Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mistério do sumiço do voo MH370 da Malaysia Airlines completa 10 anos sem solução; veja o que se sabe

    Boeing 777 desapareceu com 239 pessoas a bordo no caminho de Kuala Lumpur para Pequim; última transmissão do avião ocorreu cerca de 40 minutos depois da decolagem

    Da Reuters

    O desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, considerado um dos maiores mistérios da aviação do mundo, completa 10 anos nesta sexta-feira (8).

    O Boeing 777 desapareceu no caminho de Kuala Lumpur para Pequim em 8 de março de 2014.

    A análise de dados de satélite mostrou que o avião provavelmente caiu em algum lugar no sul do Oceano Índico, na costa oeste da Austrália.

    No entanto, duas principais investigações não conseguiram encontrar resultados significativos.

    Aqui estão alguns detalhes da busca pelo MH370 e o mistério não resolvido do que aconteceu.

    O que se sabe

    A última transmissão do avião ocorreu cerca de 40 minutos depois de ele decolar de Kuala Lumpur, a capital da Malásia, com destino a Pequim, na China.

    O capitão Zaharie Ahmad Shah assinalou: “Boa noite, Malásia 370”, quando o avião entrou no espaço aéreo vietnamita.

    Pouco depois, seu transponder foi desligado, o que significava que não poderia ser facilmente rastreado.

    Radares militares mostraram que o avião abandonou sua rota de voo para voar de volta sobre o norte da Malásia e a ilha de Penang, e depois para o Mar de Andamão em direção à ponta da ilha indonésia de Sumatra.

    Mapa da região da Malásia, com a ilha de Sumatra à esquerda e o Mar de Andamão.
    Mapa da região da Malásia, com a ilha de Sumatra à esquerda e o Mar de Andamão. / Reprodução

    Em seguida, virou para o sul e todo o contato foi perdido.

    Pesquisas submarinas

    Autoridades da Malásia, Austrália e China lançaram uma busca subaquática numa área de 120.000 km² no sul do Oceano Índico, com base em dados de conexões automáticas entre um satélite Inmarsat e o avião.

    A busca, que custou cerca de 200 milhões de dólares australianos (R$ 655 milhões), foi cancelada depois de anos, em janeiro de 2017, sem que nenhum vestígio do avião fosse encontrado.

    Em 2018, a Malásia aceitou uma oferta “no cure, no pay” da empresa de exploração norte-americana Ocean Infinity para uma busca de três meses, o que significa que a empresa só seria paga se encontrasse o avião.

    Essa busca cobriu 112.000 km² a norte da área alvo original e também se revelou infrutífera, terminando em maio de 2018.

    Destroços

    Mais de 30 pedaços de supostos destroços de aeronaves foram coletados ao longo da costa da África e em ilhas do Oceano Índico, mas apenas três fragmentos de asa foram confirmados como sendo do MH370.

    A maioria dos destroços foi usada na análise de padrões de deriva na esperança de restringir a possível área em que a aeronave está localizada.

    Relatório de investigação

    Um relatório de 495 páginas sobre o desaparecimento do MH370, publicado em julho de 2018, disse que os controles do Boeing 777 foram provavelmente manipulados deliberadamente para desviá-lo do curso, mas os investigadores não conseguiram determinar quem foi o responsável.

    O relatório também destacou erros cometidos pelos centros de controle de tráfego aéreo de Kuala Lumpur e Ho Chi Minh City e emitiu recomendações para evitar a repetição de incidentes.

    Os investigadores não chegaram a oferecer quaisquer conclusões sobre o que aconteceu ao MH370, dizendo que isso dependia da localização dos destroços do avião.

    Teorias da conspiração

    A incapacidade de localizar o local do acidente do MH370 alimentou inúmeras teorias da conspiração, que vão desde erro mecânico ou um acidente controlado remotamente, até explicações mais bizarras, como abdução alienígena e uma conspiração russa.

    Nos últimos anos, alguns especialistas em aviação disseram que a explicação mais provável é que o avião foi deliberadamente desviado do curso por um piloto experiente.

    Os investigadores, no entanto, disseram que não havia nada de suspeito nos antecedentes, assuntos financeiros, treinamento e saúde mental do capitão e do copiloto.

    Novas buscas?

    O primeiro-ministro da Malásia, Anwar Ibrahim, disse nesta semana que o governo está disposto a reabrir uma investigação sobre o desaparecimento do MH370, se houver um caso convincente para fazê-lo.

    O ministro dos Transportes, Anthony Loke, disse que a empresa norte-americana de exploração do fundo marinho Ocean Infinity foi convidada para discutir uma nova proposta de pesquisa.

    Loke disse que a Malásia conversará com a Austrália sobre a cooperação na retomada da busca assim que a proposta da Ocean Infinity for aprovada pelo gabinete da Malásia .