Colômbia: Protestos em Cali causam escassez de alimentos e combustível

Bloqueios das principais vias da cidade colombiana têm impedido a chegada de suprimentos; 60 dos 157 postos da cidade foram vandalizados ou saqueados

Manifestantes voltam às ruas pelo 9º dia consecutivo de protestos na Colômbia
Manifestantes voltam às ruas pelo 9º dia consecutivo de protestos na Colômbia Foto: Reprodução/CNN Brasil (07.mai.2021)

Wilson Barco, CNN

Ouvir notícia

Duas semanas de bloqueios devido à greve nacional provocada pelos protestos contra o governo de Iván Duque, deixaram Cali, a terceira cidade mais populosa da Colômbia, com escassez de alimentos e combustível, situação que se agravou com saques em algumas partes do cidade.

No distrito de Valle del Cauca, localizado no sudoeste do país, devido aos fechamentos e bloqueios que foram impostos desde o início dos protestos “há uma escassez total” de alimentos e combustíveis, o que aumenta a crise social e humanitária, causada por um terceiro pico da pandemia de Covid-19, disse a governadora do distrito Clara Luz Roldán.

Manifestantes fecharam as principais vias de acesso à cidade e a outros municípios do distrito de Valle, o que chama a atenção do governo. Os protestos tiveram mortes, feridos e confrontos de policiais armados contra manifestantes desarmados.

“[Os manifestantes] são jovens do leste de Cali e das encostas de Cali, que sofreram com a falta de oportunidades do governo nacional e local. Hoje, neste momento, eles não têm emprego, não têm estudo, não têm futuro à vista “, disse um manifestante em Cali que preferiu não dar o seu nome por razões de segurança.

Estabelecimentos fechados e estoques vazios

A CNN percorreu alguns setores de Cali e descobriu escassez de alguns alimentos nos supermercados da cidade. Também havia longas filas para reabastecimento e faltas de combustíveis em alguns postos de gasolina.

O Ministério da Defesa informou nesta terça-feira (11) que o chefe da pasta, Diego Molano, acompanha andamento dos desbloqueios e do abastecimento de alimentos na cidade de Cali.

Alimentos como ovos, frango e carne também começaram a faltar em Cali e algumas lojas fecharam pois seus estoques estão vazios. Uma mulher que vende frango em Cali relatou a reportagem da CNN que “não há nada” nos mercados e que os “freezers estão vazios”. 

No último domingo (9), um corredor humanitário para abastecer o oeste da Colômbia foi aberto e permitiu a entrada de caminhões para transportar mercadorias e alimentos aos mercados, mas a situação ainda está longe de ser resolvida.

O presidente Iván Duque disse que os bloqueios estão fazendo com que pessoas em várias cidades do país não recebam alimentos, vacinas, oxigênio e até mesmo o direito ao emprego de muitos cidadãos está sendo afetado.

Manifestantes protestam contra reforma tributária na Colômbia (01.mai.2021)
Manifestantes protestam contra reforma tributária na Colômbia (01.mai.2021)
Foto: Reprodução/CNN

Saques 

A falta de combustível fez com que pessoas que não estão entre os manifestantes roubassem combustível, como a CNN conseguiu mostrar de Cali.

O ministro das Minas e Energia, Diego Mesa, informou na semana passada que “houve vandalização” em 60 dos 157 postos da cidade, de modo que “um terço dos postos ficou fora de serviço” na semana passada por não ter abastecido de combustível por uma semana. 

Agora, a situação de escassez mudou para o departamento vizinho de Nariño, também no sudoeste do país. O ministro das Minas disse que a situação é “crítica devido à escassez de combustível e gás” e que “só restam reservas para alguns dias”.

“A escassez em Nariño não se deve à falta de produção de combustível e gás, mas sim a bloqueios de estradas. A disposição do Governo é estabelecer uma mesa de diálogo que permita desbloquear e garantir o abastecimento ”, disse Mesa no Twitter.

Nesta segunda-feira (10), 442 mil litros de combustível chegaram a Cali para abastecer os municípios do Vale, informou o ministro de Minas e Energia. 

(Esse texto é uma tradução. Para ler o original, em espanhol, clique aqui)

Tópicos

Mais Recentes da CNN