Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Naufrágio do Moskva pode impactar próximos movimentos da Rússia na guerra

    Cruzador de mísseis era o principal navio russo no Mar Negro; Ucrânia alega que atingiu a embarcação com mísseis

    Foto de arquivo do navio cruzador de mísseis Moskva em Sevastopol, na Crimeia
    Foto de arquivo do navio cruzador de mísseis Moskva em Sevastopol, na Crimeia Foto: Reuters/Alexey Pavlishak

    Brad Lendonda CNN

    O Moskva, principal navio de guerra russo, repousa nas profundezas do Mar Negro nesta sexta-feira (15). O cruzador de mísseis naufragou depois de ter sido seriamente danificado após um incêndio.

    A Ucrânia afirma que atingiu o Moskva com mísseis, fazendo-o afundar. Já a Rússia insiste que o motivo do naufrágio foi um incêndio. Nesta sexta-feira, os Estados Unidos apoiaram a versão ucraniana, com um alto funcionário da defesa do governo norte-americano dizendo que acredita que dois mísseis ucranianos do tipo Neptune atingiram o navio de guerra russo no Mar Negro.

    Mas o que a perda do Moskva significa para o esforço de guerra russo?

    O maior efeito pode ser no abalo da moral da Rússia. Como carro-chefe da frota marítima russa do Mar Negro, o Moskva foi um de seus ativos mais visíveis na guerra da Ucrânia. Embora dentro do país Moscou gerencie cuidadosamente as notícias sobre a guerra, será difícil esconder a súbita ausência de um navio tão grande.

    A sua perda levantará dúvidas sobre as habilidades de combate da Rússia, seja devido à ação inimiga ou acidente.

    “Ambas as explicações para o naufrágio do Moskva indicam possíveis deficiências russas — ou defesas aéreas deficientes, ou procedimentos de segurança incrivelmente negligentes”, disseram os analistas Mason Clark, Kateryna Stepanenko e George Barros do Instituto para o Estudo da Guerra em um briefing diário do conflito.

    O ex-capitão da Marinha dos EUA Carl Schuster, disse que as dúvidas chegaram ao próprio Kremlin.

    “Isso levanta questões sobre a competência naval dez anos depois que o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que iria restaurar as capacidades, moral e profissionalismo da marinha”, disse Schuster.

    “Parece que ele não foi capaz de manter nenhuma de suas promessas para nenhum dos serviços militares da Rússia”, disse o ex-capitão, observando que a Rússia também sofreu reveses em terra.

    Mas os analistas estão divididos sobre o impacto que o naufrágio terá na invasão russa.

    Os analistas do Instituto veem o incidente como um golpe relativamente pequeno, dizendo que o navio foi usado principalmente para ataques com mísseis de cruzeiro em centros logísticos e aeródromos ucranianos. A Rússia tem sistemas terrestres e aeronaves de ataque que podem fazer a mesma coisa, disseram eles.

    No entanto, eles acrescentaram que, se de fato foi um míssil ucraniano que levou ao naufrágio, a marinha russa teria que repensar suas operações, possivelmente movendo navios para mais longe do território ucraniano e ajustando suas defesas aéreas.

    Em Washington, o porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que a principal missão do Moskva era a defesa aérea das forças russas no Mar Negro.

    “Isso terá um impacto nessa capacidade, certamente no curto prazo”, disse Kirby a repórteres.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original