequim sobre elas.

“O exercício dos direitos dos estados costeiros é um passo importante para corroborar a soberania por meio da prática”, disse Alessio Patalano, professor de estratégia de guerra do King’s College, em Londres.

“Existem ações que continuam a desafiar uma parte integrante do território soberano do Japão. Essas ações estão tornando-o um fato consumado”, disse ele.

Esse território japonês “integral” se estende ainda mais perto de outro possível ponto de ignição na relação Japão-China. E Kishi percebeu.

A importância de Taiwan para o Japão

A ilha mais ocidental do Japão está no final de uma série de possessões japonesas paralelas à costa chinesa e se estendendo ao sul por cerca de 1.125 quilômetros da ilha principal de Kyushu, através do centro militar de Okinawa e da ilha de Ishigaki, até a pequena ilha de Yonaguni.

Com seus 11 milhas quadradas de rocha e população de menos de 2 mil pessoas, Yonaguni fica a apenas 110 quilômetros de Taiwan – a ilha democraticamente governada sobre a qual Pequim reivindica soberania.

Taiwan e a China continental são governadas separadamente desde o fim da guerra civil – há mais de sete décadas.

No entanto, Pequim continua a ver Taiwan como uma parte inseparável de seu território, embora o Partido Comunista Chinês nunca o tenha governado.

A China tem intensificado sua pressão militar sobre Taiwan. Em junho, enviou mais de duas dúzias de aviões de guerra para perto da ilha, levando Taiwan a alertar suas defesas aéreas.

Xi Jinping não descarta uso da força

O líder chinês Xi Jinping disse que Taiwan deve ser colocado sob o controle de Pequim e não descartou o uso da força para que isso aconteça.

Kishi diz que as ameaças mantém Tóquio em constante estado de vigilância.

Quando Tóquio lançou seu relatório anual de Defesa em julho, ele continha expressões mais fortes sobre Taiwan, dizendo que “estabilizar a situação em torno de Taiwan é importante para a segurança do Japão”.

Na época, Kishi disse que o assunto deveria ser monitorado com “uma sensação de crise”. Em sua entrevista à CNN, ele deu mais detalhes.

“O que está acontecendo em Taiwan está diretamente ligado ao Japão”, disse, observando que a ilha está montada na “tábua de salvação” de seu país.

“Noventa por cento da energia que o Japão usa é importada através das áreas ao redor de Taiwan”, disse Kishi.

Esta é uma vulnerabilidade que Tóquio precisa mitigar.

O presidente da China, Xi Jinping
O presidente da China, Xi Jinping / Foto: Reprodução/CNN Brasil (22.abr.2021)

“O que pode acontecer em Taiwan pode ser um problema para o Japão e, nesse caso, o Japão terá que dar a resposta necessária a essa situação”, disse Kishi, enfatizando que a tensão deve ser dissipada por meio do diálogo – não da violência.

Mas Tóquio não está apenas usando palavras para respaldar suas afirmações. Também está reforçando suas defesas militares, colocando mísseis e tropas em Yonaguni e planejando fazer o mesmo com a vizinha Ishigaki em um futuro próximo.

“Isso é para demonstrar nossa forte vontade de defender nossa área sudoeste do território japonês”, disse Kishi.
Nesse sentido, Tóquio tem um aliado importante, os Estados Unidos.

Tóquio e Washington compartilham um tratado de defesa mútua, o que significa que os EUA são obrigados a defender o território japonês.

O presidente dos EUA, Joe Biden, reafirmou esse compromisso com a segurança logo após sua posse em janeiro, com uma declaração da Casa Branca mencionando especificamente os Senkakus.

Kishi disse que a aliança está sendo fortalecida, e ao comentar sobre a situação de Senkakus e relatou que Washington deu as costas para Tóquio.

“Continuaremos a realizar treinamento bilateral com os EUA e treinamento multilateral com outros parceiros para fortalecer nossa postura e contribuir para a paz e estabilidade desta região”, disse ele, observando que exercícios navais foram realizados ou programados com parceiros, incluindo a França, o Reino Unido e a Alemanha.

Enquanto alinha parceiros, o Japão também está melhorando seu próprio arsenal, incluindo o desenvolvimento e aquisição de sistemas de armas que podem atacar áreas bem além do território japonês.

Sem dizer quais áreas estes sistemas de longo alcance podem visar, o ministro da Defesa japonês disse que é importante para os militares do país ter o equipamento certo para defendê-lo de qualquer ameaça.

Eric Cheung, Emiko Jozuka e Junko Ogura, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN