Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Navio-hospital ajudaria a aliviar situação em Gaza, diz médico da Federação Mundial de Saúde Pública

    À CNN Rádio, Paulo Buss afirmou que a situação humanitária na Faixa de Gaza piora “dia a dia”

    Pessoas examinam área do hospital Al-Ahli em Gaza após explosão: nesta sexta-feira (20), outro hospital na região diz ter sido alertado para ataques aéreos
    Pessoas examinam área do hospital Al-Ahli em Gaza após explosão: nesta sexta-feira (20), outro hospital na região diz ter sido alertado para ataques aéreos 18/10/2023REUTERS/Ahmed Zakot

    Amanda Garciada CNN

    A Federação Mundial de Saúde Pública tem feito apelos às autoridades e órgãos internacionais para a liberação de ampla ajuda humanitária na Faixa de Gaza.

    À CNN Rádio, o professor emérito da Fiocruz Paulo Buss, que é membro do conselho da federação, disse que recebe relatos de colegas que atuam na Faixa de Gaza e na Cisjordânia.

    “Só ontem, quase 800 pessoas entraram feridas nos hospitais, a maioria crianças, mulheres e idosos”, afirmou.

    Segundo Buss, os médicos em Gaza estão “exauridos” e, sem combustível, os geradores dos hospitais não têm como funcionar, o que prejudica ainda mais o atendimento.

    “O ideal é a entrada não só de medicamento, mas de equipamentos cirúrgicos, máscaras e luvas”, defendeu.

    De acordo com Paulo Buss, a abertura do corredor humanitário pelo sul de Gaza permite que a Cruz Vermelha, OMS e a Agência para Refugiados da Palestina montem hospitais de campanha na península do Sinai.

    “Propusemos também que sejam colocados um ou dois navios-hospitais na costa do Egito”, completou.

    O médico destaca que este tipo de hospital tem “centro cirúrgico, com atendimento especial” e a permissão para eles seria “gesto humanitário dos países desenvolvidos.”

    Veja mais: Israel diz que bombardeou túneis do Hamas; túneis são 5 vezes maiores que metrô de SP

    A Federação Mundial de Saúde Pública fez apelos às lideranças de Israel e Hamas, além da ONU e do chanceler brasileiro Mauro Vieira.

    Paulo Buss destacou a importância de que as pessoas assinem o abaixo-assinado proposto pela organização.

    *Com produção de Isabel Campos