“Não se encontra água”, diz profissional do Médicos Sem Fronteiras em Mariupol

Em relato repassado à CNN com exclusividade, profissional descreve dificuldade para encontrar água e comida na região; ouça áudio na íntegra (em inglês)

Layane SerranoTiago Tortellada CNN

Ouvir notícia

A cidade de Mariupol, no Sul da Ucrânia, sofre com o cerco do exército russo há dias, o que gerou falta de combustível e água. Esta é uma das regiões onde houve tentativas de abrir um corredor humanitário para a passagem de suprimentos e refugiados, mas sem sucesso.

Um áudio em inglês repassado com exclusividade para a CNN mostra o profissional Sasha — nome fictício para proteção –, do Médicos Sem Fronteiras (MSF), descrevendo a situação no local. Confira a íntegra do áudio abaixo e a tradução do relato mais abaixo.

A conversa aconteceu com outro profissional do MSF no domingo, dia 6 de março. Também por motivos de segurança, não foram informados o cargo nem há quanto tempo Sasha se encontra em Mariupol.

“Não há lugares onde se encontre água. As pessoas estão procurando opções diferentes. Por exemplo, vimos um bloco de apartamentos onde as pessoas estavam pegando água de um sistema de aquecimento”, disse Sasha.

“Não está funcionando, e eles pegam água do sistema de aquecimento apenas para lavar as mãos ou apenas para algumas necessidades muito, muito básicas”, acrescentou o profissional.

Sasha conta que viu várias regiões da cidade bombardeadas, incluindo o Centro, e que não é possível encontrar mais pão, assim como outros alimentos.

“Vimos pessoas que vão até regadores de chão [sprinklers] para tomar um pouco de água. E vimos, também, em um lugar, um caminhão com água da Unicef. Mas era apenas em um lugar e uma fila enorme de pessoas tentando pegar essa água”, pontuou.

Por duas vezes, ao menos, no sábado e no domingo, houve a tentativa de abrir corredores humanitários na cidade para que os moradores pudessem sair da região e haver a entrega de suprimentos de órgãos como o MSF.

Sobre isso, Sasha afirmou que viu “um grande número de carros em diferentes áreas de Mariupol com os adesivos indicando presença de crianças e fita branca. Mas, depois, houve uma informação de que [evacuação] foi cancelada devido aos bombardeios contínuos nas estradas de Mariupol a Zaporijia”.

O profissional relata que quase todos os estabelecimentos que vendem remédios já não têm mais medicamentos e que muitas pessoas estão realizando saques a farmácias.

A situação se agrava ainda mais com a falta de combustível e energia elétrica na cidade.

“Então, agora, estamos usando um pouco de eletricidade do ‘power bank’ [espécie de reservatório]. Ele fez, talvez, uma recarga. E também conseguimos recarregar um pouco quando estamos dirigindo pela cidade. Fora isso, não há outra chance de recarregar, porque não há combustível. Totalmente sem combustível na cidade em lugar nenhum”, afirmou Sasha.

Por fim, o profissional diz que no apartamento onde estão há apenas gás, mas que em outras regiões, como no Centro, já há o corte desse combustível.

O gás natural é essencial para o país, tanto para tarefas como cozinhar quanto para esquentar as casas durante o forte inverno que a Ucrânia enfrenta.

Atuação do Médicos Sem Fronteiras na Ucrânia

A organização já atuava na Ucrânia com projetos regulares sobre tuberculose, HIV e doenças crônicas, ações que foram suspensas com a guerra.

Na Ucrânia, as equipes de MSF distribuíram kits para o tratamento de ferimentos de guerra em Mariupol, além de treinamento de telemedicina para cuidados de trauma para 30 cirurgiões da Ucrânia Oriental.

Equipes da organização estão sendo enviadas para Polônia, Moldávia, Hungria, Romênia e Eslováquia para avaliar as necessidades das pessoas que atravessam as fronteiras e atender às necessidades humanitárias.

Leia a transcrição completa do áudio:

O nome fictício Sasha será utilizado para proteger a identidade do profissional.

Pessoa 1: Tudo bem. Você entende. Vá em frente, Sasha.

Sasha: Ok, então, em Mariupol, a situação, hoje, é um pouco mais tranquila do que ontem, porque ontem foi muito ruim com muitas explosões por toda a cidade. Visitamos vários amigos nossos hoje em Mariupol e parentes, e vimos em diferentes partes da cidade os locais onde aconteceram as explosões. E foi até perto de blocos residenciais de apartamentos nas estradas. Então vimos muitos prédios onde os vidros estavam quebrados nas janelas porque (não audível). Este foi um problema, o problema com a água potável, não é possível encontrar em lugar algum (não audível)

Coordenador do Projeto (PC, em inglês): Desculpe, Sasha, cortou. Mas ouvi que água potável é muito difícil de encontrar. Você pode começar de novo?

Sasha: Eu não entendi. Não entendi.

