Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mortos no ataque a vila em Mianmar chegam a 165, informam fontes 

    Junta militar que controla o país confirma que realizou o ataque, mas alega que ação foi realizada para “combater terroristas” 

    Mídia local e entidades anti-junta divulgam imagens da destruição
    Mídia local e entidades anti-junta divulgam imagens da destruição Kyunhla Activists Group/AP

    Helen ReganSandi SidhuSalai TZAnna Corenda CNN

    Um balanço atualizado aponta que ao menos 165 pessoas, incluindo 27 mulheres e 19 crianças, foram mortas depois que a junta militar de Mianmar bombardeou o município de Kanbalu, na região central de Sagaing, na terça-feira (11), escreveu no Twitter o ministro dos direitos humanos do governo de Unidade Nacional de sombra deposto, Aung Myo Min, antes de confirmar o fato.

    Outras 30 pessoas ficaram feridas, 20 das quais permanecem em estado grave, incluindo uma mulher grávida e uma criança de oito anos. Dos que morreram, 158 corpos foram cremados, Aung Myo Min acrescentou em seus comentários à CNN.

    A junta militar que governa o país há dois anos, desde um golpe de estado contra a então presidente Aung San Suu Kyi, confirmou a autoria do ataque, mas afirmou que a ação foi realizada para “combate a terroristas”.

    Parentes das vítimas ainda estavam recuperando os corpos e membros carbonizados das vítimas. Este foi um dos ataques mais mortais desde que a junta militar tomou o poder.

    Uma testemunha ocular, que se escondeu em um túnel durante o ataque, descreveu uma cena de horror ao se aproximar do local do ataque aéreo militar – de crianças morrendo, mulheres gritando e corpos amontoados no chão.

    Os socorristas e as equipes médicas não conseguiram retornar ao local do ataque porque os aviões militares continuaram sobrevoando a cidade, embora não tenha havido mais ataques, disse Aung Myo Min anteriormente.

    O ataque

    Cerca de 300 pessoas se reuniram na vila de Pazigyi na manhã de terça-feira para comemorar a abertura de um escritório da administração local, disse uma testemunha ocular à CNN sob condição de anonimato porque teme represálias. Famílias viajaram de aldeias próximas para o evento, onde chá e comida foram oferecidos e que coincidiu com o início das comemorações do Ano Novo Thingyan.

    Como grande parte de Sagaing, a área não está sob o controle da junta militar. A nova prefeitura estava sendo inaugurada sob a autoridade do governo paralelo de Unidade Nacional (NUG), para o povo, como parte da resistência anti-junta.

    “Não tivemos nenhum aviso”, disse a testemunha ocular. “A maioria dos aldeões estava dentro do evento, então eles não notaram o jato.”

    Pouco antes das 8h, um avião da junta militar bombardeou o vilarejo onde a cerimônia estava sendo realizada, relataram a testemunha ocular e a mídia local. Um helicóptero Mi35 circulou e atirou na vila minutos depois, disse a testemunha ocular à CNN.

    “Quando cheguei ao local, tentamos procurar pessoas ainda vivas”, disse ele. “Tudo foi terrível. As pessoas estavam morrendo (enquanto eram transportadas) em motocicletas. Crianças e mulheres. Alguns perderam a cabeça, membros, mãos. Eu vi carne na estrada.”

    A testemunha ocular disse que viu dezenas de corpos após o ataque, incluindo crianças de cinco anos. Ele disse que perdeu quatro membros da família na greve, e uma criança de sua aldeia estava entre os mortos. “Vi muitas pessoas entrando em cena para procurar seus filhos, chorando e gritando”, disse.

    Ataque ocorreu na região central de Mianmar / Google Maps/Reprodução

    Por volta das 17h30. os jatos da junta voltaram e atiraram no mesmo lugar que haviam bombardeado naquela manhã, disse ele.

    A CNN não pode verificar o incidente de forma independente, mas o relato da testemunha ocular corresponde aos relatos da mídia local e do NUG.

    Vídeos e imagens do rescaldo, mostrados à CNN por testemunhas e um grupo de ativistas local, também mostram corpos, alguns queimados e em pedaços, bem como prédios, veículos e escombros destruídos.

    Resposta da Junta

    O porta-voz da junta de Mianmar, major-general Zaw Min Tun, confirmou o ataque aéreo na vila de Pazigyi e disse que se houve vítimas civis foi porque eles foram forçados a ajudar “terroristas”.

