Ministro da era Franco é indiciado por assassinato na Espanha

Decisão é da juíza argentina, Maria Servini

Se os problemas de oferta se mantiverem, alguns setores industriais da Espanha podem ser mais afetados, diz Banco
Se os problemas de oferta se mantiverem, alguns setores industriais da Espanha podem ser mais afetados, diz Banco Unsplash/Daniel Prado

Graham Keeley e Jorge Otaola

Por Graham Keeley e Jorge Otaola, da Reuters

Ouvir notícia

Uma juíza argentina encarregada por casos da era da ditadura de Franco na Espanha indiciou um ex-ministro espanhol sob quatro acusações de assassinato, segundo documentos do tribunal vistos pela Reuters neste sábado.

A juíza Maria Servini, que fica em Buenos Aires, emitiu a decisão contra Rodolfo Martin Villa, 87, ministro do Interior da Espanha entre 1976 e 1979.

A juíza escreveu que considerou Martin Villa “criminalmente responsável por homicídio em pelo menos quatro ocasiões, nas quais Pedro María Martínez Ocio, Romualdo Barroso Chaparro, Francisco Aznar Clemente e Germán Rodríguez Saíz foram vítimas”.

Martin Villa afirmou ao jornal espanhol ABC: “Eu estou tranquilo. Vou apelar.”

A Espanha aprovou uma lei de anistia em 1977 que perdoou crimes cometidos pela ditadura de 36 anos de Franco. Centenas de espanhois então tentam reverter isso recorrendo à justiça argentina, sob o princípio da justiça universal.

Servini escreveu que Martin Villa teve papel fundamental na estrutura repressiva da ditadura, que continuou nos anos imediatamente posteriores à morte de Franco em 1975.

A juíza ordenou a prisão de Martin Villa, que vive em Madri, mas afirmou que isso provavelmente não vai acontecer.

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN