Na Indonésia, mais de 60 pessoas morrem em hospital após falta de oxigênio

Aumento da demanda de oxigênio hospital acontece em meio ao avanço da variante Delta, considerada mais transmissível, no país

Enfermeira trata paciente com Covid-19 em hospital de Jacarta, capital da Indonésia
Enfermeira trata paciente com Covid-19 em hospital de Jacarta, capital da Indonésia Foto: Ulet Ifansasti/Getty Images

*Jessie Yeung, CNN

Ouvir notícia

Mais de 60 pessoas morreram em um hospital na Indonésia neste fim de semana depois que o suprimento de oxigênio que abastece o local quase acabou. A crise aconteceu enquanto o país luta contra uma onda severa de Covid-19 que as autoridades dizem ser causada pela variante Delta, considerada mais infecciosa.

A quarta nação mais populosa do mundo está enfrentando um dos piores surtos da Ásia, com um recorde de 27.913 novos casos registrados neste sábado (3). As ilhas de Bali e Java – que inclui a capital Jacarta – ficaram sob bloqueio de emergência neste sábado para conter a disseminação do vírus ressurgente.

Em um comunicado, o hospital Sardjito em Java disse que 63 pacientes morreram entre o sábado e este domingo (4), depois que o suprimento de oxigênio quase acabou. O hospital alega ter buscado mais oxigênio por dias antes do incidente, mas os pacientes com vírus que chegavam desde sexta-feira o empurraram além de sua capacidade, consumindo oxigênio mais rápido do que o esperado.

A crise diminuiu quando o hospital começou a receber novos suprimentos pouco antes do amanhecer deste domingo. Um porta-voz do hospital não confirmou se todos os mortos estavam com a Covid-19.

Em resposta, o governo pediu à indústria de gás que aumentasse a produção de oxigênio medicinal, disse uma autoridade do Ministério da Saúde Siti Nadia Tarmizi. “Também esperamos que as pessoas não estocem oxigênio”, acrescentou.

Separadamente, a pasta que supervisiona a resposta da Covid-19 na Indonésia ordenou que a indústria de gás priorize a produção para atender à demanda estimada de 800 toneladas de oxigênio por dia para atender às necessidades médicas.

A indústria tem capacidade ociosa de 225 mil toneladas por ano que ainda podem ser usadas, acrescentou o ministério.

Hospitais em Java estão sendo levados à beira do colapso com a propagação da variante Delta, altamente infecciosa, que foi identificada pela primeira vez na Índia, onde causou um aumento dramático nos casos e empurrou os recursos médicos à beira do colapso.

Em Jacarta, o governo disse que o número diário de funerais seguindo os protocolos da Covid-19 aumentou dez vezes desde o início de maio, com 392 enterros apenas neste sábado.

O país “viu um aumento dramático nos casos confirmados após os feriados festivos”, disse o ministro da Saúde da Indonésia, Budi Gunadi Sadikin, na última sexta-feira.

As autoridades não haviam percebido inicialmente a rapidez com que o vírus estava se espalhando nesta última onda, disse ele à CNN – acrescentando que a variante Delta estava por trás da situação em rápida deterioração.

“Esta variante atinge a todos – não apenas crianças, mas também adultos”, disse ele. “Se compararmos com a onda anterior, o número de casos confirmados aumentou significativamente mais rápido para adultos e crianças”.

O número de crianças infectadas e hospitalizadas é maior desta vez em comparação com a onda anterior da Indonésia, talvez devido ao maior número geral de infecções em todo o país, mas sua taxa de hospitalização ainda é menor do que para pacientes adultos, disse Budi Gunadi Sadikin.

Vacinação no país

Mais de 350 médicos e profissionais da área na Indonésia contraíram a doença, apesar de terem sido vacinados com a vacina do laboratório chinês Sinovac, disseram as autoridades em meados de junho, levando a preocupações sobre a eficácia das vacinas contra variantes mais infecciosas.

Embora o país tenha começado a implementação da vacinação em janeiro, o progresso foi lento entre o público, com apenas 5,14% da população totalmente vacinada até agora, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. Em 28 de junho, o governo abriu a vacinação para crianças de 12 a 17 anos, com o presidente Joko Widodo pedindo que a expansão “comece imediatamente”.

O governo agora está construindo um hospital de campanha em um estádio em Jacarta, que forneceria 5 mil leitos adicionais, e está procurando recrutar enfermeiras e médicos recém-formados em todo o país para ajudar no tratamento de pacientes nas áreas mais atingidas.

A partir desta terça-feira (6), a Indonésia vai restringir a chegada de visitantes estrangeiros, permitindo a entrada apenas daqueles que estão totalmente vacinados e têm um teste de PCR negativo, embora as viagens diplomáticas sejam excluídas. Os visitantes ainda terão que passar oito dias em quarentena na chegada ao país.

(Esse texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

*Com informações da Reuters

Mais Recentes da CNN