    A junta designou o NUG e os grupos de resistência conhecidos como Força de Defesa do Povo no país como terroristas.

    “Às 8 da manhã…. NUG (Governo de Unidade Nacional) e PDF (Força de Defesa do Povo) realizaram uma cerimônia de abertura do escritório da administração pública na vila de Pazigyi”, disse Zaw Min Tun no canal de TV militar Myawaddy.

    “Tínhamos lançado o ataque contra eles. Fomos informados de que PDF foram mortos naquele evento sob o ataque. Eles estão se opondo ao nosso governo”.

    O ataque foi condenado internacionalmente, com um alto funcionário da ONU dizendo que a indiferença global à situação em Mianmar contribuiu para o ataque.

    “Os ataques militares de Mianmar contra pessoas inocentes, incluindo o ataque aéreo de hoje em Sagaing, são possibilitados pela indiferença mundial e por aqueles que fornecem armas a eles”, disse Tom Andrews, relator especial das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos em Mianmar.

    “Quantas crianças de Mianmar precisam morrer antes que os líderes mundiais tomem uma ação forte e coordenada para impedir essa carnificina?”

    O Departamento de Estado dos EUA disse estar “profundamente preocupado” com os ataques aéreos e pediu ao regime que “cesse a terrível violência”.

    “Esses ataques violentos reforçam ainda mais o desrespeito do regime pela vida humana e sua responsabilidade pela terrível crise política e humanitária na Birmânia após o golpe de fevereiro de 2021”, afirmou, usando antigo nome colonial de Mianmar.

    Aung San Suu Kyi, ex-presidente e Nobel da Paz, foi deposta há dois anos / REUTERS/Ann Wang

    Dois anos de junta no poder

    Faz pouco mais de dois anos que os militares tomaram o poder, derrubando o governo eleito democraticamente e prendendo sua líder Aung San Suu Kyi. Para esmagar a resistência, a junta realiza regularmente ataques aéreos e terrestres contra o que chama de alvos “terroristas”.

    Os ataques mataram civis, incluindo crianças, e atingiram escolas, clínicas, hospitais e outras infraestruturas civis. Aldeias inteiras foram incendiadas por soldados da junta e milhares de pessoas foram deslocadas nos ataques, de acordo com grupos de monitoramento locais.

    Batalhas entre militares e grupos de resistência acontecem diariamente em Mianmar. Esses grupos rebeldes, alguns dos quais se aliaram a algumas das milícias étnicas estabelecidas há muito tempo no país, controlam efetivamente partes do país fora do alcance da junta.

    Grupos de resistência e organizações humanitárias acusaram repetidamente os militares de Mianmar de realizar assassinatos em massa, ataques aéreos e crimes de guerra contra civis nas regiões onde os combates ocorreram, acusações que a junta nega repetidamente – apesar de um crescente corpo de evidências.

    “Eles estão perdendo o controle do país. Eles estão perdendo terreno. As coisas estão muito mais instáveis no terreno do que nunca”, disse Andrews, da ONU, à CNN na quarta-feira. “Como resultado disso, eles estão usando o poder aéreo cada vez mais e, claro, enquanto o fazem, mais e mais civis estão sendo mortos.”

    Na segunda-feira, ataques aéreos da junta atingiram uma cidade no município de Falam, no estado de Chin, matando nove pessoas quando bombas caíram sobre uma escola, de acordo com a mídia local Myanmar Now e The Irrawaddy.

    Na semana passada, 8 mil refugiados no sul do estado de Karen fugiram pela fronteira para a Tailândia, escapando dos combates no município de Myawaddy, de acordo com um comunicado do departamento de relações públicas do escritório provincial de Tak da Tailândia, publicado no Facebook.

    Em março, pelo menos 22 pessoas, incluindo três monges, foram mortas em um mosteiro no sul do estado de Shan. E um ataque aéreo militar em uma escola em Sagaing em setembro matou pelo menos 13 pessoas, incluindo sete crianças.

    A testemunha ocular do ataque de terça-feira disse que “a situação em Mianmar está pior agora”. “As pessoas estão morrendo como cachorros ou vacas. Não temos armas para comparar com as que os militares têm. Precisamos da ajuda da comunidade internacional”, afirmou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original