Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Movimento de forças russas não confirma retirada de fronteira da Ucrânia, diz Otan

    Representante da organização, Jens Stoltenberg, disse que soldados e tanques têm o costume de se movimentar; Kremlin afirma que organização está errada

    Robin Emmott, Sabine Siebold e Phil Stewartda Reuters

    Bruxelas

    Ouvir notícia

    O secretário-geral da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Jens Stoltenberg, disse novamente, nesta quarta-feira (16), que Moscou tem que provar que está retirando suas tropas em meio a tensões sobre um aumento militar nas fronteiras da Ucrânia. O representante da organização disse que soldados e tanques tem o costume de se mover.

    “Resta saber se há uma retirada russa… O que vemos é que eles aumentaram o número de tropas, e mais tropas estão a caminho”, disse Stoltenberg a repórteres no início de uma reunião de dois dias de ministros da Defesa da Otan na sede da aliança em Bruxelas.

    “Se eles realmente começarem a retirar forças, isso é algo que saudaremos… Eles sempre moveram forças para frente e para trás. Então, só o que vemos, o movimento das forças, de tanques de batalha, não confirma uma retirada real”, afirmou o representante da Otan.

    No entanto o Kremlin declarou que a Otan está errada quanto a afirmação sobre a retirada das forças russas da fronteira com a Ucrânia. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse nesta quarta que o presidente russo, Vladimir Putin, tem salientado o seu desejo de negociar, admitindo que reconhecer a independência das regiões separatistas de Luhansk e Donetsk, no leste da Ucrânia, não estaria em linha com os Acordos de Minsk.

    O Kremlin afirmou ainda que a presidência russa está “farta de ameaças que são repetidas como um mantra”. O governo russo também afirmou que a Rússia nada tem a ver com os ciberataques registados terça-feira (15) na Ucrânia.

    Entenda os motivos da tensão entre os dois países

    As tensões entre a Ucrânia e a Rússia estão em seu ponto mais alto dos últimos anos. O exército russo reuniu mais de 130 mil soldados perto da fronteira ucraniana nas últimas semanas.

    Os Estados Unidos e demais países-membros da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) acusam a Rússia de planejar um ataque contra a Ucrânia e apontam um crescente acúmulo de forças militares nas fronteiras.

    Os russos, por sua vez, negam que haverá uma invasão, mas pedem que a Otan afaste-se da Ucrânia e de suas intenções de tornar o país fronteiriço mais um de seus membros na Europa.

    Na terça-feira (15), algumas tropas nos distritos militares da Rússia adjacentes à Ucrânia retornaram às suas bases depois de completar os exercícios, como informou o Ministério da Defesa russo.

    Qual é a situação atual na fronteira?

    Os Estados Unidos e a Otan descreveram os movimentos e concentrações de soldados dentro e ao redor da Ucrânia como “incomuns”.

    Os serviços de inteligência norte-americanos estimaram que a Rússia poderia começar ataques antes do final dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, que terminam em 20 de fevereiro.

    A Rússia criou pontos de pressão em três lados da Ucrânia – na Crimeia, ao sul, no lado russo da fronteira entre os dois países e em Belarus, ao norte.

    Mais Recentes da CNN