Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Morre Terry Anderson, jornalista americano que foi refém no Líbano durante 7 anos

    Anderson morreu no domingo (21) em sua casa em Greenwood Lake, Nova York, segundo a filha

    Terry Anderson, jornalista norte-americano mantido refém no Líbano, morre aos 76 anos
    Terry Anderson, jornalista norte-americano mantido refém no Líbano, morre aos 76 anos Reuters

    Melissa Alonsoda CNN

    Terry Anderson, o ex-correspondente da Associated Press no Oriente Médio que foi sequestrado em 1985 e mantido em cativeiro por quase sete anos no Líbano, morreu aos 76 anos, disse sua filha à CNN.

    Anderson morreu no domingo em sua casa em Greenwood Lake, Nova York, segundo sua filha, Sulome Anderson.

    “Embora a vida do meu pai tenha sido marcada por sofrimento extremo durante o tempo em que foi refém no cativeiro, ele encontrou uma paz tranquila e confortável nos últimos anos”, disse ela em comunicado à CNN.

    A causa da morte era desconhecida, embora sua filha tenha dito à AP que ele passou recentemente por uma cirurgia cardíaca.

    O jornalista da AP trabalhou em Kentucky, Tóquio, África do Sul e, finalmente, no Líbano, depois de ter se voluntariado para ir para lá em 1982, após a invasão de Israel, como principal correspondente da agência de notícias no Oriente Médio.

    Anderson cobriu a guerra civil do Líbano para a AP durante três anos antes de sua captura em 1985. Ele foi libertado em 1991, quando a guerra civil de 16 anos terminou.

    A autobiografia de Anderson, “Den of Lions”, narrou seu tempo em cativeiro.

    “Você sente muito, sente muito por sua família, sento muito por ter sido burro o suficiente para ser capturado”, disse Anderson à CNN uma vez sobre sua captura. “Sempre há uma certa culpa, mesmo que seja irracional, ela existe de qualquer maneira. Então, você só precisa ir de hora em hora”, disse ele.

    “Sei que ele escolheria ser lembrado não pela sua pior experiência, mas pelo seu trabalho humanitário com o Fundo para as Crianças do Vietnã, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas, veteranos sem-abrigo e muitas outras causas incríveis”, disse a sua filha.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original