PC: Pode repetir o que disse? Acabamos de ouvir um pouco sobre bombardeios pesados ​​em todos os lugares nesta área residencial atingida. E então você estava falando sobre beber água.

Sasha: Ok. Então, sim, vimos muitas explosões por toda a cidade em diferentes distritos de Mariupol. Claro, existem alguns distritos que são mais atingidos. Mas, mesmo no Centro, há lugares onde não houve explosões. Não, não há lugares onde se encontre água. As pessoas estão procurando opções diferentes. Por exemplo, vimos um bloco de apartamentos onde pessoas estavam pegando água de um sistema de aquecimento. Não está funcionando e eles pegam água do sistema de aquecimento apenas para lavar as mãos ou apenas para algumas necessidades muito básicas. Além disso, vimos pessoas que vão regadores de terra para tomar um pouco de água. E vimos também, em um lugar, um caminhão com água do Unicef.

Mas era apenas em um lugar e uma fila enorme de pessoas tentando pegar essa água. Em nenhum lugar para encontrar pão e todas as lojas, a maioria das lojas e supermercados, o produto foi retirado por pessoas que não conseguiram encontrar comida. Então alguém quebrou uma janela, uma janela ou portas das lojas e as pessoas que estavam perto foram e levaram pelo menos um pouco de comida porque nenhuma loja está funcionando. Nenhum lugar para comprar comida.

Ah, o que mais? E hoje houve uma informação de que a estrada de evacuação seria organizada. E vimos um grande número de carros em diferentes áreas de Mariupol com os adesivos indicando a presença de crianças e fita branca. Mas, depois, houve uma informação de que foi cancelada devido aos bombardeios contínuos nas estradas de Mariupol a Zaporijia.

PC: Sasha, você tem água ou você sabe se nossa equipe tem algum acesso à água?

Sasha: Eu, pessoalmente, eu tenho. Eu também visitei hoje a “Guest House” com nossa equipe. Eles foram ao mercado e encontraram um lugar onde compraram batatas e estavam procurando também lugares onde pudessem tomar água, mas não sei se eles conseguiram encontrar ou não. Mais tarde, soubemos que eles tentaram organizar a evacuação, mas também foi cancelada.

PC: Essa é a farmácia que tinha as farmácias vazias também.

Sasha: Sim, algumas farmácias também estão com as portas quebradas e as pessoas pegaram remédios, porque nada está funcionando. Sem lojas, sem farmácias que vendem remédios. Então é por isso que as pessoas têm que entrar pelas portas quebradas e pegar o que precisam e o que resta lá. Mas esta situação já começou há dois ou três dias. Então, hoje, quase todas essas lojas e farmácias já estão vazias.

PC: Sim, sim, parece bastante desesperador. Você conhece a situação dos hospitais? Você sabe se há 127 vítimas em 50 e este hospital 20 neste hospital? Você ouviu alguma atualização sobre a situação com seus pacientes?

Pessoa 3: Não, não sei nada sobre o estado dos hospitais. Eu só sei que o hospital de cuidados intensivos do nível oblast estão localizados perto da parte Oeste de Mariupol, onde a batalha está cada vez mais próxima. E nós moramos aqui até com uma vizinha que trabalhava no hospital e ela disse isso, ontem ou no dia anterior, que houve incidentes de quando os projéteis caíram em uma casa perto deste hospital. Então é muito perto daquela área onde o bombardeio acontece.

Então, pelo menos dois dias atrás, não foi danificado porque conversamos com o funcionário ontem. O que está acontecendo agora não sabemos, porque temos um corte total de qualquer informação. Podemos apenas receber mensagens de texto através do telefone. Nenhuma outra informação disponível para nós e está em toda parte em Mariupol. (não audível) não funciona em lugar nenhum e o telefone funciona em pouquíssimos distritos de Mariupol.

PC: Existe alguma maneira existe em qualquer lugar? Existe algum lugar para ter eletricidade, por exemplo, para carregar este telefone que você está usando agora ou quando a bateria acabar? Não há como recarregar.

Sasha: Então, agora, estamos usando um pouco de eletricidade que sobrou no “power bank”. Ele fez, talvez, uma recarga. E também conseguimos recarregar um pouco quando estamos dirigindo pela cidade. Mas é claro que não… sim, fora isso, não há outra chance de recarregar, porque não há combustível. Totalmente sem combustível na cidade em lugar nenhum…

PC: então não há eletricidade, sem aquecimento, sem água.

Sasha: Apenas gás. Em nosso apartamento temos apenas gás. Mas em algumas partes da cidade, quer dizer, no Centro da cidade, eles também já cortaram o gás. Mas no Starbucks, a margem esquerda, que é severamente impactada, também não há gás.

Pessoa 1: OK, obrigado pessoal. Eu só vou evitar que a próxima conexão possa ir de novo. Então, vamos falar sobre operações agora, se estiver tudo bem.

Mais Recentes da CNN